Rehagro Blog
bezerro nelore

Suplementação de bezerros de corte a pasto

Suplementação de bezerros de corte a pasto
Gostou desse artigo?

O produtor busca pela harmonia perfeita entre cria, recria e engorda, pois são fatores determinantes para maior eficiência produtiva de um sistema de produção. Com isso, o peso dos bezerros a desmama é a essência para a redução da idade ao abate e a melhoria na taxa de desfrute. Do nascimento a desmama é a etapa da vida do animal em que se apresentam as melhores taxas de ganho de peso, alcançando, em apenas sete meses, aproximadamente 25 a 35% do peso final de abate. O leite proporciona nutrientes imprescindíveis à cria, sob uma forma simples e de fácil absorção, de maneira a suprir as exigências relativamente altas nesta fase. Até certo momento, quanto mais leite o bezerro recebe da matriz, mais rápido ele cresce. Entretanto, a relação entre esses dois fatores (produção leiteira da mãe e ganho de peso da cria) diminui bastante de intensidade, depois de 16 semanas. Esperar, por conseguinte, que a partir da idade de 3 a 4 meses, boa parte dos nutrientes indispensáveis ao bezerro de corte origina-se de outras fontes que não somente do leite materno.

Formas de suplementação

Para suprir as possíveis deficiências nutricionais, determinadas formas de suplementação de bezerros foram desenvolvidas. O “Creep-feeding” ou cocho privativo, que é uma forma de suplementação com ração balanceada no cocho, dentro de uma área cercada, com acesso exclusivamente ao bezerro. O objetivo é suplementar a cria sem apartar da mãe. Ainda que haja indicativos de uma melhora da eficiência reprodutiva da vaca, o “creep-feeding” visa principalmente ao bezerro. Tem como finalidade o aumento do peso a desmama, bem como habituá-lo à suplementação no cocho.

Creep-feeding

Para que a suplementação alcance êxito depende do consumo dos bezerros.  Para isso, determinadas práticas de manejo podem ser ressaltadas, primeiramente, quando se usa o sistema de cocho privativo: reunir às crias uns bezerros mais velhos, que já conhecem o sistema, servindo como exemplo por alguns dias espalhar ração do lado de fora do cercado,de maneira que as vacas possam treinar suas crias a comer, posteriormente permitir o acesso ao cocho, tanto das vacas quanto dos bezerros, durante alguns dias.

O “Creep-grazing” ou pasto privativo, ainda pouco aproveitado no Brasil, o método consiste em permanecem os bezerros juntos com suas mães e têm acesso exclusivo a um piquete formado com forrageiras de alto valor nutritivo, pequeno porte e alta densidade, como azevém, aveia, tífton, milheto etc. As instalações (exigências são parecidas às do “creep-feeding”), sendo proporcional o número de bezerros e à produção de matéria seca da forrageira escolhida ao tamanho do piquete.

creep gate

Além dessas duas formas de suplementação, pode ser utilizado a desmama precoce, uma vez que essa permite que as matrizes recuperem seu estado corporal e manifestem o cio. Para a maior eficiência do sistema, todavia, é preciso que esta prática ocorra dentro da estação de monta, possibilitando a reconcepção imediata.Esta estratégia pode ser utilizada para descartar as fêmeas que não reconceberam ao final da estação de monta sem que as mesmas tenham que ficar por muito tempo na propriedade ocupando espaço de outra mais produtiva.

Para isso, os bezerros aos 90-120 dias de idade são desmamados e colocados em pastagens adequadas, bem afastados das mães. O pasto apropriado para desmama deve ser formado com forrageiras, correspondendo aos requisitos do “creep-grazing” (alto valor nutritivo, alta densidade, palatabilidade e baixo porte). Além do pasto, aconselha-se suplementar as crias com uma ração concentrada, a mesma do “creep-feeding”, até 6-7 meses, idade correspondente à desmama tradicional, pois as crias têm a capacidade de retirar do concentrado a energia suficiente que encontrariam com o leite. É esperado que os bezerros consumam de 200 – 400 g/cab/dia. Com o passar do tempo, eles somam gradativamente a ingestão, chegando a atingir, na fase final, 2 – 2,5 kg/cab/dia. Pode-se ofertar a quantidade de 1% do peso vivo médio de cada lote, para cada animal por dia, durante o período de 3 a 4 meses.

Portanto, em um sistema de produção de bovinos de corte, a taxa de desmama e a quantidade de kg de bezerro desmamado/vaca/ano influenciam diretamente a eficiência do processo de criação. A suplementação ainda que na fase de aleitamento evidencia ser uma importante ferramenta complementar nos projetos que visam níveis altos de produtividade. Quanto mais pesado desmamar o bezerro, menor será seu tempo no sistema até o abate, reduzindo seu custo de permanência na propriedade ou maior será seu valor de venda e mais rápido as fêmeas são destinadas à reposição. Além disso, permite que as matrizes recuperem seu estado corporal e retome a ciclicidade mais rápido. Para o produtor é indispensável saber os custos do sistema e devem ser levados em consideração os custos com ração/bezerro, no entanto, é essencial atentar-se que um bezerro bem nutrido, durante o primeiro ano de vida, é capaz de suportar maiores estresses climáticos e/ou orgânicos e, consequentemente, te restituir um boi mais pesado no futuro, mostrando mais importante o fechamento econômico da operação.