Rehagro Blog

Dicas para auxiliar na eficiência da produção de leite em épocas de altos preços de insumos

Há uma máxima na pecuária leiteira que diz que um bom produtor de leite deve ser, em primeiro lugar, um bom agricultor. Os números e as cifras relacionados à atividade leiteira podem explicar essa premissa, visto que o custo alimentar representa em torno de 50% do custo de produção de leite. Ou seja, a habilidade em produzir comida de qualidade para as vacas tende a flexibilizar o custo de produção e, consequentemente, refletir de forma positiva no caixa da fazenda.

Contudo, mesmo tendo competência para produzir comida, ainda assim torna-se necessário recorrer ao mercado para adquirir outros insumos que compõem a dieta do rebanho leiteiro. Oscilações habituais nos preços dos insumos são esperadas em determinadas épocas do ano. No entanto, o mercado está sujeito a variações atípicas que nem sempre podem ser previstas. Estes fatos exigem dos produtores e dos técnicos um profissionalismo e uma capacidade de planejamento da atividade cada vez mais aprimorada, visando sempre a eficiência de produção com maior retorno do negócio.

Acompanhe este texto e veja algumas dicas que podem auxiliar na eficiência da produção de leite em épocas de altos preços de insumos.

Utilização de alimentos alternativos

Milho e soja são alimentos extremamente nutritivos para as vacas leiteiras e figuram como os principais componentes da dieta quando se pensa em concentrados energéticos e proteicos. Em épocas de milho e soja caros, buscar alimentos alternativos a eles ou que complementam a dieta representa uma opção interessante.

Entretanto, realizar estas alterações e adaptações na dieta não é uma tarefa fácil. Além do preço, variáveis como disponibilidade e qualidade nutricional do alimento substituto, níveis de inclusão e impacto da substituição no desempenho animal devem ser consideradas e analisadas. Planejar as compras e negociar bem os produtos também são dois pontos que interferem diretamente em situações como esta.

Confira abaixo alguns alimentos que podem ser utilizados como fontes alternativas na dieta de bovinos leiteiros.

Sorgo

Igualmente ao milho, os grãos de sorgo também são fonte de amido para os animais. No entanto, o amido do sorgo possui menor disponibilidade e menor digestibilidade em relação ao milho. Uma das estratégias utilizadas para melhorar a digestibilidade do sorgo consiste no processamento dos grãos por moagem fina, associado ou não à confecção de silagem de grão úmido reidratado de sorgo. O teor energético do sorgo seco, por exemplo, equivale a 80% do milho seco, sendo ambos processados com moagem fina (< 600 micras). Já o sorgo reidratado é equivalente ao milho seco com moagem fina e corresponde a cerca de 90% do milho reidratado. Vale ressaltar que para que o sorgo tenha o efeito de ensilagem, o tempo mínimo de estocagem deve ser de 60 dias e com granulometria fina.

Uma das características chamativas do sorgo é o seu preço, comumente inferior ao do milho. Em cenários de altos preços de milho e grande oferta de sorgo, a análise comparativa pode ser interessante. 

Lavoura de sorgo. Fonte: Embrapa

Resíduo de cervejaria

O resíduo de cervejaria consiste em um subproduto da indústria, o qual pode se apresentar na forma seca (25 – 30% de matéria seca) ou úmida (10 – 15% de matéria seca). As suas características nutricionais chamam atenção para bons teores de proteína não degradável no rúmen (PNDR) e perfil considerável de aminoácidos essenciais, principalmente metionina e lisina.

A proximidade à polos e indústrias cervejeiras tende a ser um fator limitante do uso deste alimento nas propriedades, devido ao custo com frete associado ao transporte e armazenamento deste material com maiores teores de umidade.

Cevada. Fonte: CTRH

Polpa cítrica

Outro subproduto frequentemente utilizado como alimento alternativo nas dietas é a polpa cítrica, oriunda da indústria de cítricos e que é processada e entregue na forma peletizada nas propriedades leiteiras. O seu uso está baseado principalmente nos teores de pectina, carboidrato fermentável de rápida degradação ruminal capaz de substituir parcialmente o amido.

Por ser um alimento capaz de reter umidade do ambiente, durante o seu processamento na indústria é adicionado hidróxido (ou óxido) de cálcio em sua composição para auxiliar na secagem do produto. Este fato remete a dois pontos de atenção para o manuseio da polpa cítrica nas fazendas leiteiras. O primeiro diz respeito ao armazenamento deste alimento que deve ser feito em local seco e bem ventilado devido a capacidade de retenção de umidade. O outro ponto está relacionado aos seus teores de cálcio, não sendo recomendado o uso em dietas de vacas em pré-parto.

Ao analisar o custo da polpa cítrica nota-se ser competitivo com o custo do milho boa parte das vezes. Além disso, o período de sua maior disponibilidade no mercado ocorre no período de entressafra dos grãos, o que torna o seu uso ainda mais interessante.

altos preços de insumosPolpa cítrica peletizada. Fonte: Cutrale

Caroço de algodão

O caroço de algodão possui características peculiares, dado que sua composição energética é elevada e em sua cápsula externa há uma pluma, também conhecida como linter, que contribui para a efetividade da fibra na dieta, auxiliando na saúde ruminal.

