Rehagro Blog

Fermentação de cafés

A cada dia tem aumentado a procura por cafés especiais e, consequentemente, a busca de cafeicultores pela produção desse tipo de café, a fim de agregar mais valor ao café, e dessa forma, obter melhores preços de venda do produto. Aliado a isso, também tem crescido a procura e interesse por cafés fermentados, visando a mesma estratégia, de agregar mais valor ao produto, somado ao diferencial de ampliar o mercado e de ter uma maior diversidade dentro da fazenda. Contribuindo assim, para melhorar a lucratividade do produtor.

Fermentação de cafés

Figura 1. Foto: Larissa Cocato.

Sobre a fermentação

A fermentação já é um processo conhecido, que ocorre por exemplo em pães, cervejas, vinhos, queijos, dentre outros. No entanto, no café, a fermentação sempre esteve mais associada a processos degradativos que aconteciam nos frutos, tanto na planta, quanto na pós-colheita.

Essa fermentação ruim, acontecia devido a ação de microorganismos saprófitas, que degradavam os frutos de café, consumindo as partes que têm açúcar e água no fruto, prejudicando assim as sementes do café. Como resultado dessa fermentação, tínhamos principalmente, frutos ardidos, com sabores amargos e ásperos ao paladar, e também prejuízos à classificação física, uma vez que frutos ardidos são considerados defeitos na classificação.

Entretanto, atualmente, a fermentação trazida para a pós-colheita, é caracterizada pela condução e controle do processo fermentativo, onde é feito com micro-organismos específicos que promovem um meio adequado as mudanças dentro da semente, mudanças essas que são para trazer melhor qualidade e novas nuances para a bebida. Sendo ela, totalmente o contrário daquela fermentação ruim, que não é controlada, trazendo complicações para a bebida.

Mas o que seria então um café fermentado?

A fermentação do café consiste na degradação natural da polpa e da mucilagem do fruto realizada por microrganismos. Como resultado desta degradação, são produzidos compostos que podem interferir no sabor e aroma da bebida final.

Como acontece essa fermentação?

As enzimas extracelulares e os ácidos orgânicos produzidos a partir de fungos / leveduras pela fermentação, podem potencialmente levar a quebra de moléculas maiores, como por exemplo, os carboidratos, proteínas e polifenóis, gerando importantes precursores de aroma, como açúcares redutores, aminoácidos e ácidos clorogênicos, assim como Metabólitos Secundários, produzidos durante a fermentação, podem também direta ou indiretamente afetar o aroma e o sabor do café.

Portanto, em síntese, a fermentação ocorre da seguinte forma:

Em condições adequadas, a mucilagem que está presente nos frutos de café, é atacada por fungos e leveduras e são produzidas enzimas e ácidos orgânicos, estes vão quebrar os carboidratos, proteínas e polifenóis. Através da quebra desses compostos, são formados compostos menores, metabolizados, que vão ser precursores de aroma e sabor para o café.

Nesse sentido, essa fermentação boa vem com o intuito de agregar qualidade ao café, mas pensando dessa forma, então seria recomendado fermentar todos os cafés produzidos na fazenda? A fim de buscar melhora na sua bebida?

Para saber sobre isso, devemos responder a seguinte pergunta:

Qualquer café pode ser fermentado e se tornar um café especial?

Não, realizar a fermentação de qualquer café não vai fazer ele se tornar um café especial. 

Para isso, o café deve ter uma base de qualidade, para se conseguir agregar características que são bastante interessantes nesse processo fermentativo. Por isso, o acréscimo desses aromas e sabores diferenciados só ficam interessantes se eles tiverem uma base. Portanto, deve-se monitorar os cafés no campo, para monitorar a qualidade desses talhões, a fim de tomar a decisão dos cafés a serem fermentados.

E pensando em cafés naturais e descascados, ambos podem ser fermentados?

Sim, apesar de haver diferenças nas quantidades de polpa em cada um deles, tanto os cafés naturais, quanto os cafés descascados podem ser fermentados.

Tomada de decisão!

