Rehagro Blog
Superpastejo

Pastagens degradadas: fatores de degradação e o que fazer

Atualmente estudos apontam que cerca de 38% das pastagens ainda apresentam algum sinal de degradação, mesmo fazendo progressos significativos para a melhorar a qualidade das pastagens brasileiras.

Quais são os fatores que causam degradação e como contribuem para tornar sua fazenda menos produtiva?

Descubra essas respostas com o vídeo do Professor Felipe Amadeu ele mostra os 6 principais motivos que causam a degradação, os custos e o impacto de lidar com cada um deles.

1. Falta de correção e adubação

A falta de correção e adubação merecem destaque quando falamos de formação das pastagens e principalmente a reposição de nutrientes.

A realidade é que estabelecemos nossos pastos incorretamente e práticas como colocar fogo e depois jogar a semente ainda é muito comum, isso contribui significativamente a degradação.

Precisamos produzir capim de qualidade e para isso as plantas precisam dos nutrientes corretos, em um primeiro momento eles são retirados do solo e se não repormos, a queda na produção.

2. Excesso de lotação animal e manejo inadequado

O superpastejo causa estresse significativo nas forragens, onde muito da parte aérea é consumido, isso contribui para o enfraquecimento do sistema radicular e consequentemente, o desaparecimento da pastagem e surgimento de plantas daninhas.

3. Estabelecimento incorreto do pasto ou uso de cultivares erradas.

Muitos produtores não levam em consideração a realidade da sua área ou particularidades importantes da região para escolher de forma assertiva a melhor cultivar, acabam comprando as “cultivares da moda” ou seguindo recomendações erroneamente.

4. Preparo do solo e técnicas de semeadura inadequadas.

A semente é um ser vivo e precisa do ambiente propício possível para expressar sua máxima produtividade, germinar, crescer e ter um alto potencial produtivo.

Ou seja, quando não estabelecemos corretamente as pastagens impomos um desafio muito grande para essas plantas. Não quer dizer que todas as técnicas estão incorretas e sim que precisamos ajustar a taxa de semeadura para cada condição.

5. Ausência de práticas conservacionistas

Isso não é um problema de todas as regiões, mas muitas vezes nos deparamos com esse problema.

Exemplos dessas práticas:

  • Sistema de Integração Lavoura Pecuária e Floresta (ILPF);
  • Controle de queimadas;
  • Irrigação, entre outros.

6. Uso de sementes de má qualidade ou de origem desconhecida.

Ainda é comum para os pecuaristas comprar sementes de pastagens e não saber exatamente o que vem dentro da embalagem, isso não pode ser mais uma realidade.

É necessário mudar e o mercado precisa acompanhar essas mudanças e fornecer sementes de alta qualidade.

Quanto custa minimizar o impacto das pastagens degradadas?

Apresentamos alguns pontos que contribuem diretamente para o aumento da degradação de pastagens e muitos produtores consideram oneroso investir em práticas para minimizar esse fator. Será que é caro mesmo?

Escolher corretamente a forrageira

Não custa nada, pesquisar sobre as diferentes cultivares, entender as peculiaridades da sua área e buscar a melhor recomendação possível, evitará muita dor de cabeça no futuro.

Buscar formar a pastagem corretamente

Esse aspecto requer investimentos significativos, porém uma pastagem bem estabelecida e bem formada, evitará gastos futuros com reformas.

Precisamos lembrar que o pasto é o alimento mais barato da fazenda, qualquer ação que busque melhorar a produção trará um benefício significativo que se paga ao longo do tempo.

Descartar animais improdutivos

Não tem custo, aliás gera receita!

De acordo com pesquisadores da Embrapa Gado de Corte, se você descartar os animais improdutivos e estes corresponderem a 30% do seu rebanho, você se tornará 20% mais produtivo e libera 5% da área para outras atividades, gera caixa e isso pode impulsionar a reforma das pastagens!

Controle de plantas invasoras

Aproximadamente 5% da receita bruta é destinada para isso, porém se estabelecemos o pasto corretamente e fazemos aplicações de controle, reduzimos esse problema na propriedade.

Adubação de manutenção

Corresponde de 15 a 30% da receita bruta, porém é importante ressaltar que quanto mais investimos, maior nossa produção, mais @/ha/ano, maior a rentabilidade.

Gostou desse conteúdo?

Assista o vídeo completo no link que deixamos lá em cima, ele irá te ajudar a entender e contornar os problemas causados pela degradação! 

Saiba mais!

A Pós-Graduação em Nutrição a Pasto e Manejo de Pastagens na Pecuária de Corte era o que você buscava para dominar a nutrição animal e a produção a pasto.

Aprenda com os profissionais mais renomados do mercado.

Vamos conversar sobre:

  • Integração lavoura pecuária;
  • Maximização do ganho de peso com uso de suplementos e manejo de pastagem adequado;
  • Correção do solo, adubação e controle de pragas.

E muito mais!

Acesse nossa página e veja a programação completa!

pós-graduação em produção e manejo de pastagens na pecuária de corte

Comentar