Rehagro Blog

Avaliação da resistência à penetração do solo

Em sistemas de produção intensificados, um dos principais desafios é a manutenção da adequada estrutura e aeração do solo. Uma forma de suprir a demanda de oxigênio para as raízes é por meio de práticas de escarificação e subsolagem, pelo rompimento da camada compactada. Para recomendação dessa prática devem avaliados os níveis de compactação do solo.

Em sistema de plantio direto (SPD), uma das principais causas da compactação dos solos é o tráfego de máquinas ocasionado pela redução das janelas de semeadura e intensificação do sistema de produção, em operações de semeadura, tratos culturais e colheita. O problema aumenta quando as operações são realizadas em solos em condições de muita umidade e com pouca palha na superfície. O tráfego de máquinas pesadas pode promover a compactação superficial desses solos, sendo observados aumentos prejudiciais para as plantas, na faixa de 20 a 40 cm de profundidade. 

Gráfico 1. Resistência à penetração (RP) de um Latossolo sob SPD há 10 anos.

O desenvolvimento radicular é afetado pela resistência á penetração (RP) e altera o potencial de produção das culturas. Devido ao maior número de cultivos por ano, aumentou-se o tráfego de máquinas pesadas, o que pode aumentar a RP. A prática de intervenção mecânica para rompimento da camada compactada, muitas vezes é realizada sem critério técnico.

A RP é um dos fatores mais importantes no alongamento radicular das culturas no perfil do solo. Os penetrômetros são os equipamentos mais adequados para prever a resistência à penetração das raízes. Por outro lado, a conveniência em mensurar a RP com o uso de penetrômetros, pode superestimar a resistência para o crescimento radicular. Sendo que o alongamento da raiz no solo pode ser limitado pela RP e estresse hídrico.

Os diferentes tipos de penetrômetros disponíveis no mercado, com diferentes princípios de funcionamento, são necessários no mínimo de 15 repetições para avaliar a RP com menor variação. Em solos sob SPD, a RP apresenta grande variação temporal estando associada à variação do teor de água para cada condição de densidade do solo ou estado de compactação. 

A variabilidade espacial da RP diminui da área de cabeceira para o centro da lavoura, sendo que os valores de RP variam também entre as ordens de solos, pois em Argissolos, os valores críticos de RP variam entre 1,19 MPa e 1,5 MPa; em Latossolos Vermelho distrófico, os valores críticos podem variar entre 2,1 MPa à 3,2 MPa. Solos sob SPD apresentam valores mais elevados de RP até 40 cm de profundidade, comparado a solos sob sistema convencional. 

A compactação do solo proporciona mudanças no sistema poroso nos solos sob cultivo convencional, há valores maiores de densidade do solo e menores de macroporosidade e porosidade total. 

Os atributos físicos do solo podem ser classificados como diretamente relacionados ao crescimento das plantas, água, oxigênio, temperatura e RP, e relacionados ao crescimento das raízes densidade do solo, porosidade, infiltração de água, agregação e textura. A seleção de atributos físicos deve ser sensíveis ao manejo e produção das culturas, além do monitoramento da qualidade do solo.

Solos sob SPD podem apresentar maior crescimento radicular devido à presença de poro contínuo, criado por minhocas e raízes de culturas anteriores. Esses bioporos ocupam menos que 1% do volume do solo, podendo ser utilizado por raízes de culturas subsequentes como passagem para o desenvolvimento radicular. Os pelos radiculares nas pontas das raízes apresentam como função potencial de ancoragem mecânica, para as raízes que crescem em bioporos.

Os solos argilosos são mais suscetíveis à compactação quando comparados a solos com a textura arenosa. Em solos compactados, há decréscimo da macroporosidade, da disponibilidade de água e da absorção de nutrientes. Como consequência, há redução na difusão de gases no solo, limitando os processos metabólicos das plantas.

Quando é identificada a compactação do solo, recomenda-se utilizar um sistema de manejo que possibilite romper a camada compactada. A escarificação proporciona redução da resistência do solo à penetração, com pouca mobilização do solo. Quando a camada compactada está em profundidades não atingidas pelos escarificadores, a subsolagem é recomendada para o rompimento dessa camada.

A utilização de escarificadores em SPD vêm sendo indicados para romper camadas compactadas até 0,20 m. Entretanto, a eficiência desta prática em solos sob SPD tem sido questionada

O uso de subsoladores vem sendo indicado para romper camadas compactadas em profundidades acima de 0,20 m. A utilização de subsoladores, há o rompimento das camadas compactadas até 40 cm. A subsolagem é uma prática que corrige e mobiliza o solo em subsuperfície tendo como vantagem o não revolvimento do solo, sendo indicado para áreas sob SPD. A prática da subsolagem em solos sob SPD, pode ser uma operação com alto custo e com baixo rendimento operacional.

