Rehagro Blog
Plantio de café

Plantio do café: 6 pontos importantes que você precisa saber

O café é uma cultura perene, dessa forma, não precisa ser replantado todos os anos como ocorre com as culturas anuais. Assim sendo, a etapa de plantio é determinante para o sucesso do cultivo, visto que a adoção de práticas errôneas poderá refletir no estabelecimento e produção da lavoura ao longo dos anos.

O plantio do café é uma das fases mais importantes da produção, se não a principal.

Diante disso, alguns pontos são cruciais na implantação do cafeeiro, e serão abordados nos próximos tópicos.

1. A época de plantio interfere no crescimento e produtividade do café?

Sim. Estudos foram realizados analisando cafeeiros implantados em diferentes épocas do ano, e a partir dos resultados obtidos pode-se concluir que o plantio antecipado é benéfico para o desenvolvimento das plantas de café.

No período de outubro até o início de dezembro, as chances de ocorrer veranicos são menores, além disso, o cafeeiro terá mais tempo para crescer e desenvolver.

Assim sendo, haverá maior potencial produtivo na primeira safra, e o cafeicultor terá retorno mais rápido do seu investimento durante a formação da lavoura. 

É recomendado que o plantio seja feito até dia 15 de dezembro (a depender de como está a distribuição de chuvas no ano), após esse período os riscos de perdas são consideravelmente maiores.

Lavoura e plantio de caféLavoura e plantio. Fonte: Joana Oliveira.

2. Quais as diferenças do plantio do café com mudas de saquinho e tubete?

Características das mudas de saquinho

  • Utiliza-se solo na produção das mudas, podendo haver inóculo de nematoides;
  • Geralmente tem menor custo;
  • Maior risco de pião-torto;
  • Maior desenvolvimento do sistema radicular;
  • Melhor resistência em campo.

Características das mudas de tubete

  • Menor risco de contaminação por nematoides, pela utilização de substrato ao invés de solo na formação das mudas;
  • Maior investimento inicial com instalações do viveiro e tubetes para produção de mudas;
  • Exige menor espaço na produção e no transporte;
  • Fácil manuseio no viveiro e em campo;
  • Menor demanda de mão-de-obra.

Em grande parte das regiões produtoras de café, o plantio é feito por mudas de saquinho, todavia, este cenário tende a inverter, principalmente pelo risco de contaminação por nematoides desse material.

Dessa forma, no caso das mudas de saquinho é importante adquirir em viveiros confiáveis, e fazer a análise de nematoides antes de levá-las a campo, visto que a contaminação do solo com nematoides pode ser irreversível, trazendo grandes prejuízos. 

As mudas de tubetes são mais sensíveis, principalmente nos primeiros 15 dias a campo, já que há pouca reserva em seu substrato e o desenvolvimento radicular pode ser menor, dessa forma, sua resistência a veranicos é reduzida e a época de plantio é ainda mais importante nessas situações. 

Após o estabelecimento, ambos tipos de mudas apresentam bons resultados se manejadas e conduzidas corretamente. 

Plantio de mudas com saquinhoPlantio de mudas com saquinho. Fonte: Joana Oliveira. 

3. O preparo do solo influencia no desenvolvimento do cafeeiro?

Sim, no entanto, é importante analisar a necessidade de preparar o solo, principalmente quanto à subsolagem. Essa ressalva se dá ao fato de, assim como a compactação irá inibir o desenvolvimento das plantas, a subsolagem sem necessidade também pode afetar negativamente.

É importante que o solo tenha certa resistência, havendo o ponto intermediário ideal entre a alta compactação e o solo muito solto. 

Dessa forma, para analisar de forma precisa a estrutura do solo, é interessante retirar amostras indeformadas por meio de cilindros de diâmetro conhecido. O recomendado é fazer 3 pontos de amostragem para cada talhão homogêneo e retirar amostras por horizonte, assim, variando o número de amostras de acordo com o tipo de solo.

Determinada a necessidade, é importante realizar o preparo no momento certo, uma vez que o preparo em solos secos ocasionará formação de torrões, e em solos molhados o problema não será resolvido, podendo aumentar a compactação em certos pontos.

Com isso, é ideal preparar o solo quando o mesmo estiver friável, ou seja, na faixa intermediária entre seco e molhado, pois nessa faixa o solo fragmenta mais facilmente.

Solo sendo preparadoPreparo do solo. Fonte: Joana Oliveira. 

4. Qual a influência da fertilidade e correção do solo no crescimento e produção do cafeeiro?

A fertilidade, junto com a física do solo, são pontos decisivos para o sucesso da lavoura. Solos corrigidos e com boa fertilidade são expressivamente superiores em crescimento e em produção.

Alguns dos principais casos de sucesso de plantios de café são observados em áreas cultivadas anteriormente com cereais. Isso porque, nesses casos, a fertilidade já está construída, obtendo assim altas produtividades nas primeiras safras. 

5. Quais insumos são utilizados no plantio?

Alguns insumos são indispensáveis no plantio, como fósforo e calcário. No caso do fósforo é recomendado, na adubação de sulco, aplicar parte de fósforo solúvel e outra parte de fósforo insolúvel. Isso porque nessa etapa o cafeeiro tem alta demanda do nutriente, necessitando da fonte solúvel.

