Rehagro Blog

Enxofre: saiba mais sobre este nutriente

Enxofre

  • Absorção: O íon SO42-
  • Transporte: O S é transportado até o sistema radicular principalmente por fluxo de massa.
  • A adsorção do sulfato depende do teor de argila, do teor de matéria orgânica, da presença de hidróxidos de ferro e de alumínio e do pH, no entanto, a sua capacidade de adsorção quando em competição com fosfato e hidroxila é muito pequena.

Funções do enxofre

  • Componente de proteínas.
  • Participa da síntese de clorofila.
  • Participa de diversas reações no metabolismo das plantas.
  • Por isso, devido a sua grande participação em reações e em compostos nas plantas, a carência desse nutriente pode provocar uma série muito grande de distúrbios metabólicos.

Ciclo do enxofre

O ciclo do enxofre se assemelha ao do nitrogênio, pelo fato de apresentar no solo muitas formas orgânicas e sofrer várias transformações em reações mediadas por microrganismos.

enxofre

Figura 1. Ciclo do enxofre (S). Fonte: Larissa Cocato.

Deficiência de enxofre

Os sintomas de deficiência de enxofre são observados inicialmente em folhas novas, devido a sua pouca redistribuição nos tecidos. Sendo observado clorose generalizada (parecido com o sintoma de deficiência de nitrogênio, no entanto a deficiência de enxofre aparece nas folhas novas). Também podem ser observados encurtamento dos internódios e desfolha.

enxofre

Figura 2. Sintomas de deficiência de enxofre (Foto: Luiz Paulo Vilela)

Situações onde se tem maior chance de ter deficiência de enxofre:

  • Solos com baixo teor de matéria orgânica.
  • Lavouras em que não se aplica fontes que contenham enxofre.
  • Altas produtividades sem a aplicação desse nutriente.

Fontes

Dentre os fertilizantes e/ou condicionadores que contem enxofre na sua composição, podemos citar:

Tabela 1. Fontes de enxofre mais utilizadas na agricultura:

Fonte: VITTI et al. (2007) adaptada.

Recomendação

O enxofre é aplicado indiretamente às culturas, como componentes de alguns adubos como o superfosfato simples, sulfato de amônio, sulfato de magnésio, sulfato de potássio e gesso agrícola.

enxofre

Figura 3. Aplicação de gesso em superfície na cultura do café. (Foto: Larissa Cocato).

Com gesso x sem gesso

Abaixo as fotos mostram um cafeeiro em que foi realizada a aplicação do gesso (foto da esquerda), em contraste com um cafeeiro em que não foi realizada a aplicação de gesso (foto da direita), mostrando assim a deficiência de enxofre.

Figura 4. Foto de cafeeiro com a aplicação de gesso e sem a aplicação de gesso (Foto: Luiz Paulo Vilela).

Teor de S nas folhas

O teor desse nutriente na folha deve ser observado de acordo com o mês de referência.

Tabela 2. Parâmetros para análise de folha do cafeeiro:

** Faixas de variação nos teores foliares em cafezais com produção média entre 30-40 sacas beneficiadas / ha – Folhas recém – amadurecidas (Resultados na matéria seca).
Fonte: E. Malavolta / G.C.Vitti

Além disso, é importante estar atento a relação N/S (nitrogênio/enxofre), pois todos os aminoácidos possuem nitrogênio, e alguns deles possuem enxofre, como por exemplo a cisteína, metionina e outras.

Tabela 3. Parâmetros para análise de folha do cafeeiro – Relação nitrogênio/enxofre: 

** Faixas de variação nos teores foliares em cafezais com produção média entre 30-40 sacas beneficiadas / ha – Folhas recém – amadurecidas (Resultados na matéria seca).
Fonte: E. Malavolta / G.C.Vitti

Teor de S no solo

Tabela 4. Padrões referenciais médios para avaliação de resultados de análise de solos na cultura do café:

Fonte: PROCAFÉ

Considerações

Por isso, apesar de ser um nutriente pouco falado e que recebe pouca atenção, devemos estar atentos ao fornecimento desse nutriente, seja por sua aplicação direta ou pelo seu fornecimento indireto, através dos fertilizantes superfosfato simples, sulfato de amônio, sulfato de magnésio, sulfato de potássio, ou mesmo pela aplicação do condicionador de solo gesso agrícola, devido a sua grande atuação desse nutriente no metabolismo das plantas.

Referencias

  • FAQUIN, V. Nutrição mineral de plantas. 2005.
  • FURTINI NETO, A. E., VALE, F. D., RESENDE, A. D., GUILHERME, L. R. G., & GUEDES, G. D. A. Fertilidade do solo. Lavras: Ufla/Faepe, 252. 2001.
  • MALAVOLTA, E., VITTI, G. C., OLIVEIRA, S. A. D. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. 1997.
  • VITTI, G. C. HEIRINCHS, R. Formas tradicionais e alternativas de obtenção e utilização no nitrogênio e enxofre: uma visão holística. In: YAMADA, T.; ABDALLA, S. R. S.; VITTI, G. C. (Eds.). Nitrogênio e enxofre na agricultura brasileira. Piracicaba: IPNI, p. 109-160. 2007. 

Comentar