Para proporcionar efeito duradouro das práticas de escarificação e subsolagem sob SPD, deve-se implantar gramíneas forrageiras após a prática da intervenção mecânica, permitindo que as raízes ocupem os espaços deixados pelas hastes dos equipamentos, a fim de que possam formar poros contínuos, melhorando a capacidade de suporte de carga do solo.

Atualmente, em muitos sistemas de cultivo, o tráfego de máquinas aumentou, devido a adoção de dois ou três cultivos por ano na mesma área. Além disso, os produtores têm utilizado máquinas com maior rendimento operacional e, portanto, mais pesadas, e também devido ao maior número de entrada nas áreas para manejo de doenças, plantas daninhas e pragas, visando atingir maiores produtividades. Na soja, há situações em que o produtor tem feito de oito a dez pulverizações por ciclo da cultura. Dessa forma, novas avaliações de RP devem ser realizadas para tomada de decisão sobre o uso de escarificadores e subsoladores.

Referências Bibliográficas

  • ARAUJO, M.A.; TORMENA, C.A.; SILVA, A.P. Propriedades físicas de um Latossolo Vermelho distrófico cultivado e sob mata nativa. Revista Brasileira de Ciência do Solo, [s.l], v. 28, p. 337-345, 2004.
  • BELLÉ, M.P. et al. Demanda energética e mobilização do solo com uso de escarificadores em sistema de semeadura direta. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 18, n. 5, p. 551-558, 2014. 
  • BENGOUGH, A.G. et al. Root elongation, water stress, and mechanical impedance: a review of limiting stresses and beneficial root tip traits. Journal of Experimental Botany, [s.l], v. 62, n. 1, p. 59-68, 2011. 
  • BENGOUGH, A.G.; MULLINS, C.E. The resistande experienced by roots growing in a pressurised cell. A reappraisal. Plant and Soil, [s.l], v. 123, p. 73-82, 1990.
  • BERGAMIM, A.C. et al. Compactação em um Latossolo Vermelho distoférrico e suas relações com o crescimento radicular do milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo, [s.l], v. 34, p. 681-691, 2010.
  • BERGAMIN, A.C. Compactação do solo em sistemas intensivos de produção. Informações Agronômicas, [s.l], v. 164, p. 1-12, dez. 2018. 
  • BEUTLER, A.N.; CENTURION, J.F. Compactação do solo no desenvolvimento radicular e na produtividade da soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, [s.l], v. 36, n. 6, p. 581-588, 2004.
  • BEUTLER, A. N.; CENTURION, J.F.; ROQUE, C.G. Relação entre alguns atributos físicos e a produção de grãos de soja e arroz de sequeiro em latossolos. Ciência Rural, Santa Maria, v. 34, n. 2, p. 365-371, mar./abr 2004. 
  • EHLERS, W. et al. Penetration resistence and root growth of oats in tilled and untilled loess soil. Soil & Tillage Research, [s.l.], v. 3, p. 261-275, 1983. 
  • FREDDI, O.S. et al. Compactação do solo no crescimento radicular e produtividade da cultura do milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo, [.sl], v. 31, p. 627-636, 2007.
  • GIRARDELLO, V.C. et al. Resistência do solo à penetração e desenvolvimento radicular da soja sob sistema de plantio direto com tráfego controlado de máquinas agrícolas. Revista Scientia Agraria, [s.l], v. 18, n. 2, p. 86-96, abr/jun 2017.
  • LETEY, J. Relationship between soil physical proprieties and crop production. Advances in Soil Science, [s.l.], v. 1, p. 277-294, 1985. 
  • MOLIN, J.P.; DIAS, C.T.S.; CARBONERA, L. Estudos com penetrometria: Novos equipamentos e amostragem correta. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 16, n. 5, p. 584-590, 2012.
  • MONTEIRO, M.A.C. et al. Efeito de proparo do solo com diferentes implementos sobre a resistência do solo à penetração. Revista de Agricultura Neotropical, Cassilândia, v. 4, n. 2, p. 63-68, 2017.
  • PEDROTTI, A. et al. Resistência mecânica à penetração de um Planossolo submetido a diferentes sistemas de cultivo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, [s.l], v. 25, p. 521-529, 2001.
  • SECCO, D. et al. Atributos físicos e rendimento de grãos de trigo, soja e milho em dois Latossolos compactados e escarificados. Ciência Rural, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 58-64, jan./fev. 2009. 
  • SEKI, A.S. et al. Efeitos de práticas de descompactação do solo em área sob sistema plantio direto. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 46, n. 3, p. 460-468, jul./set. 2015.

 

Comentar