O fósforo é um nutriente relativamente imóvel no solo, absorvido sobretudo por difusão e interceptação radicular. É importante, portanto, que o nutriente esteja o mais próximo possível das raízes do cafeeiro para que haja absorção.

Por isso a adubação do sulco pode ser a oportunidade do cafeicultor acrescentar fósforo no sistema de maneira eficiente, sendo a fonte insolúvel uma boa opção para essa finalidade.

Em relação ao calcário, nos últimos anos houve alterações sobre a concepção da quantidade a ser aplicada. Diante disso, maiores doses têm sido utilizadas, especialmente no plantio.

A variação do limite de calagem acontece de acordo com a forma de aplicação. Ou seja, se o insumo será aplicado apenas em superfície, junto com a subsolagem ou será incorporado em profundidade, variando também de acordo com a fertilidade do solo. 

A recomendação mínima em área de abertura no plantio tem sido de em média 3 toneladas por hectare em área total, e em alguns casos com acréscimos no sulco de plantio.

A época de aplicação é outro ponto primordial. O calcário deve ser aplicado em área total no mínimo 60 dias antes do plantio, e o fósforo deve ser acrescentado no sulco, preferencialmente, no dia do plantio.

É importante ressaltar que, quando associados, esses dois insumos reagem e perdem sua função, dessa forma, não devem ser misturados diretamente. Quando aplicados simultaneamente no plantio, é preciso bater a cova ou o sulco.

Outros insumos que podem ser utilizados no plantio são os compostos orgânicos, o gesso agrícola, o polímero hidroretentor e outros. Estudos comprovam os benefícios do composto para o solo e para o desenvolvimento das plantas. Apesar de conter nutrientes, no plantio é utilizado principalmente como condicionador do solo.

Todavia, é necessário que o composto esteja estabilizado para ser utilizado no sulco de plantio, para evitar fermentações e danos ao sistema radicular do cafeeiro.

O gesso pode ser aplicado como condicionador do solo, e atua:

  • Na neutralização do alumínio;
  • No fornecimento de Ca;
  • No fornecimento de S;
  • Favorece o desenvolvimento radicular do cafeeiro.

Ele pode ser aplicado no plantio, ou na linha após o plantio antes do “chegamento” de terra.

Já o polímero hidroretentor, também conhecido como hidrogel, é utilizado de forma preventiva, a fim de reter água no solo e auxiliar as mudas de café, principalmente, em períodos de estiagem. 

Cafeeiro com gesso e composto orgânicoUtilização de gesso e composto orgânico em cafeeiros em formação. Fonte: Joana Oliveira. 

6. Como determinar o espaçamento e posicionamento da lavoura?

Estes são dois pontos importantes no planejamento de plantio, pois afetam diretamente na produtividade das lavouras. O espaçamento irá determinar o estande de plantas do talhão.

Para determinar o melhor espaçamento, deve-se levar em consideração:

  1. Se a lavoura será mecanizada ou não;
  2. Qual a bitola dos maquinários da propriedade;
  3. Porte da cultivar implantada. 

Atualmente, tem-se observado maiores produtividades em espaçamentos menores, como de 0,5 a 0,75 m entre plantas, e de 3,2 a 3,6 m nas entrelinhas de plantio, variando de acordo com os critérios citados anteriormente.

Em relação ao posicionamento e alinhamento da lavoura, o ideal para região de Minas Gerais é com a face exposta a 315° Noroeste/Sudeste, pois nesse posicionamento as plantas pegarão sol dos dois lados durante o ano todo. Esse tipo de técnica ajuda a:

  • Diminuir os problemas com pragas e doenças;
  • Aumentar a capacidade fotossintética das plantas;
  • Elevar a produtividade. 

Em determinadas condições é difícil manter esse alinhamento devido a topografia dos terrenos, assim é preferível alinhamentos que facilitem, otimizem os manejos e apresentem menores riscos de escoamento e erosões.

Esses foram os 6 questionamentos cruciais a se levar em conta na fase de plantio.

Dominar essas e outras técnicas pode diferenciar o seu cultivo, possibilitando atingir altas produtividades.

No entanto, muitos cafeicultores ainda ficam com dúvidas se devem optar pelo plantio tradicional ou investir em um plantio mais tecnológico. Pensando nisso, criamos um webinar gratuito com dois profissionais da área, cada um apontando as características principais de cada um desses sistemas. Confira:

Qual o melhor plantio para obter alta lucratividade

Obtenha safras de café mais lucrativas!

Estar por dentro das tendências, novidades e conhecimentos técnicos do mercado agrícola cafeeiro, é o que pode te diferenciar entre os profissionais da área.

Aquele que busca se destacar e criar carreira na cafeicultura, precisa estar se atualizando constantemente, afinal, o Agro não para e está cada vez mais exigente.

Com o curso Gestão na Produção de Café, isso é possível! Professores atuantes em campo, vão te passar por meio de dados reais, atuais e validados, as técnicas para atingir a excelência de produção. Domine as principais técnicas e destaque-se no mercado cafeeiro!

Curso Gestão na Produção de Café

Curso Gestão na Produção de Café

Joana Caroline

Comentar