Rehagro Blog

Secagem de vacas leiteiras: como você tem feito?

O período seco compreende aproximadamente os 60 dias que antecedem ao parto. Esta fase, é de extrema importância para a lactação, uma vez que neste período as vacas descansam, se preparando para uma nova lactação.

A glândula mamária precisa deste tempo para restabelecer suas características metabólicas, no intuito de estar apta para a produção de um bom colostro e na sequência, boa quantidade de leite.

Nesse texto iremos abordar sobre práticas adotas no momento da secagem de vacas leiteiras, como a diferentes formas e métodos que podem ser seguidos, as fases que fazem parte do período seco e também a forma correta de realização da secagem das vacas leiteiras.

 

Sem tempo para ler agora? Baixe este artigo em PDF!


Quais as formas de secagem de vacas?

A secagem de vacas em lactação pode ser feita de diferentes formas e seguindo diferentes critérios e dentre essas diferentes formas, podemos citar:

Secagem com uso de antibioticoterapia – IMM

O tratamento intramamário consiste na infusão de um antibiótico específico diretamente na glândula mamária da vaca.

Esse tipo de secagem é realizado principalmente com o intuito de prevenir infecções intramamárias no período seco e de melhorar a qualidade do leite na próxima lactação.

Curso Gestão na Pecuária Leiteira

Prevenção de infecções intramamárias

Durante o período seco, o qual se trata do intervalo entre a lactação atual e a próxima, as vacas estão susceptíveis a infecções intramamárias.

A secagem é um momento que pode ser considerada um momento crítico, pois é quando a produção de leite é interrompida, onde isso pode criar um ambiente propício para o crescimento de bactérias causadoras de infecções.

O uso de antibióticos intramamários na secagem ajuda a prevenir ou tratar infecções, evitando que elas se desenvolvam e causem problemas durante o período seco ou na próxima lactação.

Entretanto, seu uso na secagem para tratar uma infecção já existente, o que é conhecida como secagem terapêutica, precisa ser cuidadosamente avaliada e supervisionada, onde deverá ser determinado o tratamento apropriado e o tipo de antibiótico a ser utilizado.

Melhoria da qualidade do leite

Sabemos que infecções intramamárias resultam no aumento da Contagem de Células Somáticas (CCS), o que afeta a qualidade do leite e a segurança do produto final. Utilizar antibióticos vai ajudar a garantir que o leite produzido após a secagem seja de alta qualidade, atendendo aos padrões regulatórios e as exigências dos consumidores.

Secagem seletiva

A secagem seletiva de vacas leiteiras é uma prática que vem ganhando espaço e sendo utilizada a partir da evolução das estratégias de controle da mastite, entretanto, exige uma gestão cuidadosa e monitoramento próximo.

Esse tipo de secagem se resume em utilizar antibiótico somente em vacas com alto risco de infecções intramamárias, enquanto nas vacas consideradas sadias o tratamento feito é apenas com a utilização de selante de tetos. Para a identificação dessas vacas consideradas sadias, alguns critérios devem ser utilizados, entre eles podemos citar:

  • Realização do exame de CCS individual da vaca, onde teremos de forma quantitativa esse resultado, sendo preconizado que o animal tenha um resultado de CCS menor do que 200.00 céls/ml nos últimos três meses de lactação antes da secagem.
  • Não ter histórico de mastite clínica.

Baixar Planilha e Guia de Células somáticas no leite

Métodos de secagem de vacas

Quanto ao método de secagem, os mais comumente adotadas são:

  • Secagem abrupta: Nesse método de secagem a vaca é impedida completamente de ir na ordenha, ou seja, a produção de leite é interrompida. A vaca é ordenhada normalmente até o último dia de lactação anterior e em seguida não é mais ordenhada.
  • Secagem intermitente: No método de secagem gradual a produção de leite é reduzida gradualmente ao longo de vários dias antes de interrompê-la completamente. Isso é feito diminuindo a frequência das ordenhas e também o consumo de concentrado.

Quanto a escolha de um dos métodos de secagem (abrupta ou intermitente) irá depender de vários fatores, incluindo a saúde e a condição da vaca, ao manejo e a experiência na execução do método que a fazenda possui.

Entretanto, independentemente da abordagem escolhida, é essencial que a vaca seja monitorada de perto durante o período seco e que medidas de manejo adequadas sejam adotadas para garantir a saúde da glândula mamária e a preparação eficaz para a próxima lactação.

As duas primeiras semanas do período seco são cruciais. Isso porque a vaca estava indo para ordenha, e uma vez que entrou para o período seco não vai mais.

