Rehagro Blog
mão segurando um punhado de milho

Clima e produtividade do milho: efeitos das variações climáticas no rendimento de grãos

Clima e produtividade do milho: efeitos das variações climáticas no rendimento de grãos
Nota 5 / Votos 1

plantação de milho

A compreensão das exigências climáticas do milho ao longo de seu desenvolvimento é um fator imprescindível quando se pensa em altas produtividades. Você está preparado para cultivar sua lavoura sob condições adversas inesperadas?

No Brasil, existem diversas regiões produtoras agrícolas, as quais fazem cultivo do milho no verão e na safrinha em condições de sequeiro. Atualmente, a semeadura de milho safrinha tem representado cerca de 60% do cultivo total no país, e essa época de cultivo é caracterizado por apresentar baixa disponibilidade hídrica.

Um dos fatores mais limitantes à produtividade da lavoura de milho é o déficit hídrico, o qual, pode causar perdas na ordem de até 50%. Entretanto, condições de temperatura/calor também tem influência significativa quando se pensa em rendimento de grãos deste cereal.

Logo, para melhor compreender as fases em que esta cultura tem maiores exigências climáticas, é preciso entender sua fisiologia. Aliado a isso, visando altas produtividades, deve-se conhecer quais são as condições climáticas da região, uma vez que esta pode garantir o sucesso do cultivo.

Fique atento aos seguintes aspectos fisiológicos da cultura do milho:

Fisiologia e fenologia do milho

O milho é uma planta com metabolismo C4, caracterizada por ter elevado potencial produtivo. Dentre as plantas que constituem o grupo C4, o milho é a que tem maior eficiência no uso da radiação solar e, praticamente não apresenta saturação por radiação, ou seja, não reduz o processo de fotossíntese ao longo do dia, conseguindo então, manter sua produção de carboidratos em um nível adequado.

Outro ponto importante sobre a cultura do milho, é que ela é insensível ao fotoperíodo, denominada foto neutra. Ou seja, diferentemente da soja que depende do fotoperíodo crítico para florescer, o milho não responde a essa condição. Neste caso, o fator temperatura apresenta grande influência sobre a entrada no período reprodutivo.

Sobre a fenologia da cultura, podemos descrever o ciclo do milho de acordo com as diferentes etapas de seu desenvolvimento, descritas abaixo, e de acordo com o estádio de desenvolvimento (Figura 1):

  • Germinação e emergência: período compreendido entre a semeadura e o aparecimento da plântula acima do solo.
  • Crescimento vegetativo: período compreendido entre o aparecimento da primeira folha verdadeira até o início do florescimento. Esta etapa apresenta variações, as quais são caracterizadas pelo número de folhas.
  • Florescimento: período entre a abertura da flor masculina (pendão) e plena fecundação (início da formação dos grãos).
  • Frutificação: período que se estende após a fecundação até o enchimento completo dos grãos. A fase de enchimento dos grãos é caracterizada por diferentes estádios, dependendo do grau de desenvolvimento dos mesmos.
  • Maturidade fisiológica: período final da frutificação o qual é caracterizado pelo aparecimento do “ponto preto” no grão.

estágio reprodutivo do milhoFonte: http://www.aganytime.com

 

Estágios de desenvolvimento e exigências climáticas

  • Germinação/Emergência: temperatura e umidade adequados favorecem o processo germinativo, dando início à formação de uma planta jovem. Temperatura de 18°C após a semeadura, permite que de 3 a 5 dias ocorra a germinação, para isso é necessário que a semeadura seja feita sob boas condições de umidade.
  • V4 – Milho com quatro folhas desenvolvidas: Nessa fase ocorre a definição do potencial produtivo da lavoura, é muito importante se atentar ao controle de plantas daninhas e pragas. Outro ponto importante é a realização da adubação nitrogenada.
  • VT – Etapa de pendoamento: Nesta fase, ocorrência de altas temperaturas, aliadas à baixa disponibilidade hídrica, luminosidade e deficiência nutricional, podem antecipar de forma expressiva a emissão do pendão, bem como maturação dos grãos de pólen antes que a espiga esteja apta a desenvolver suas funções, ou seja, pode ocorrer falta de sincronismo entre a emissão dos órgãos feminino e masculino.
  • R1 – Período de florescimento e polinização: As condições favoráveis nesta etapa são: temperatura entre 16-35°C e umidade relativa superior a 65%. Umidade relativa abaixo de 50% e temperatura superior a 35°C podem reduzir a viabilidade dos grãos de pólen, reduzindo a fecundação e consequentemente a produtividade.
  • R2 – Grãos leitosos a R5 Grãos duros – : Nesta etapa, a ocorrência de período nublado, deficiência hídrica, redução de área foliar por ataque de pragas e doenças e desequilíbrio nutricional, reduzirão consideravelmente a taxa de acúmulo de matéria seca nos grãos, reduzindo o peso dos mesmos e produtividade.

Influência da temperatura para o milho

Assim como a água é um dos fatores que mais limita, não só a produção do milho, mas de qualquer planta. A temperatura também representa um outro fator muito importante para a produtividade desta cultura. Veja abaixo consequências de temperaturas inadequadas ao cultivo de milho:

Regiões cujo verão apresenta temperaturas médias diária abaixo de 19°C e temperaturas médias noturna abaixo de 12,8°C não são recomendadas para este cultivo, pois podem retardar o florescimento e comprometer a produção final. Em contrapartida, temperatura média diária acima de 26° C podem acelerar o processo de florescimento e enchimento de grãos, o que promove redução do tempo de acúmulo de massa seca nos mesmos. Temperatura média noturna acima de 24°C provocam consumo energético elevado, redução no ciclo da planta e queda de produtividade.

Sabendo-se alguns dos  efeitos da temperatura sob o ciclo do milho, devemos então conhecer quais são as condições ideais durante o seu desenvolvimento, fique atento:

  • Germinação: entre 25-30°C;
  • Emergência a floração: entre 24-30°C:
  • Temperatura média diária –21°C apresenta maior rendimento de grãos;
  • Temperatura média noturna –

Referências

BERGAMASCHI, H., DALMAGO, G. A., BERGONCI, J. I., BIANCHI, C. A. M., MÜLLER, A. G., COMIRAN, F., & HECKLER, B. M. M. Distribuição hídrica no período crítico do milho e produção de grãos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 39, n. 9, p. 831-839, 2004.

BERGONCI, J. I., BERGAMASCHI, H. Ecofisiologia do milho. In: CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO, 24., 2002, Florianópolis. Anais. Florianópolis: Embrapa Milho e Sorgo; Epagri, 2002. CD-ROM.

DIDONET, A. D., RODRIGUES, O., MARIO, J. L., IDE, F. Efeito da radiação solar e temperatura na definição do número de grãos em milho. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.37, p.933-938, 2002.

GALVÃO, J. C. C., BORÉM, A., & PIMENTEL, M. A. Milho: do plantio a colheita. UFV, p 48-73, 2015.

MATZENAUER, R., BERGAMASCHI, H., BERLATO, M. A., MALUF, J. R. T., BARNI, N. A., BUENO, A. C., DIDONE, I. A., ANJOS, C. S., MACHADO, F. A., SAMPAIO, M. R. Consumo de água e disponibilidade hídrica para milho e soja, no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Fepagro, p. 105, 2002.