Rehagro Blog

Sistema de plantio direto no brasil

O sistema de plantio direto (SPD) apresenta como pilares fundamentais para a produção sustentável, a construção da fertilidade do solo, antes da sua adoção, e a rotação/sucessão de culturas. Assim, o cultivo de uma safra sempre ocorre sobre os restos culturais de uma lavoura anterior. A palha na superfície do solo, além de ser reserva de nutrientes, auxilia na manutenção da umidade, aeração, temperatura e atividade macro e microbiológica do solo. Atualmente, estima-se que existam no Brasil cerca de 33 milhões de hectares sob SPD.

sistema de plantio

Com as práticas de rotação e sucessão de culturas e o não revolvimento do solo por implementos agrícolas, ocorre aumento da macroporosidade nos solos. Esse fato está relacionado com a diversificação de formas de exploração exercida pelas raízes das plantas no perfil dos solos.

A rotação de culturas favorece a manutenção da fertilidade do solo, quebra o ciclo de pragas, doenças e plantas daninhas, proporcionando maior rentabilidade ao produtor pela diversificação do cultivo. Práticas de rotação de culturas devem envolver, preferencialmente, diversidade de espécies (gramíneas e leguminosas) e de arquitetura radicular (fasciculada e pivotante), contribuindo para a ciclagem de nutrientes.

Para adoção do SPD, é necessário um bom cultivo convencional antes da sua implantação, preconizando-se a correção da acidez pela aplicação e incorporação do calcário aplicado em profundidade no solo. 

Como o calcário apresenta baixa mobilidade no perfil do solo, associado a uma solubilidade limitada, antes da adoção do SPD, torna-se necessário uma adequada correção da acidez até as profundidades de 30 a 40 cm. A utilização desta prática, juntamente com a de gessagem, vem sendo uma alternativa para elevar os teores de nutrientes no perfil do solo. Caso a correção não seja adequada, haverá limitação do desenvolvimento das raízes das plantas, reduzindo a absorção de água e nutrientes. 

Após a adoção do SPD em solos que necessitam da correção da acidez, é realizada pela aplicação de calcário na superfície, sem incorporação. A calagem superficial não apresenta efeito rápido na correção da acidez no perfil do solo, entretanto, ao longo dos anos pode-se corrigir da acidez no perfil do solo. A liberação de ácidos orgânicos de baixo peso molecular na superfície do solo, é um dos principais mecanismos da correção da acidez do solo com aplicação de calcário em superfície no SPD.

Nos solos sob SPD de longa duração, com rotação de culturas e plantas de cobertura há maior produção da palhada, fortalecendo o tamponamento, resiliência e estabilidade nos solos de fertilidade construída favorecendo o funcionamento do sistema. Apesar da dificuldade de elevar os teores de matéria orgânica (MO) nas regiões tropicais, a manutenção ou acréscimo aumenta a capacidade de reserva e suprimento de nutrientes pelo solo, vinculado a níveis mais elevados de fertilidade do solo, biomassa microbiana e produtividade de grãos.

Na prática, por outro lado, há relatos de produtores que adotam o SPD com problemas de compactação do solo. Muitas vezes, o problema pode ser causado pelo tráfego de máquinas pesadas, principalmente quando o solo ainda está muito úmido. O SPD mantém a agregação do solo, mas pode causar compactação superficial, não alterando a disponibilidade de água no solo. 

Solos sob SPD bem manejados, com mínimo revolvimento do solo, rotação de culturas e produção de palhada não apresentam limitações físicas de manejo. Os bioporos, criados pelas raízes das culturas anteriores e mesofauna do solo, proporcionam que raízes das culturas sucessoras penetrem camadas mais compactadas. Latossolos manejado com milheto como planta de cobertura apresentou menor densidade do solo e maior macroporosidade, evidenciando a ação do sistema radicular na formação de bioporos, após sua decomposição. 