O conteúdo energético deste alimento se deve praticamente ao seu alto teor de óleo, compelindo restrições importantes em sua inclusão na dieta para que não ocorram efeitos negativos na funcionalidade dos microrganismos ruminais e, como consequência, na síntese de gordura do leite pela glândula mamária.

altos preços de insumosCaroço de algodão. Fonte: Andrea Mobiglia, Grupo Rehagro

DDG (Dry Distillers Grains)

O DDG, sigla para grãos secos de destilaria, trata-se de um subproduto do milho que apresentou uma expansão relativamente recente em seu uso nas fazendas leiteiras do Brasil devido ao aumento da produção nacional de etanol à base deste cereal. As características energéticas e proteicas deste alimento são atrativas para sua inclusão nas dietas dos animais, podendo ser uma alternativa tanto ao milho quanto ao farelo de soja, por exemplo, ou até mesmo ser utilizado em combinação.

Uma observação importante a respeito deste produto é o seu teor proteico elevado. O processo de fermentação ao qual o milho é submetido para produção de etanol derivando o DDG pode fornecer leveduras para o produto, melhorando o seu perfil de aminoácidos.

Produção de volumoso de qualidade

A nutrição de vacas leiteiras não se resume apenas na oferta de concentrados. Pelo contrário, grande parte da quantidade total da dieta é composta por volumosos, sendo a silagem de milho um dos mais praticados e de maior valor nutricional. Quando elaborada com planejamento, gerenciamento e de forma adequada, a silagem de milho apresenta dois pontos principais que contribuem de forma considerável para a qualidade e o custo da dieta. São eles:

  1. Ótimo teor de amido que reduz a necessidade de grandes suplementações com concentrados energéticos;
  2. Fibra fisicamente efetiva capaz de estimular a ruminação e a saúde do rúmen.

A produção de silagem de qualidade começa bem antes do plantio da semente. Ela depende também do manejo de fertilidade do solo, do local e da época para a realização do plantio, da escolha do híbrido adequado e do preparo e ajuste do maquinário necessário. Com todas estas variáveis alinhadas, maior é a tendência da silagem obter teores ótimos de amido e bons perfis de fibra fisicamente efetiva.

Monitorar o ponto de colheita da lavoura é um detalhe de extrema importância para a qualidade da silagem. Caso ultrapasse o período ideal de colheita, a planta de milho acumula matéria seca (MS), reduz o teor de fibra em detergente neutro (FDN), aumenta os teores de lignina e reduz a sua digestibilidade.

Veja o gráfico a seguir. Nele está representada a relação do estágio de maturidade do milho com os teores de MS, amido e FDN.

altos preços de insumos

Gráfico 1 – Relação do estágio de maturidade do milho com os teores de matéria seca (MS), amido e fibra em detergente neutro (FDN). Fonte: Bal et al., 1997

Nos estágios iniciais de desenvolvimento a planta de milho possui os grãos pouco preenchidos por amido. Já no estágio de maturidade fisiológica, o teor de MS encontra-se elevado e a planta aumenta o teor de lignina em suas estruturas, fato que reduz sua digestibilidade por parte das vacas. 

Assim sendo, o ponto ideal para a colheita do milho para silagem é quando a planta atinge entre 34 e 38% de MS e de 1/2 a 2/3 do grão preenchido por amido. Neste ponto o milho apresenta o maior acúmulo de amido e o menor teor de fibra.

Lavouras com boa saúde fitossanitária, boa nutrição e que não passaram por eventos extremos de estresse hídrico são capazes de atingir estes valores. No entanto, deve-se estar ciente que variações podem ocorrer em função do híbrido utilizado.

Após a silagem ter sido adequadamente colhida, compactada e armazenada, torna-se necessário enviar amostras do material ensilado para analisar a bromatologia e certificar a sua qualidade. Para realizar a amostragem, o recomendado é que uma faixa de silagem seja removida do topo até a base do silo, em toda sua largura. Desta silagem removida, coletar 8 ou mais amostras em pontos aleatórios, colocando-as em um balde. Despejar as amostras em uma superfície limpa, separá-las em 4 partes iguais e enviar uma das partes para o laboratório.

Considerações

Em épocas de elevação no preço dos insumos, ampliar a variedade de opções nutricionais consiste em um bom caminho. Isto deve ser feito de modo que seja viável para a fazenda e para os animais, sem que ocorram perdas na qualidade da dieta e queda no desempenho dos lotes. Conforme discutido ao longo do texto, o uso de subprodutos representa uma oportunidade interessante. O recomendado é que a inclusão de qualquer subproduto na dieta de vacas leiteiras seja feita mediante o resultado de análises bromatológicas realizadas em laboratórios de referência, visto que estes alimentos passam por processamentos prévios e, portanto, podem apresentar variações consideráveis em seus teores nutricionais. Além disso, e não menos importante, a inclusão deve ser feita respeitando os níveis nutricionais determinados para cada categoria animal e de acordo com a orientação do nutricionista responsável pela propriedade.

Aqui no Rehagro, temos a Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros, que aborda de forma aprofundada as estratégias nutricionais que podem ajudá-lo a otimizar os custos, conduzir rebanhos à alta produtividade e aumentar a margem de lucro do produtor. Caso você tenha interesse, venha conhecer o curso.

Sucesso na produção!

Comentar