Depois de duas semanas do período, a vaca produz tampão de queratina, fator este que diminui o risco de mastite na metade do período. Porém, atingindo por volta de 50 dias, este tampão é expelido aumentando novamente a chance de a vaca ter mastite oriunda de uma infecção adquirida no período seco.

Por esse motivo que a utilização de selante de teto no momento da secagem é importante, pois se trata de uma substância aplicada com o intuito de impossibilitar a entrada de patógenos causadores de mastite, fazendo com que esse mecanismo se assemelha ao tampão fisiológico de fechamento do canal do teto, mas que só é perdido ou expelido após o parto.

O momento certo de realizar a secagem e a forma como ela é realizada são de grande importância. Quando estas vacas param de ser ordenhadas diariamente, os riscos de desenvolver mastite durante estes 60 dias aumentam e para evitar, alguns cuidados são importantes.

Para facilitar a compreensão, podemos dividir o período seco em fases:

  • Involução ativa: Fase em que a glândula mamária se recupera e se prepara para a próxima lactação. Durante esse período, o úbere da vaca diminui de tamanho e a produção de leite cessa. Este é um processo ativo e controlado pela redução da produção de hormônios relacionados à lactação, como a prolactina.
  • Involução constante: Nessa fase a glândula mamária se encontra completamente involuída, apresentando a formação do tampão fisiológico de queratina na entrada do teto, reduzindo assim a chance de novas infecções intramamárias.
  • Colostrogênese: Essa última fase vai ser regida por hormônios no final da gestação. Nela, temos uma intensa atividade celular, ocorrendo regeneração e diferenciação das células epiteliais que secretam leite, além do aumento da concentração dos componentes do leite como gordura, caseína e a lactose, e concomitantemente acúmulo de imunoglobulinas e células de defesa que irão compor o colostro.

É importante lembrar que nos dias que antecedem o parto, ocorrerá redução do sistema imunológico da vaca, o que pode elevar o risco de infecções intramamárias, em especial aquelas causadas por microrganismos ambientais.

Fases após a secagem da vaca

Imagem ilustrando as fases do período seco de uma vaca. Fonte: Ouro Fino Saúde Animal, 2018.

Como realizar corretamente a secagem das vacas?

As etapas realizadas durante a aplicação do antibiótico intramamário envolvem muito cuidado com a higiene, para evitar que bactérias sejam introduzidas juntamente ao antibiótico.

A lavagem das mãos e utilização de luvas antes do início do manejo, tem fundamental importância.  Após a vaca ser ordenhada, será introduzido o antibiótico intramamário, conforme o passo a passo:

Passo a passo de como realizar a secagem da vaca

Quando se utiliza antibiótico, o mesmo atuará impedindo a multiplicação de possíveis bactérias que entrem no úbere durante o período seco. Atualmente, tem-se discutido muito sobre a aplicação de antibiótico intramamário em vacas que não apresentam mastite.

Pensando em resistência microbiana, a utilização do antibiótico na secagem apenas para vacas contaminadas, é interessante, porém, se faz necessário uma investigação minuciosa.

Em propriedades dispostas a investir nessa investigação mais minuciosa da saúde de úbere de suas vacas, podemos analisar não só todas as vacas individualmente, mas sim cada quarto mamário de cada animal do rebanho e avaliar a melhor estratégia de secagem para cada animal.

Considerações finais

A escolha do tipo e o método de secagem a ser realizada é algo que deve ser discutido e traçado juntamente com a fazenda. Além disso, é importante ressaltar que a seleção do antimicrobiano ideal para utilização na secagem é algo relevante, principalmente nos casos de mastite, visto que para o sucesso do tratamento, precisa-se conhecer os microrganismos que estamos lidando.

Somado a isso, outros fatores são muito importantes para a eficiência do período seco, como a nutrição e o ambiente das vacas, fatores estes que são também cruciais caso ocorra mastite no pós-parto.

Aprenda mais com os melhores consultores do mercado

Já pensou em aprender mais sobre nutrição, reprodução, sanidade, criação de bezerras, controle da mastite e qualidade do leite e muito mais com os melhores consultores do mercado?

Venha conhecer o Curso Gestão na Pecuária Leiteira.

As aulas são 100% online e você pode participar de qualquer lugar do Brasil. Com encontros online ao vivo, você fica frente a frente com os professores para tirar suas dúvidas. Além disso, há suporte dedicado a você ao longo de todo o curso.

O conteúdo é prático e aplicável à sua realidade, com foco na melhoria dos seus resultados.

Ficou interessado? Clique no link abaixo e conheça!

Banner Curso Gestão na Pecuária Leiteira

Laryssa Mendonça

Mariana Torres - Equipe Leite Rehagro

Comentar