Rehagro Blog

Análise microbiológica do solo

O solo é a base da agricultura, então entendê-lo é mais do que uma missão, é necessário. Tanto para os plantios anuais, perenes ou até para a pecuária, realizar uma análise microbiológica do solo e saber a sua composição fará toda a diferença no manejo.

Composição do solo

As propriedades do solo se dividem em química, física e biológica. Sua composição depende de diversos fatores como:

  • Relevo; 
  • Clima;
  • Temperatura;
  • Rocha originária da formação;
  • Organismos vivos.

Sobre esse último tópico, os microrganismos fazem parte da propriedade biológica desse solo.

Composição do solo

Imagem 1: Esquema didático sobre a composição do solo

Propriedade biológica do solo

A parte biológica do solo é constituída por microrganismos (cerca de 70%), raízes e fauna. Além disso, ela apresenta uma estreita inter-relação com os componentes físicos e químicos.

Toda essa parte das propriedades do solo, unidas aos microrganismos, influenciam não só a produtividade e a sustentabilidade dos sistemas agrícolas, mas também suas funções ecológicas e serviços ambientais.

Histórico do solo

O grau de revolvimento mecânico, juntamente com a qualidade e a quantidade do resíduo vegetal que são aportados ao solo, fazem com que todo o sistema de uso ou manejo deixe sua impressão digital, sua assinatura biológica, no solo.

Solo sendo revolvido

Imagem 2: Escavadeira revolvendo o solo

As determinações de atividade enzimática são uma das vias de formação da memória do solo. Isso decorre do fato de que a atividade enzimática total de um solo é o somatório de:

  1. Atividade enzimática dos organismos vivos (microrganismos, plantas e animais);
  2. Enzimas abiônticas (associadas à fração não viva, que se acumulam no solo protegidas da ação de proteases por meio de sua adsorção em partículas de argila);
  3. Matéria orgânica.

A capacidade do solo de estabilizar e proteger enzimas está relacionada à sua capacidade de armazenar e estabilizar MO (afinal a enzima é uma molécula orgânica) e outras propriedades estruturais associadas (agregação e porosidade), que são de difícil detecção num curto período, diferentemente da atividade enzimática.

Saúde do solo

Entre os parâmetros utilizados para caracterizar o componente biológico dos solos e avaliar a sua saúde/qualidade, destacam-se as avaliações de biomassa microbiana e de atividade enzimática.

Biomassa

A biomassa microbiana do solo, como o próprio nome diz, avalia a massa dos microrganismos no solo e é expressa como mg de C, N, e/ou P nos microrganismos por quilograma de solo.

A biomassa é a parte viva e mais ativa da MOS sendo constituída, principalmente, por fungos, bactérias e actinomicetos.

Apesar da sua importância em relação ao teor total de MOS, o tamanho dos componentes vivos é relativamente pequeno, variando de 1% a 5%.

Enzimas

No solo, as enzimas participam como catalizadoras das reações metabólicas intracelulares, que ocorrem nos seres vivos. Além disso, as enzimas extracelulares desempenham papel fundamental, atuando em várias reações que resultam na decomposição de resíduos orgânicos, tais como:

  • Ligninases;
  • Celulases;
  • Proteases;
  • Glucosidases;
  • Galactosidases. 

As enzimas também desempenham papéis importantes na ciclagem de nutrientes, os quais podemos citar:

  • Fosfatases;
  • Amidases;
  • Urease;
  • Sulfatase. 

Por fim, mas não menos importante, as enzimas estão ligadas à formação da MOS e da estrutura do solo.

O potencial das análises de atividade enzimática como indicadores de grande sensibilidade, especialmente β-glicosidase e arilsulfatase, tem sido verificado no Cerrado.

Assim foi ficando cada vez mais claro a necessidade de incluir também a análise dos bioindicadores nas avaliações de rotina do solo, principalmente quando se adota o sistema de plantio direto (SPD) devido ao manejo de conservação.

Com a expansão acelerada dos plantios, se faz necessário um solo construído de forma equilibrada e adequada para as culturas e as análises, portanto, se tornam imprescindíveis.

Correção do solo

Atenção!

Como vimos nesse artigo, o solo é essencial, independente da ação agrícola que o produtor fará em sua fazenda. No entanto, um sistema de conservação como o SPD não permite grandes ações no solo e isso, muitas vezes, atrapalha sua aeração. Assim é necessário o uso de maquinários, como subsoladores e escarificadores.

Entender a microbiologia do solo é importante, mas se o solo apresenta compactação, o sistema poderá ficar comprometido. 

Para saber como melhorar a aeração do solo e trazer mais qualidade para as raízes no SPD, veja no artigo “Uso de subsoladores e escarificadores no sistema de plantio direto“.

Conquiste uma alta produtividade

O Rehagro possui a capacitação online em Fertilidade do Solo e Nutrição das Plantas, que já transformou a vida de mais de 100 profissionais! Eles aprenderam com tecnologia de ponta e com professores com vivência prática em campo.

Na busca por atualização e aprimoramento de seus conhecimentos em fertilidade, o curso ensina a interpretar corretamente uma análise de solo, manejo de compactação, aplicação de corretivos e fertilizantes.

Com ele, você será capaz de construir um perfil de solo e programa nutricional com foco na obtenção de alta produtividade. Clique na imagem abaixo e conheça mais sobre o curso:

Fertilidade do solo e nutrição de plantas

Comentar