Rehagro Blog
suplementos múltiplos e concentrados para gado de corte

Principais suplementos múltiplos e concentrados para gado de corte

Principais suplementos múltiplos e concentrados para gado de corte
Nota 5 / Votos 1

A produção de bovinos no Brasil é predominantemente baseada na utilização de pasto, sendo estes as fontes mais econômicas de nutrientes para os ruminantes tropicais. Contudo, variações quantitativas e qualitativas de forragens ao longo dos anos comprometem os índices produtivos, afetando na produção por animal e por área.  Nos períodos de seca, há uma diminuição nos nutrientes das plantas, principalmente de proteínas e minerais com o avanço do processo de maturação das pastagens. Já nos períodos das águas, embora as pastagens não sejam consideradas deficientes em proteínas, os ganhos de peso obtidos nestas condições estão aquém do observado sob condições de suplementação. Desta forma a curva de crescimento animal fica comprometida, aumentando a idade ao abate e ao primeiro parto. (PAULINHO et al., 2003). Diante disso, se faz importante avaliar a utilização dos suplementos múltiplos e concentrados, já que para um ganho de peso satisfatório temos que ajustar as deficiências das pastagens e intensificar nosso sistema de produção.

Importância da suplementação proteica

A suplementação proteica de animais em pastejo é uma ferramenta que nos permite corrigir dietas desbalanceadas, melhorando o ganho de peso vivo, a conversão alimentar, e por consequência diminuir os ciclos produtivos da pecuária de corte.

A habilidade de se alterar a composição corporal dos animais mantidos a pasto depende da obtenção de alta relação energia/proteína, em relação aos nutrientes absorvidos. O simples aumento dos teores proteicos do material ingerido não é uma garantia de maior suprimento intestinal de proteína por unidade de matéria seca ingerida, ou maior quantidade de proteína absorvida. Tal eficiência no aproveitamento da fração proteica, depende da disponibilidade de energia para os microrganismos ruminais utilizarem a amônia oriunda da proteína degradada. Sempre que os teores proteicos das gramíneas estivem abaixo do valor mínimo de 7% de PB, se torna um fator limitante para atividade dos microrganismos do rúmen, para animais em mantença, a digestibilidade de forragem fica comprometida (LAZARRINE et al., 2006).

Neste contexto, o fornecimento de suplementos proteicos/energéticos/mineral ampliaria a disponibilidade de proteína metabolizável aumentando a relação proteína: energia absorvida, propiciando consequentemente melhorias no desempenho animal.

Os principais suplementos múltiplos/concentrados/proteinado

O desempenho dos bovinos é função de fatores genéticos, nutricionais, sanitários, manejo e suas interações. O uso de maiores quantidades de alimentos concentrados para bovinos de corte e inevitável, uma vez que o melhoramento genético dos animais e acompanhado ao aumento das exigências nutricionais. Nos últimos anos houve um grande aumento na utilização de concentrados nas dietas e desta forma, na pecuária moderna os planos nutricionais para o gado de corte a pasto são cada vez mais baseados em fontes suplementares, como as misturas múltiplas, concentrados, proteinados/energéticos, buscando sempre o melhor ajuste das exigências nutricionais e maior desempenho (SINDIRAÇÕES, 2008).

Os alimentos concentrados têm por características apresentarem altos valores proteicos e energéticos nas suas composições e são eles:

Proteicos:

  • Farelo de soja (48 a 50% de PB e 82% de NDT).
  • Farelo de algodão (38 a 41% de PB e 66 a 75% de NDT).
  • UREIA (45% de N, PB tem 16% de N, logo, o equivalente de ureia é 281% Cada kg de ureia equivale a 2,81 kg de PB.
  • Outros: Farelo de amendoim, cevada, glúten de milho, etc.

Energéticos:

  • Milho
  • Sorgo
  • Milheto
  • Polpa cítrica
  • Farelo de trigo
  • Farelo de mandioca, entre outros.
  • 75 a 92% de NDT (%MS) e < 12% de PB

Podemos falar então, que esses alimentos/nutrientes juntamente com os minerais essenciais compõem a suplementação mistura múltipla, também chamadas de proteinado.

O uso de maiores quantidades de alimentos desse tipo para bovinos de corte e inevitável, uma vez que que a utilização melhora o desempenho produtivos dos animais, aumenta o consumo, auxilia na digestibilidade da dieta basal (pasto), acelera a taxa de passagem dos componentes indigestíveis pelo trato gastrintestinal e principalmente quando bem trabalhado, o retorno e as margens de lucro podem ser significativas. O uso estratégico de suplementos, nas diversas fases do sistema (cria, recria e engorda) e épocas do ano, de ser alvo tanto dos produtos quanto dos técnicos, visando sempre aumentar a taxa de desfrute do rebanho e os lucros (PAULINO et al. 2008).

Referencia consultadas

PAULINO, M.F,; DETMANN, E.; VALADARES FILHO, S.C. et al. Bovinocultura funcional nos trópicos. IN: Simpósio de produção de gado de corte, 6; simpósio internacional de produção de gado de corte. Anais… Viçosa: SIMCORTE, p 275-305. 2008

PAULINO, M. F.; ACEDO, T.S; SALES, M.F.L. et al. Suplementação como estratégia de manejo das pastagens. Anais…Volumosos na produção de ruminantes: Valor alimentício de forragens. Jaboticabal. p 87-100. 2003

LAZZARINI, I.; DETMANN, E.; SAMPAIO, C.B. et al. Dinâmica de degradação ruminal in situ da fibra em detergente neutro em bovinos alimentados com compostos de baixa qualidade suplementados com níveis crescentes de compostos nitrogenados. Anais… Reunião anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, 43, João Pessoa, PA, 2006

Site: http://www.sindiracoes.org/imagens/boletim_junho.pdf. Acesso em: 15/07/2018