Rehagro Blog
Trabalhadores da pecuária de corte recebendo instruções

Planejando e executando estratégias na pecuária de corte

Um ditado muito sábio que diz que “quem planeja às vezes erra, e quem não planeja às vezes acerta”, retrata o quanto é mais arriscado realizar qualquer atividade sem um bom planejamento.

Um planejamento estratégico possui três momentos distintos:

  1. O primeiro é a determinação do objetivo;
  2. O segundo momento consiste no diagnóstico da situação; e,
  3. O terceiro momento é a busca dos meios para alcançar a meta proposta.

 

Sem tempo para ler agora? Baixe este artigo em PDF!


Muitas pessoas exemplificam os momentos do planejamento como o roteiro de uma viagem: primeiro se determina o objetivo, que seria o destino. Em segundo vem um diagnóstico de situação, que serve para definir de onde será a partida. O terceiro momento, que consiste em buscar os meios para alcançar os objetivos, será a definição do caminho e meio para chegar ao local esperado.

Durante o trajeto, mesmo com o planejamento, é claro que podem acontecer imprevistos que irão afetar de alguma forma o que foi determinado, como o tempo de viagem, por exemplo.

Assim, deverá ser realizado um monitoramento constante para que tudo corra conforme desejado. Caso aconteça alguma interferência, a velocidade deverá ser reajustada para que o tempo de chegada se mantenha.

Este processo descrito caracteriza uma ferramenta denominada PDCA, cuja função é desenhar um caminho que leve ao alcance de metas propostas.

Esquema do ciclo PDCA

Desenho esquemático do ciclo PDCA.

Na atividade da pecuária de corte não é diferente. Erros no planejamento determinam maior dificuldade em alcançar os objetivos esperados e consequentemente, maiores custos.

Um clássico exemplo é quando definimos uma dieta para alcançar um certo GMD, que caracteriza como a velocidade do processo, e esse ganho esperado não é alcançado por alguma deficiência de manejo, aumentando o tempo de permanência do animal na propriedade, incidindo o acúmulo de custos sobre o animal, reduzindo o lucro/cabeça, caso a frequência de monitoramento seja alta, intervalos curtos, maiores são as oportunidades de correções de erros.

Banner Curso Gestão na Pecuária de Corte

Classificando os momentos dos planejamentos na atividade de corte

Primeiro momento – Determinar o objetivo

É importante iniciar um planejamento determinando aonde quer chegar. Geralmente o objetivo mais comum é a lucratividade e rentabilidade da operação. Sugiro que seja avaliado de duas formas, dado em percentual e valor absoluto.

Para qualquer objetivo bem definido, é importante conhecer se essa decisão vai demandar investimentos e recursos, como esses investimentos deverão ser pagos, quanto de dedicação será necessário para alcançar o objetivo proposto e o quanto isso irá impactar no custo de produção da atividade. A partir daí definir se vale a pena ou não executar essa ação.

Segundo Momento – Diagnóstico de situação

Quando se conhece detalhadamente a propriedade (ambiente interno) e a região que ela se encontra (ambiente externo), fica mais fácil determinar as variáveis e os riscos de não conseguir alcançar os objetivos propostos.

A análise Swot do ambiente externo e interno auxilia a visualizar os riscos e oportunidades da atividade.

Análise SWOT

Exemplo de quadro para realização da Análise Swot.

A análise Swot deve ser realizada utilizando o quadro acima, determinando as forças e fraquezas da propriedade.

Os exemplos que podem ser registrados são: clima, topografia, sistema de produção, acesso a propriedade, mão de obra, localização da propriedade, gerenciamento, assistência técnica, animais, produtividade, índices zootécnicos, financeiros e econômicos, insumos disponíveis, máquinas e implementos agrícolas, instalações etc.

É importante determinar as forças e fraquezas no ambiente externo à propriedade, como mercado consumidor, variação do preço de venda dos produtos, mercado concorrente, oportunidade de compra de insumos agrícolas e pecuários, disponibilidade de reposição de animais, fretes, impostos, mão de obra disponível na região etc.

Para reduzir os riscos no planejamento é necessário que a fazenda possua um ótimo banco de dados e que seja confiável, armazenando o máximo de informações e indicadores que envolvam os ambientes internos e externos, com históricos bem detalhados e que podem nos orientar nas tomadas de decisões.

Terceiro momento – Busca dos meios que levarão ao objetivo

Depois de realizar o diagnóstico visualizando as forças e fraquezas que envolvem a atividade, é necessário definir uma estratégia que seja coerente com a realidade dos ambientes internos e externos.

As forças envolvidas deverão ser exploradas ao máximo, as fraquezas, portanto devem ser minimizadas, reduzindo os riscos que poderão prejudicar no alcance do objetivo em questão. 

Manual de fluxo de caixa para fazendas de gado de corte

Caso prático de um planejamento em uma propriedade de pecuária de corte

1 – Objetivo

Aumentar a produção de @ por cabeça no confinamento, buscando aumentar o lucro, reduzindo as despesas pelo efeito da diluição dos custos fixos.

Imaginem em uma propriedade que eu vendesse a @ do boi gordo a R$ 280,00, e que eu operasse com um custo nutricional próximo a R$ 150,00/@ produzida, eu teria uma margem de contribuição de: “R$ 280,00 – R$150,00 = R$130,00”.

