Rehagro Blog

Colheita do café como elemento de qualidade

Figura 1. Frutos de café cereja – Fonte: Larissa Cocato.

A colheita do café é a etapa mais importante e esperada para os cafeicultores, sob o ponto de vista econômico e social da lavoura cafeeira. 

No Brasil a colheita, geralmente, se estende de abril a setembro e engloba: 

  1. Preparação da lavoura;
  2. A retirada dos frutos maduros do pé;
  3. Recolhimento.

Assim, para obtenção de cafés de qualidade e com menor custo, é preciso planejar e conhecer os diversos processos envolvidos na colheita. 

Figura 2. Colheita mecanizada do café. Fonte: Joana Oliveira.

Tipos de colheita

Colheita plena

No Brasil, apesar da desuniformidade na maturação dos frutos, devido ao número de floradas que temos, ainda assim conseguimos realizar a colheita plena, que é a derriça plena dos cafés em diferentes estádios de maturação.

Vale destacar que, apesar dessa desuniformidade, quando temos máquinas bem reguladas e período de colheita adequado, é possível colher grande quantidade de frutos cereja. 

A maioria dos cafeicultores realizam esse tipo de colheita, principalmente, pela redução dos custos com essa prática.

Colheita do café

Figura 3. Colheita plena realizada com máquina – Fonte: Henio Inácio.

Além disso, como opção para os frutos com várias maturações a partir da colheita plena, podemos lançar mão de práticas de processamento de cafés, conseguindo separar os grãos cereja dos verdes e secos.

Colheita seletiva

Na colheita seletiva, somente os frutos com maturação fisiológica completa, os denominados grãos cerejas, são colhidos. Essa prática visa, principalmente, alcançar o máximo potencial de qualidade dos cafés.

Os grãos com desenvolvimento e maturação completos, apresentam maiores quantidades de compostos compartimentalizados no grão, como o açúcar.

Figura 4: Colheita seletiva do café Fonte: Joana Oliveira

Colheita do café

Figura 4: Colheita seletiva do café Fonte: Joana Oliveira

Colheita x Qualidade

Os frutos de café colhidos na época certa e de modo correto, constituem matéria prima ideal para o posterior processamento de um café de qualidade. E para determinar essa época, é importante acompanhar a maturação dos frutos. 

A desuniformidade dos frutos é o principal desafio quando se visa qualidade. Isso ocorre porque no estágio de frutos passas ou secos, podem ocorrer influências negativas por fermentações indesejáveis.

Nessa fase, os frutos se desprendem mais facilmente das plantas, sendo responsáveis por aumentar a quantidade de cafés de chão ou de varrição. 

Outro problema são os frutos verdes, que causam menor rendimento de colheita e afetam a classificação por:

  • Tipo; 
  • Peso;
  • Qualidade da bebida.

Os cafés com grãos verdes, irão apresentar certa adstringência na bebida, não sendo assim desejável. 

Desse modo, visando obter cafés especiais, a colheita deve ser iniciada quando a lavoura ou talhão apresentar pequena quantidade de cafés verdes. O ideal é iniciar com menos de 15%, e ainda com pequena quantidade de frutos do tipo passas ou secos. 

Se faz necessário, portanto, realizar mapeamentos das lavouras e com base nisso, fazer um planejamento de colheita para melhor tomada de decisão.

Colheita do café

Figura 5. Determinação da porcentagem de maturação dos frutos a partir do mapeamento – Fonte: Larissa Cocato.

Planejamento de colheita

Para fazer um planejamento de colheita, é preciso agrupar as lavouras de acordo com: 

  1. Características de solo;
  2. Altitude;
  3. Face de exposição ao sol;
  4. Cultivares;
  5. Manejo.

Assim, podemos obter maior homogeneidade dos lotes e trabalhar mais precisamente a qualidade do produto de cada talhão. 

É essencial conhecer a época de maturação das lavouras, determinando as mais precoces, as médias e tardias.

Outro ponto importante no planejamento é ter uma estimativa da produção de cada área para determinar, previamente, a demanda de maquinários e funcionários no período da colheita. Isso também auxilia no escalonamento de terreiros e secadores, visto que os cafés não devem ficar amontoados por mais de 6 horas após colhidos. 

Nesse sentido, devemos determinar também as glebas que serão colhidas de forma mecanizada e as de forma manual ou por meio de derriçadoras portáteis.

Com as estimativas em mãos, deve-se analisar e verificar se os maquinários da fazenda suportam essa colheita, ou, caso a fazenda não possua, agendar com antecedência o aluguel de colhedoras e/ou a contratação de funcionários sazonais, caso necessário. 

Processos para atingir a qualidade

Todo café que vem da lavoura passa por vários processos até ser beneficiado e, para que esses procedimentos não prejudiquem a qualidade do produto final, temos que ficar atentos e evitar imprevistos. 

Só se consegue preços melhores se houver qualidade e, para isso, é primordial ter planejamento e organização.

Uma das formas de obter cafés melhores, é por meio da secagem em terreiros suspensos, pois diminuem as chances de imprevistos, seja por chuvas ou fermentações indesejadas.

Mas quais os reais benefícios desse tipo de secagem e como construir esse tipo de terreiro corretamente? Confira no artigo a seguir:

Boa leitura!

Comentar