Rehagro Blog
plantas daninhas

Plantas daninhas de difícil controle na cultura do café

A planta daninha é qualquer espécie vegetal que cresce onde não é desejada (Lorenzi, 2014), essa incidência de plantas daninhas pode interferir no desenvolvimento da cultura de interesse, devido a competição por água, luz, CO2 e nutrientes. Nesse sentido, devemos ficar atentos a ocorrência de plantas invasoras, principalmente aquelas de difícil controle.

Em virtude das facilidades de uso do glifosato, seu uso intensivo tem selecionado plantas tolerantes nos cafezais. Podemos citar o caso do capim amargoso (Digitaria insularis), a buva (Conyza spp), a corda de viola (Ipomoea spp), capim pé de galinha (Eleusine indica) entre outras. Nestes casos, o manejo deve ser realizado conjugando ao glifosato outros herbicidas com modo de ação diferentes.

Capim amargoso (Digitaria insularis)

Plantas daninhas - capim amargoso

Capim amargoso (Digitaria insularis) na entrelinha do cafeeiro. (Foto: Diego Baquião).

O capim amargoso (Digitaria insularis) é uma planta daninha perene pertencente à família Poaceae, com altura em torno de 50 a 100 cm, formando pequenas touceiras. Sua reprodução se dá através de curtos rizomas e sementes (Lorenzi, 2014), sendo difícil seu controle após a floração, pelo fato dos principais herbicidas que possuem ação sobre esta planta são herbicidas que agem no meristema apical da planta.

Essa espécie apresenta grande potencial de infestação, por apresentar pequenas sementes pilosas, que podem ser carregadas facilmente pelo vento a longas distancias.

Manejo do Capim Amargoso

Plantas daninhas - Capim Amargoso em Lavora de Café

Capim Amargoso em Lavora de Café (Foto: Diego Baquião)

Os herbicidas que possuem ação nesta espécie daninha, são os inibidores de Acetil Coenzima A Carboxilase (ACCAse). Estes herbicidas são seletivos para o cafeeiro, visto que a planta de café não possui esta enzima. Dentre os herbicidas deste grupo podemos citar:

  • Fluasifope-P-butílico: Fusilade 250 EW®
  • Haloxifope-P-Metílico: Gallant Max®, Gallant R®, Verdict Max®, Verdict R®
  • Cletodim: Cletodim Nortox®, Podium S®, Poquer®, Select 240 EC®, Select One Pack®
  • Haloxifope-P-Metílico + Cletodim: Kennox®
  • Uso de óleo é desejável para melhoria do controle

Esta enzima, ACCAse, é uma enzima presente no meristema de crescimento da planta, portanto o estádio de desenvolvimento da planta é chave para o sucesso no controle, assim, devemos ter as seguintes ações:

1- Plantas de Capim Amargoso antes do florescimento:

Aplicação de Glifosato + Inibidor de ACCAse + Óleo

2- Plantas de Capim Amargoso já florescidas:

Capina mecânica via roçadeira ou trincha com aplicação de Glifosato + Inibidor de ACCAse + Óleo quando as plantas de Amargoso iniciarem a rebrota com boa área foliar para absorção do produto.

Buva no cafeeiro (Conyza spp)

Plantas daninhas - Buva

Buva (Conyza spp) (Foto: Larissa Cocato)

A buva ou voadeira (Conyza spp) é uma planta anual, com alta produção de sementes, podendo produzir até 200.000 sementes por planta. Em virtude da sua resistência ao glifosato, seu controle no cafeeiro ficou mais difícil. Por isso, o controle dessa planta deve ser feito, quando ainda nova.

Manejo da buva

planta daninha - Buva

Ocorrência de Buva (Conyza spp) no cafeeiro. (Foto: Larissa Cocato).

No controle químico, pode-se utilizar inseticidas inibidores da protox, que atuam inibindo a atuação da enzima protoporfirinogênio oxidade, como é o caso dos ingredientes ativos: Oxyfluorfen, Flumioxazin e Saflufenacil.

Também pode se utilizar herbicidas inibidores da enzima acetolactato sintase (ALS), como por exemplo o Metsulfuron. Vale destacar que esse herbicida é sistêmico e pode acarretar em problemas no desenvolvimento radicular se atingir o cafeeiro. A aplicação sequencial é uma opção dependendo do nível de infestação de buva no cafeeiro, para o controle químico ser eficiente as plantas devem estar menores que 25 cm, conforme o tamanho da planta vai aumentando a eficiência no controle vai diminuindo

Capim pé de galinha (Eleusine indica)

Capim pé de galinha (Eleusine indica) (Foto: Flávio Moraes)

O capim-pé-de-galinha (Eleusine indica) é um monocotiledonia da família Poaceae (Gramineae), anual, com aproximadamente 30 a 50 cm de altura, formando densas touceiras (Lorenzi, 2014). Sua reprodução é via sementes, com produção média de 40 mil sementes por planta.

Manejo do Capim pé de galinha

Planta daninha - capim pé de galinha

Capim pé de galinha (Eleusine indica). (Foto: Flávio Moraes).

Para o manejo do Capim pé de galinha, deve-se realizar a triações em plantas jovens na entre safra e capina química no preparo da colheita.

Como em alguns casos, essa planta daninha adquiriu resistência ao glifosato, pode-se optar pela utilização de inibidores da ACCase, como fluazifop ou haloxyfop, em pós emergência proporcionam bom controle do capim-pé-de-galinha. Além disso, pode ser utilizado o flumioxazin (inibidores da PROTOX). No entanto, em outros casos, o glifosato sequencial tem resolvido. Salienta-se a importância de se rotacionar mecanismos de ação.

Manejo da braquiária na entrelinha do cafeeiro

Manejo cafeeiro com braquiária na entrelinha

Manejo cafeeiro com braquiária na entrelinha (Foto: Diego Baquião)

A utilização da braquiária como cobertura do solo na entrelinha do cafeeiro, é uma opção de manejo, com o intuito de suprimir o aparecimento de plantas daninhas. Além disso, este manejo protege o solo, reduzindo assim o risco de erosão, acarreta em aumento do teor de matéria orgânica no solo, reduz a amplitude térmica no solo e também reduz a utilização de herbicidas na entrelinha do cafeeiro, isso porque o controle químico será realizado apenas na linha de plantio (projeção da “saia” do cafeeiro), e o capim braquiária na entrelinha do cafeeiro será manejado por meio de roçadas.

Para a condução dessa gramínea na área, recomenda-se que se realize a roçada antes do seu florescimento, para que não ocorra a germinação de sementes próximas ao cafeeiro. Além disso, é importante que essas plantas sejam manejadas respeitando a distância de 1 metro de cada lado da linha do cafeeiro (Souza et al., 2006), a fim de que essas plantas não exerçam competição com o cafeeiro, podendo acarretar em prejuízos.

Referências:

LORENZI, H. Manual de identificação e controle de plantas daninhas: plantio direto e convencional. 7.ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2014. 383 p.

SOUZA, L. S., LOSSASSO, P. H. L., OSHIIWA, M., GARCIA, R. R., & GOES FILHO, L. A. Efeitos das faixas de controle do capim-braquiária (Brachiaria decumbens) no desenvolvimento inicial e na produtividade do cafeeiro (Coffea arabica). Planta Daninha, Viçosa-MG, v. 24, n. 4, p. 715-720, 2006.

webinar-leite

Comentar