Rehagro Blog

Giberela no trigo: o fungo Gibberella zeae

No Brasil, a giberela alcançou o “status” de principal doença nas regiões tritícolas. Por isso mesmo, todo agricultor que pretende lidar com este cereal, precisa ficar atento aos sinais e compreender sobre manejos que podem reduzi-la, e abordaremos isso neste artigo.

O trigo é uma cultura de grande importância mundial, estando sempre entre os mais produzidos e apreciados por suas multifuncionalidades. São muitos subprodutos oriundos deste cereal, porém ele é limitante em condições climáticas.

O Brasil, por ser um país tropical, não favorece muito o cultivo do trigo que se desenvolve mais plenamente em climas temperados. Isso restringe um pouco seu cultivo em nosso país, que em sua grande maioria se concentra no sul e alguns estados do sudeste.

O clima em si, não atrapalha apenas no desenvolvimento deste cereal, mas na ocorrência de doenças fúngicas e que em sua grande maioria está associada à alta umidade. É o caso da Giberela, conhecida também por fusariose do trigo, que trataremos neste artigo.

Ocorrência da doença

A giberela, cujo agente causal é o fungo Gibberella zeae (Schwein.) Petch (anamorfo Fusarium graminearum Schwabe), é uma das principais doenças em trigo, sendo transmitida em sua grande maioria, pelas sementes contaminadas. 

Esta doença se manifesta mais intensamente em regiões com excesso de chuva e temperaturas amenas durante os períodos de floração e maturação dos grãos, podendo ser encontrada de forma generalizada por todo o mundo. 

A doença é mais frequentemente encontrada no trigo, mas também pode afetar a cevada, a aveia, o centeio e algumas gramíneas forrageiras. 

Sintomas da Giberela

A giberela é melhor reconhecida pelo branqueamento de flores na ponta. Infecções graves podem causar crestamento precoce ou branqueamento de todo o espinho. Outros sintomas incluem descoloração de bronzeado a marrom.

Normalmente um micélio rosado / laranja está presente na base das flores sob condições úmidas, e grãos que são enrugados, brancos e de aparência calcária. Peritécios (corpos escuros de frutificação) são produzidos dentro do micélio, posteriormente no processo de infecção. Espiguetas descoloridas e doentes são estéreis ou contêm sementes murchas / descoloridas (geralmente com uma tonalidade rosa ou laranja).

Giberela no trigo

Como ocorre a transmissão da doença

A transmissão do patógeno da semente para a plântula, ocorre entre as etapas de disseminação e colonização do seu ciclo de vida. Esse processo implica no transporte que proporciona uma infecção bem-sucedida, dando origem a uma planta doente. 

Quanto à quantificação da transmissão, esta pode ser realizada através da detecção dos sintomas nas plantas, partindo do princípio de que o único meio de inoculação foi através da associação do patógeno com a semente. 

Patógenos necrotróficos, em sua grande maioria e parte dos biotróficos, utilizam-se da semente como veículo de disseminação, abrigo e sobrevivência.

Dentre os fatores que afetam a transmissão dos patógenos a partir de sementes e, que podem afetar o estabelecimento do patógeno em uma cultura, destacam-se:

  1. Espécie cultivada (resistência varietal);
  2. Condições ambientais (umidade ambiental e do solo, temperatura, vento, chuva e luz);
  3. Inóculo (viabilidade, localização na semente, tipo); 
  4. Práticas culturais (tipo de solo, pH, população de plantas, profundidade de semeadura e época de plantio, fertilização, etc.); 
  5. Sobrevivência do inóculo; 
  6. Vigor da semente; 
  7. Microflora do solo e da semente, entre outros. 

Existem ainda duas outras maneiras possíveis de estabelecimento do patógeno no interior das sementes: através do sistema vascular de plantas atacadas e através de órgãos fertilizadores, como grão de pólen contaminado ou infectado. 

No caso da contaminação de sementes por patógenos, esta é comumente concretizada pela mistura mecânica do inóculo por ocasião da manipulação de plantas durante a colheita.

Reduzindo o contágio do patógeno

Tais fatores podem reduzir ou incrementar significativamente a passagem do patógeno para os órgãos foliares e/ou radiculares da planta hospedeira, refletindo no desenvolvimento da doença na lavoura.

A transmissão de patógenos através das sementes é capaz de propiciar:

  • Introdução do patógeno em novas áreas; 
  • Sobrevivência do microrganismo na ausência do hospedeiro; 
  • Seleção e disseminação de raças específicas a determinados hospedeiros e 
  • Distribuição através da população de plantas como focos primários de inóculo.

Por se tratar de uma associação biológica, as taxas de transmissão planta-semente e semente-plântula são bastante influenciadas pelo ambiente e pelas características inerentes ao patógeno e ao hospedeiro. 

A idade da planta, na ocasião da infecção, por exemplo, é um dos fatores que afeta a transmissão. De qualquer forma, essa relação biológica é afetada por fatores físicos, biológicos e por aqueles inerentes ao tipo de germinação das sementes.