Não somente devemos tomar a decisão de quais cafés serão fermentados na propriedade, mas também a decisão de qual o tipo de fermentação que vamos realizar nesses cafés. Isso porque, existe mais de um tipo de fermentação, cada uma delas com sua particularidade e característica específica. Dessa forma, em relação aos tipos de fermentação, temos:

Tipos de fermentação

  • Fermentação aberta
  • Fermentação submergida
  • Maceração carbônica
  • Maceração semi – carbônica 
  • Dupla fermentação

Quais as diferenças entre esses tipos de fermentação?

A fermentação aberta é caracterizada por fermentar o café em um sistema aberto, com a presença de oxigênio.

A fermentação submergida é caracterizada por fermentar o café em um sistema submergido em água limpa e, dessa forma, sem a presença de oxigênio.

O tipo maceração carbônica, é caracterizado por injetar CO2 no processo, dessa forma, é uma fermentação estritamente anaeróbia, sem oxigênio. 

A maceração semi-carbônica é semelhante à maceração carbônica, no entanto, sem a injeção de CO2. Dessa forma, existe uma pequena quantidade de oxigênio presente no início do processo, e à medida que a fermentação produz CO2, vai tornando o processo estritamente anaeróbico, ou seja, sem oxigênio. 

A dupla fermentação é caracterizada pelo emprego de dois métodos de fermentação, independente de qual é o método. 

Apesar de termos mais de um tipo de fermentação, cada uma com sua particularidade, todas necessitam de acompanhamento e controle das fermentações.

Fatores que afetam na fermentação

A fermentação pode ser influenciada por vários fatores, dentre eles:

  • Quantidade, qualidade e o tipo de inóculo 
  • Substrato (polpa do café e sua composição)
  • Temperatura do processo 
  • Qualidade da água e higiene do local
  • pH 
  • Tempo

Portanto, o tipo do micro-organismo assim como a sua quantidade pode afetar e mudar todo o processo. Assim como, a polpa do café, em que, cada uma traz uma qualidade diferente, e podem ter diferenças também em relação à quantidade/qualidade da polpa nas diferentes cultivares.

A temperatura é um fator fácil de ser levantado, por meio de termômetros, e também muito importante para verificar se o processo de fermentação está acontecendo ou não, e se a gente já pode finalizar a fermentação.

O pH mede a acidificação do meio, por meio de pHmetros, e é importante para verificar se o processo está declinando, uma vez que a acidificação do meio, vem pela atividade desses microorganismos, acarretando em um ambiente acido ali.  

Também, fatores como a qualidade da água, nos processos que possuem água influenciam na fermentação, e além disso, o local onde está sendo feito a fermentação deve ser bem limpo e higienizado a fim de evitar possíveis contaminações. Dessa forma, tornando-se imprescindível o controle dessas condições externas. 

O tempo da fermentação também é fator fundamental a ser controlado. Isso porque a variação do tempo, pode acarretar em variações na qualidade e nas propriedades sensoriais do café. 

Portanto, percebe-se que vários são os fatores que influenciam na fermentação do café.

Por isso, devem ser anotados/acompanhados todas as condições do processo, para entender o que está acontecendo ali, e com isso, conseguir finalizar e repetir o processo.

Finalizando o processo de fermentação

Após o processo de fermentação, independente de qual deles foi utilizado, todo o café deve ser lavado para retirada dos resíduos do processo de fermentação e interromper a mesma, para assim passar para o processo de secagem.

E aí, pronto para começar?

Agregar mais valor ao seu produto é o segredo para alcançar maior vantagem competitiva no mercado e um maior retorno para o seu bolso.   

Aqui no Rehagro, além de Consultora Técnica, sou coordenadora de um curso, que é o Curso Online Gestão na Produção de Café

Nele, temos uma disciplina completa que fala sobre a Fermentação de Cafés e várias outras que falam sobre como podemos melhorar a qualidade dos grãos, o que aumenta o valor da saca no momento da comercialização e, consequentemente, a lucratividade. 

E ele vai muito além disso.

É um curso feito para quem tem o pé no cafezal e quer encontrar, em um só lugar, toda a informação que precisa sobre todo o processo produtivo do café, passo a passo, e a gestão da fazenda.

Você sairá preparado para ter a palavra final e conduzir suas equipes e lavouras rumo à produtividade máxima. 

E então, caberá a você aplicar o que aprendeu para construir um negócio de sucesso.

O link para o curso está aqui embaixo, ele leva pra nossa página e lá você encontra mais informações.

Vejo você lá!

Sucesso na produção!

Comentar