Rehagro Blog

Enxofre no sistema de produção de grãos

Um solo fertilizado e bem nutrido, garante uma maior qualidade da planta, por meio de suprimento de enxofre(S), principalmente em relação aos teores de matéria orgânica. 

A essencialidade do S para as plantas é devido a presença dos aminoácidos sulfurados cistina e metionina nas proteínas vegetais. No solo, encontra-se armazenado na forma orgânica.

O manejo do solo realizado de forma inadequada, resulta em redução no teor de matéria orgânica, associado ao uso de corretivos em superfície e fertilizantes concentrados com ausência de S, possibilita uma maior probabilidade de resposta das culturas à adubação sulfatada.

Assim, você vai entender o que torna o S um importante nutriente para o solo e planta, uma vez que ele interfere diretamente na qualidade dos grãos e até na defesa da planta.

O enxofre como mecanismo de defesa

O S é importante não somente como nutriente, mas também por seu papel no mecanismo de defesa da planta contra pragas e doenças. As plantas sadias contêm grande variedade de metabólitos secundários, muitos dos quais contendo Nitrogênio(N) e S em sua estrutura.

Esses compostos estão presentes seja em sua forma ativa biologicamente ou armazenados como precursores inativos, que são convertidos na forma ativa pela ação de enzimas em resposta ao ataque do patógeno ou da praga. 

Embora o uso do enxofre elementar (S0) como fungicida seja muito antigo, pouco se sabe a respeito do modo como ele funciona.

Formas do enxofre

Nos solos tropicais, o S está nas formas orgânicas e inorgânicas, sendo a primeira forma predominante (90%). Isso é comprovado pelas altas correlações verificadas entre os teores de carbono orgânico ou N total e os teores de S total ou orgânico.

O S orgânico pode ser dividido em duas frações distintas: ésteres e ligados diretamente ao carbono. 

O S orgânico é gradualmente mineralizado à SO4-2. Pelo fato de a fração orgânica deste nutriente ser a predominante, a mineralização e imobilização regulam o ciclo no solo e controlam a disponibilidade de S às plantas. 

O armazenamento de S orgânico significa suprimento constante deste elemento às plantas e, para isso, a manutenção de teores adequados de matéria orgânica no solo é fundamental!

As transformações de S no solo são controladas por processos bióticos e abióticos. A importância relativa de cada processo depende de fatores como:

  • Temperatura do solo; 
  • pH;
  • Umidade; 
  • Quantidade de argilominerais; 
  • Óxidos de ferro e alumínio; 
  • Conteúdos de carbono e N. 

Há ainda os processos de transformações bióticas que estão relacionadas aos processos de:

  • Mineralização; 
  • Imobilização; 
  • Oxi-redução; 
  • Assimilação de S pela planta. 

Já os processos abióticos ocorrem em função de:

  • Adsorção; 
  • Dessorção; 
  • Precipitação; 
  • Dissolução do S inorgânico.

Recomendações de sulfatados

Para determinar corretamente a necessidade de S, deve-se realizar análise de solo em duas profundidades, 0 a 20 cm e 20 a 40 cm, devido à mobilidade do nutriente no solo e o seu acúmulo em subsuperfície.

As fontes mais comuns de fertilizantes sulfatados simples têm o elemento na forma de sulfato: 

  1. Sulfato de amônio; 
  2. Superfosfato simples; 
  3. Gesso (natural ou agrícola); 
  4. Sulfato de potássio; 
  5. Diversas combinações, especialmente de fertilizante nitrogenados com fertilizantes contendo sulfato.

A recomendação de fertilizantes sulfatados apresenta grande complexidade em função dos inúmeros fatores que controlam a dinâmica de S no solo. Alguns fatores que influenciam na resposta, são: 

  • Contribuição das chuvas e das irrigações como veículo de deposição do S atmosférico; 
  • Ciclagem do S através de plantas de cobertura com sistema radicular bem desenvolvido e fluxo ascendente de sulfato em períodos de balanço hídrico negativo.

Quantidade ideal de enxofre

Nas recomendações típicas de S, as doses variam de 20 a 50 kg ha-1, dependendo do manejo, da cultura e do teor do elemento no solo.

Para o uso eficiente do gesso agrícola em regiões de subsolo ácidos requer uma correta diagnose baseada em critérios químicos que levem às recomendações seguras das doses a serem aplicadas.

Figura 1: Gesso agrícola

Enxofre no sistema de produção de grãos

Fonte: Calcário Fosfarine

Os critérios para aplicação são avaliação da camada de 20 a 40 cm onde: teores de Ca < 0,4 cmolc dm-3 e/ou Al > 0,5 cmolc dm-3 e ou saturação por alumínio (m%) > 30%.

Para cálculo da dosagem sugere-se a seguinte fórmula:

NG (kg ha-1) = 50 * % argila

onde: NG – Necessidade de gessagem

Método que baseia em elevar a saturação de Ca na CTC efetiva na camada de 20 a 40 cm a 60%, sendo aplicado a seguinte fórmula:

NG (t ha-1) = (0,6 * (CTC efetiva – Ca (20 a 40 cm)) * 6,4

onde: NG – Necessidade de gessagem

Para avaliação da dose a ser aplicada, o monitoramento da análise de solo em profundidade deve ser considerada, para que se possa avaliar a redistribuição de cálcio no perfil do solo.

Figura 2: Distribuição relativa das raízes, no perfil de um solo do tipo latossolo argiloso. Na 1ª, sem a aplicação de gesso e na 2ª, com a aplicação de gesso.

Enxofre no sistema de produção de grãos

Fonte: Boletim técnico 32 – Embrapa

Figura 3: Cultura do milho em um perfil de lâmina d’água no latossolo argiloso, após um veranico de 25 dias. À esquerda, sem tratamento com gesso e à direita com tratamento de gesso.

Enxofre no sistema de produção de grãos

Fonte: Boletim técnico 32 – Embrapa

Próximos passos

Programas de adubação, que visam altas produtividades devem considerar, além das necessidades de S da cultura, a reciclagem dos resíduos orgânicos.

Deve-se observar que a disponibilidade de S, a curto prazo, está ligada principalmente à quantidade e ao tipo de resíduos culturais, os quais dependem do sistema de rotação de culturas empregado, enquanto, a longo prazo, a disponibilidade de S está mais relacionada ao sistema de preparo do solo.

E fique atento! Cada um desses pontos, quando não analisados e respeitados,  podem ocasionar perda de produção, então confira o artigo e veja como isso pode ser evitado.

Perdas por solo inadequado

Comentar