A adoção do SPD promove um sistema mais tamponado pela MO, reduzindo ação de processos erosivos pela proteção da palhada, minimizando a perda de nutrientes pela erosão, adsorção ou lixiviação. Favorece também a recirculação de nutrientes, pela ciclagem e estabilidade do sistema, proporcionando maior eficiência no uso da água, redução de custos, estabilidade produtiva e econômica, com melhoria das condições de vida do produtor.

Referências Bibliográficas

  • ANDRADE, R.S.; STONE, L.F.; SILVEIRA, P.M. Plantas de cobertura e qualidade física do solo. In: SILVEIRA, P. M.; STONE, L. F. Plantas de cobertura dos solos do Cerrado. Santo Antônio de Goiás: Embrapa, 2010. p. 163-180.
  • CAIRES, E.F. Correção da acidez do solo em sistema de plantio direto. Informações Agronômicas, [s.l.], n. 141, mar. 2013. p. 1-13.
  • CAIRES, E.F.; JORIS, H.A.; CHURKA, S. Long-term effects of lime and gypsum additions on no-till. Soil Use and Management, [s.l],  v. 27, p. 45-53, March, 2011. 
  • CAIRES, E.F. et al. Calagem superficial e cobertura de aveia preta antecedendo os cultivos de milho e soja em sistema de plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, [s.l], v. 30, p. 87-98, 2006.
  • CAIRES, E.F. et al. Crescimento radicular e nutrição da soja cultivada no sistema plantio direto em resposta ao calcário e gesso na superfície. Revista Brasileira de Ciência do Solo, [s.l], v. 25, p. 1029-1040, 2001.
  • CORBEELS, M. et al. Evidence of limited carbon sequestration in soils under no-tillage systems in the Cerrado of Brasil. Scientific Reports,[s.l], p. 1-8, 2016. 
  • FIDELIS, R.R. et al. Alguns aspectos do plantio direto para a cultura da soja. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 29, n. 1, p. 23-31, jan./abr. 2003.
  • GIRARDELLO, V.C. et al. Resistência do solo à penetração e desenvolvimento radicular da soja sob sistema de plantio direto com tráfego controlado de máquinas agrícolas. Revista Scientia Agraria, [s.l], v. 18, n. 2, p. 86-96, abr/jun 2017.
  • MOREIRA, S.G. et al. Calagem em sistema de semeadura direta e efeito sobre a acidez do solo, disponibilidade de nutrientes e produtividade de milho e soja. Revista Brasileira de Ciência do Solo, [s.l.], v. 25, p. 71-81, 2001.
  • MOREIRA, S.G. et al. Cultivo de feijão em sistema plantio direto no Cerrado. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 39, p. 1-12, 2018.
  • PAULETTI, V. et al. Efeitos em longo prazo da aplicação de gesso e calcário no sistema de plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, [s.l.], v. 38, p. 495-505, 2014.
  • RESENDE, A.V. et al. Solos de fertilidade construída: características, funcionamento e manejo. Informações Agronômicas, [s.l],  n. 156, p. 1-19, dez. 2016.
  • ROSOLEM, A.A. et al. Soil acity, pH an aluminiu managet in tropical soils: the Brazilian experience. In: WORD SOYBEAN RESARCH CONFERENCE, 4., INTERNATIONAL SOYBEAN PROCESSING AND UTILIZATION CONFERENCE, 4; CONGRESSO BRASILEIRO DE SOJA. Anais… Londrina: Embrapa Soja. 2004. p. 310-318.
  • SÁ, J.C.M. et al. Carbon depletion by plowing and its restoration by no-till cropping systems in oxisols of subtropical and tropical agro-ecoregions in Brazil. Land Degradations & Development, [s.l], v. 26, p. 531-543, 2015. 
  • SILVA, M.P. et al. Plantas de cobertura e qualidade química e física de Latossolo Vermelho distrófico sob plantio direto. Agrária, Recife, v. 12, n. 1, p. 60-67, 2017. 
  • SILVA, A. A. et al. Sistema de plantio direto na palhada e seu impacto na agricultura brasileira. Ceres, Viçosa, v. 56, n. 4, p. 496-506, 2009. 

Comentar