Rehagro Blog

Manejo das Principais Pragas do Café

Vários são os fatores que afetam a produtividade do cafeeiro, dentre eles, o manejo nutricional, incidência de doenças, pragas, plantas daninhas e outros. Nesse sentido, um manejo adequado das pragas, torna-se uma ferramenta essencial para evitar perdas na produtividade da cultura.

Por isso, nesse texto abordamos sobre as principais pragas do cafeeiro arábica, os danos causados por elas, e como realizar o seu manejo.

Broca do café

pragas‌ ‌do‌ ‌café

Figura 1. Adulto da broca do café (Foto: Daniel Veiga).

Nome cientifico: Hypothenemus hampei 

O que é: Besouro 

Qual fase causa dano: Larva

pragas‌ ‌do‌ ‌café

Figura 2. Larva da broca do café (Foto: Larissa Cocato).

Danos

A larva da broca se alimenta dos grãos de café, acarretando em redução do peso dos grãos, depreciação do tipo do café e possibilitando a ocorrência de fermentações indesejadas.

pragas‌ ‌do‌ ‌café

Figura 3. Grãos de café brocados (Foto: Larissa Cocato).

Condições favoráveis

O adulto da praga sobrevive em frutos remanescentes da colheita que estejam na planta ou no chão. Além disso, o período úmido na entressafra favorece a sobrevivência da praga.

Manejo da broca

Após a proibição do Endosulfan, que era um inseticida barato com alta eficiência de controle porém muito tóxico, o controle dessa praga tornou-se um desafio para os produtores, entretanto, foram lançados muitos produtos registrados para a cultura. Apesar disso, o controle dessa praga ainda se apresenta muito dispendioso, dessa forma, além de um bom monitoramento para a tomada de decisões mais acertadas, é indispensável a realização de um manejo fitossanitário, que envolva a combinação de mais de um método visando o controle dessa praga.  

Dentre os métodos de controle, podemos citar o controle cultural, o biológico e o químico.

– Controle cultural

No controle cultural deve-se realizar uma colheita bem feita visando retirar os frutos remanescentes da planta ou do solo, sendo essa, uma prática aliada para diminuir a fonte de alimento desses insetos.

– Controle biológico 

No controle biológico, utiliza-se o fungo Beauveria bassiana, que atua colonizando a broca-do-café, acarretando em sua morte.

pragas‌ ‌do‌ ‌café

Figura 4. Broca do café sendo colonizada pela Beauveria (Foto: Daniel Veiga).

– Controle químico

Para o controle químico, podemos citar alguns ingredientes ativos presentes nos produtos, sendo eles: Ciantraniliprole, Clorpirifós, Clorantraniliprole, Abamectina, Espinosade, Etiprole. Devendo-se sempre ter o cuidado com as doses utilizadas, as misturas de ingredientes ativos, ou mesmo a não rotação deles, que podem causar desequilíbrio de outras pragas, devido a morte de inimigos naturais.

Quadro 1. Ingredientes ativos e grupos químicos de produtos registrados para o controle da broca do café:

Bicho-mineiro

pragas‌ ‌do‌ ‌café

Figura 5. Folha com a lagarta do bicho-mineiro. (Foto: Larissa Cocato).

Nome cientifico: Leucoptera coffeella 

O que é: Mariposa de coloração branco prateada

Qual fase causa dano: Lagarta

Danos

  • Queda de folhas, acarretando em redução da área foliar, e consequentemente, prejuízos a produção.
  • Geralmente, em condições de ataque intenso, é observado maior desfolha no topo da planta.

Figura 6. Topo de cafeeiro desfolhado devido ao ataque de Bicho-mineiro. (Foto: Luiz Paulo Vilela).

Condições favoráveis

Períodos secos, com baixa umidade relativa e altas temperaturas.

Manejo do bicho-mineiro

É importante estar atento ao controle preventivo dessa praga nas áreas com histórico da sua incidência, no período que antecede a estação seca do ano.

Controle químico

Para o controle químico, podemos citar alguns ingredientes ativos e seus grupos químicos, que podem atuar sobre o bicho-mineiro. 

Quadro 2. Ingredientes ativos e grupos químicos de produtos registrados para o controle do Bicho-mineiro:

Vale destacar que é importante rotacionar os modos de ação dos inseticidas e também utilizar de forma consciente alguns inseticidas que não são seletivos aos inimigos naturais, como por exemplo os organofosforados (clorpirifós), pois seu mau uso pode acarretar em desequilíbrio na população da própria praga ou mesmo de outras pragas, pela morte de seus inimigos naturais. Neste caso, podemos optar por exemplo pela utilização das diamidas, que são inseticidas mais seletivos.

Além desses produtos que contêm esses ingredientes ativos, podemos encontrar no mercado produtos com mais de um grupo químico, como neonicotinoide mais piretróide, representados pelos ingredientes ativos Acetamiprido e Bifentrina, e também os grupos químicos, diamida mais avermectina, representados pelos ingredientes ativos clorantraniliprole e abamectina.