Para patógenos habitantes do solo, como é o caso dos fungos pertencentes ao gênero Fusarium, o acesso à superfície dos frutos e sementes é favorecido pelo contato direto dessas estruturas com o solo ou através de respingos de chuva ou de irrigação por aspersão. 

Manejo de controle da Giberela

A giberela é considerada a doença do plantio direto. A sobrevivência saprofítica do patógeno em diversos hospedeiros, como espécies de plantas cultivadas, nativas e invasoras, assim como a facilidade de dispersão dos ascósporos, transportados a longa distância pelo vento, faz com que a giberela não seja controlada eficientemente pela rotação de culturas. 

A grande disponibilidade de inóculo no ar, durante o período de floração, associada a períodos de molhamento contínuo, tem levado a danos significativos na cultura do trigo. 

O escalonamento na época de semeadura e o uso de cultivares com diferentes ciclos, são estratégias de escape que possibilitam que as plantas possam atingir o período de predisposição sob condições climáticas adversas ou menos favoráveis ao patógeno. 

No Brasil, ainda não estão disponíveis pela pesquisa cultivares resistentes à doença. Há indicação de cultivares com diferentes níveis de tolerância. 

A aplicação de fungicidas específicos na floração é uma estratégia recomendada. A eficácia de controle depende principalmente do fungicida e do momento de aplicação.

A eficácia de controle químico da giberela no campo e o rendimento de grãos de trigo são maiores quando as aplicações de fungicidas específicos são realizadas no início do estádio fenológico de floração.

Aplicações de fungicidas durante o florescimento e início de desenvolvimento de grão não têm reduzido significativamente a infecção de F. graminearum nos grãos.

Tabela 1. Desempenho de fungicidas aplicados no início da floração sobre o rendimento de grãos, peso de mil grãos e incidência de Fusarium graminearum em grãos de trigo.

O maior rendimento de grãos foi obtido com o fungicida metconazole, diferindo estatisticamente da testemunha, com aumento relativo de 29,6%. Uma única aplicação de todos os fungicidas proporcionou aumento médio no rendimento de grãos em relação à testemunha de 24,3%, variando de 15,7% até 29,6% (Tabela 1).

A eficácia de controle químico da giberela no campo e o rendimento de grãos de trigo são maiores quando as aplicações de fungicidas específicos são realizadas no início do estádio fenológico de floração. 

Aplicações de fungicidas durante o florescimento e início de desenvolvimento de grão não têm reduzido significativamente a infecção de F. graminearum nos grãos. 

O que é eficiente contra a Giberela

Em termos gerais, é possível reduzir a incidência dessa doença fúngica por meios práticos. Como ela é uma doença que requer a umidade, é preciso fazer o manejo sanitário em restos culturais, caso opte pelo plantio direto.

O uso de cultivares tolerantes à doença também pode ajudar e, ainda, o manejo gradual de mudança de cultivares no plantio, sendo eles de ciclos distintos, auxilia na tolerância da planta e desfavorece a doença.

Por fim, se optar pelo tratamento químico, fique atento à qualidade do produto e principalmente a época de aplicação, que deve ser no início do florescimento.

Giberela no trigo

Fonte: Brown et al. (2011)

Giberela no trigo

E fique atento!

A giberela é a principal doença apontada pelos triticultores, mas há outras como mancha-amarela e ferrugem. Todas elas reduzem significativamente a produção e, caso não sejam controladas, podem permanecer nos restos culturais e serem passadas às próximas culturas, comprometendo sua renda!

Além das doenças, há ainda as pragas e daninhas. Ou seja, é preciso entender de forma específica cada uma delas, se quiser alcançar os resultados que almeja em sua produção. 

Um bom planejamento vai desde a análise do solo, o uso potencial de sua terra, sabendo manejar tanto a propriedade, quanto a cultura. Por isso, se seu foco é na alta produtividade, proteção assertiva de sua lavoura e garantia de faturamento, eu te indico o curso que é completo nisso e pode te entregar esses resultados, curso esse, no qual sou redator, professor e consultor: Pós-graduação em Produção de Grãos.

Ao invés de buscar a solução para cada problema de forma isolada, ser o conhecedor de todos eles e como administrá-los, fará toda a diferença em seu negócio agrícola, trazendo o sucesso tão esperado.

O curso vai te possibilitar dominar sobre fertilidade, maquinários, gestão financeira e de pessoas e muito mais. É um curso reconhecido pelo MEC e pela revista Exame, que o classificou como o melhor curso EAD do setor no Brasil.

Então, caro produtor, gerente de fazenda, técnico agrícola, engenheiro agrônomo e todo aquele que lida ou pretende lidar com grãos, conheça mais dessa pós, onde mais de 92% dos alunos disseram ter alta aplicabilidade e indicam a um amigo.

Clique no link abaixo e tire suas dúvidas:

Sou Alessandro Alvarenga e agradeço sua leitura.

Eu te desejo muito sucesso e aguardo você.

1 comentário