Calculando em um período de 120 dias de confinamento, que meus custos fixos operacionais em: Mão de obra, despesas administrativas, depreciação, impostos e manutenções de máquinas, benfeitorias e veículos me custam um valor total de R$ 59.340,00, quando eu divido esse valor pela minha margem de contribuição eu encontro meu ponto de equilíbrio, ou seja, quantas @ eu precisaria produzir no período avaliado para pagar meus custos fixos operacionais.

Portanto: “R$ 59.340,00 / R$ 130,00 = 456,4@”, transformando o volume de @ em cabeças, seriam 65,2 bois produzindo 7@ cab/período, porém se meus bois produzirem 7,5@/cab. no mesmo período, necessitarei de vender apenas 60,9 bois, 4,3 bois a menos.

Dessa maneira a eficiência demonstra seu poder de redução de custos operacionais influenciando diretamente na lucratividade do negócio.

Outra maneira de diluir custos não é somente na produtividade individual, mas também no aumento do volume de animais no confinamento, caso eu seja eficiente em manter os valores de custos nutricionais e operacionais citados.

Planejamento estratégico com equilíbrio

Fórmulas para encontrar o ponto de equilíbrio e margem de contribuição.

Também dentro do objetivo é importante definir antecipadamente quais os parâmetros zootécnicos que irão influenciar no desempenho dos animais.

Nesse caso citamos o ganho de peso diário, o ganho em @, melhor conversão alimentar, qualidade da dieta, influência no ganho e rendimento de carcaça, manejos diversos e tudo que pode influenciar o melhor desempenho animal.

Porém nada substitui o bom monitoramento, confiabilidade de informações e decisões rápidas e precisas.

2 – Diagnóstico da situação

Para aumentar a produtividade é preciso verificar, por exemplo, qual a área disponível para produção, se as instalações disponíveis comportarão uma maior quantidade de animais e se as máquinas e implementos existentes serão suficientes para atender o novo desafio.

Se a propriedade não atender as necessidades do objetivo proposto no planejamento, será necessário readequar o objetivo à capacidade de suporte da propriedade, ou verificar se existe capacidade de aumento na produtividade das áreas disponíveis, ou mesmo se existe viabilidade para a realização de novos investimentos e recursos para aquisição de terras, máquinas e construções civis para a ampliação do sistema de produção.

Por outro lado, se a propriedade atender ao objetivo definido deve ser iniciado o terceiro e último momento.

Observar o ambiente externo da propriedade também é muito importante para complementar um diagnóstico eficiente, já que o aumento da produtividade aumentará a necessidade de insumos, animais para reposição, mão de obra qualificada e ofertará mais produtos para o mercado.

Assim, é importante identificar o preço de venda e compra dos produtos, a disponibilidade de insumos na região, valor de fretes, os impostos etc. Entender o cenário fora da propriedade é indispensável para enxergar se o mercado local suportará o crescimento do rebanho.

3 – Execução do planejado

Momento de maior dedicação e responsável pela ligação do diagnóstico ao objetivo. A intenção é buscar os meios que levarão aos objetivos propostos.

Requer a implantação de uma rotina de coleta de dados eficiente, observando frequentemente os indicadores zootécnicos, econômicos e financeiros envolvidos na atividade.

Estes índices devem ser monitorados, ajustados, e reajustados a estratégia constantemente de acordo com as dificuldades ou desvios encontrados, para não nos distanciarmos do objetivo conforme o exemplo do PDCA da viagem.

A avaliação constante dos indicadores pode também servir para modificarmos o planejamento dependendo da situação em questão, quando o ganho de peso diário não for atingido como planejado, algo deve ser modificado na rotina dos animais como dietas, manejo dos animais, instalações, entre outros, buscando alcançar os índices e metas propostas.

Assim como os índices de ganhos de peso citado acima, os índices produtivos, reprodutivos, nutricionais, de manejo, conversões alimentares, sanitários e outros têm também a mesma importância e requerem os mesmos cuidados, por isso também devem ser implantados e monitorados constantemente.

Com a execução do plano de ação de maneira eficiente o objetivo dificilmente não será alcançado, porém, nem tudo será tão simples e de acordo com os processos envolvidos poderão ocorrer mudanças na estratégia quando as variáveis não corresponderem ao planejado.

Numa atividade que depende de muitas variáveis tanto internas quanto externas, o bom investimento realizado num momento ruim pode se tornar um grande prejuízo.

Controlar as ações implantando bons indicadores, históricos bem elaborados, previsões de mercado confiáveis e boas orientações irão ajudar o produtor a tomar decisões com grandes chances de êxito.

E para terminar segue a dica mais importante: Planeje e sempre obedeça ao seu fluxo de caixa, mantenha suas atividades de receitas e despesas conciliadas. Compre bem, produza bem e venda bem!

Quer melhorar seus resultados na pecuária de corte?

Conheça o Curso Gestão na Pecuária de Corte do Rehagro.

Com conteúdo 100% aplicável desde o primeiro módulo, essa capacitação é dada por professores que são consultores altamente experientes, que atendem fazendas em todo o Brasil.

Mais de 97% dos alunos recomendam essa capacitação.

Quer saber mais informações? Clique no link e conheça!

Curso Gestão na Pecuária de Corte

Paulo Eugênio

Comentar