Ácaro da mancha anular

Nome cientifico: Brevipalpus phoenicis 

O que é: Ácaro 

Danos

  • Transmite o vírus da leprose.

Figura 7. Folha com sintoma do vírus da mancha anular do cafeeiro.

  • Causa intensa desfolha, reduzindo a fotossíntese.
  • Devido ao fato do ataque do ácaro se concentrar mais na parte interna da planta, com uma desfolha de dentro para fora do cafeeiro, denomina-se “planta-oca”.

Condições favoráveis

Pode ocorrer durante todo o ano, no entanto, apresenta maior população na época seca, por isso, nesse período deve-se ter mais atenção para seu controle.

Manejo do ácaro da mancha anular

Após detectada a incidência do vírus da mancha anular nas lavouras, recomenda-se o controle do ácaro, visto que, esse inseto é o vetor do vírus, e na sua ausência não há a transmissão da doença.

Controle químico

O controle pode ser feito através da utilização dos ingredientes ativos: Hexythiazox, Espirodiclofeno e Propargito, pertencente aos grupos químicos: tiazolidinacarboxamida, cetoenol e sulfito de alquila, que são registrados para o ácaro da mancha anular na cultura do café. 

Quadro 3. Ingredientes ativos e grupos químicos de produtos registrados para o controle do Ácaro da mancha anular:

Podem ser utilizados também outros acaricidas registrados para o controle desse inseto vetor, salientando a importância de se rotacionar o modo de ação dos inseticidas utilizados, com o intuito de evitar a ocorrência de resistência.

Atenção!

Para esta pulverização, é recomendado a utilização de um maior volume de calda, a partir de 600 L/ha, de acordo com o porte e enfolhamento das plantas. Também, recomenda-se andar com menor velocidade no trator a fim de que a calda atinja o interior das plantas. Sendo recomendada pelo menos duas aplicações para o controle do ácaro.

Além disso, é importante o uso racional de inseticidas que possam afetar a população de ácaros predadores, visando evitar desequilíbrios nas populações.

Ácaro vermelho

Figura 8. Ácaro vermelho na folha do cafeeiro. Foto feita com lupa. (Foto: Larissa cocato).

Nome cientifico: Oligonychus ilicis

O que é: Ácaro 

Danos

  • Folhas sem brilho
  • Desfolha – redução da área fotossintética

Condições favoráveis:

Essa praga é favorecida por altas temperaturas e períodos de estiagem prolongada.

Manejo do ácaro vermelho

Em alguns casos, a ocorrência de chuvas pode reduzir o ataque desse ácaro, visto que a água da chuva pode lavar as folhas e eliminar parte da sua população. Nesses casos, não é necessário se entrar com o controle químico.

Uma forma preventiva de evitar aumentos da população é ter cuidado com a utilização continua e exagerada de fungicidas cúpricos e os inseticidas piretróides e neonicotinóides, que dependendo do uso, podem acarretar em aumento da população desses ácaros.

Controle químico

Em casos em que é necessário o controle químico, pode-se utilizar os grupos químicos: avermectina (abamectina), cetoenol (espirodiclofeno), ou outros grupos químicos que sejam registrados para a cultura do café. Em se referindo ao ácaro, talvez seja necessária uma segunda aplicação devido aos inseticidas não terem efeito sobre os ovos do ácaro, neste caso, ela pode ser feita de 20 a 30 dias após a primeira.

Quadro 4. Ingredientes ativos e grupos químicos de produtos registrados para o controle do Ácaro vermelho:

Atenção!

A incidência de pragas provoca grandes danos ao cafeeiro, gerando perdas na produtividade e redução dos seus lucros.

E além das pragas, temos que ficar de olho também nas doenças, plantas daninhas, deficiências nutricionais e outros fatores que podem prejudicar nossos resultados.

Assim, é muito importante a gente aprender a conduzir perfeitamente todas as etapas do manejo.

Aqui no Rehagro, além de Consultora Técnica, sou coordenadora de um curso, que é o Curso Online Gestão na Produção de Café.

Ele foi feito para você: produtor, técnico, agrônomo, estudante, sucessor que deseja ter domínio do processo produtivo do café do início ao fim, com mais segurança nas tomadas de decisão da fazenda, tendo certeza que cada escolha do seu dia a dia levará suas lavouras rumo a grandes resultados.

Nele, você terá acesso ao conhecimento aplicável que realmente fará a diferença para sua produção, seja para escolher o fertilizante ideal, para definir o melhor tipo de poda, dimensionar maquinário e mão-de-obra ou decidir se é hora ou não de comprar aquela terra extra com o dinheiro que você tem no caixa. 

A palavra final será a sua, de olho nas suas maiores metas e sonhos. 

O link para ele está aqui embaixo, ele leva pra nossa página e lá você encontra mais informações.

Clique aqui

Vejo você lá!

Sucesso na sua produção!

1 comentário