Rehagro Blog

Usando dados agrícolas para impulsionar a sustentabilidade

Sustentabilidade  não é uma ideia nova na agricultura. É tão antigo quanto a própria terra. No entanto, está se tornando cada vez mais urgente à medida que as partes interessadas do setor respondem a uma crescente população global e a restrições ambientais à produtividade. Grandes empresas, produtores, varejistas e outros membros da cadeia de valor estão trabalhando incansavelmente para implementar novos padrões de administração e transparência; eles estão examinando dados, testando estratégias de gerenciamento e experimentando novas tecnologias.

As empresas do agronegócio devem garantir que esses esforços de sustentabilidade sejam economicamente viáveis, além de otimizar seu impacto. Para promover maior participação e maior eficiência, essas empresas devem ajudar a comunicar os esforços dos produtores à cadeia de valor e aos consumidores. 

Os produtores devem aprender o raciocínio por trás dos protocolos sugeridos e os membros da cadeia de valor aprendem sobre o impacto em campo desses mesmos protocolos. Esse novo entendimento fornece aos participantes as ferramentas e informações para adotar uma abordagem melhor e mais eficiente da sustentabilidade. Por sua vez, os produtores começam a estabelecer relacionamentos mais fortes com as partes interessadas em todo o setor.

Os relacionamentos são apenas o primeiro passo. Para obter informações valiosas e compartilhar estratégias e melhorias de sustentabilidade, as empresas do agronegócio devem fazer um esforço conjunto para defender a segurança dos dados. Eles devem tomar medidas claras e demonstráveis ​​para proteger os dados do produtor e educar os membros da cadeia de valor sobre práticas de segurança de dados para manter a confiança do produtor. Políticas de dados fortes e acessíveis estabelecem expectativas claras sobre o compartilhamento de dados. Essas políticas devem ser favoráveis ​​ao produtor e adaptáveis ​​às necessidades individuais de cada operação.

Como a eficácia dessas iniciativas de sustentabilidade depende de dados do produtor, é imprescindível a disposição para implementar a tecnologia de agricultura digital orientada a dados. Um sistema intuitivo de gerenciamento de dados pode ser uma excelente ferramenta para produtores experientes e inexperientes. 

Como a tecnologia está transformando a força de trabalho agrícola

Uma maior adoção de ferramentas digitais como plataformas de inteligência artificial (IA), drones, desempenho das lavouras e outros avanços mecânicos na agricultura ajudará os agricultores a maximizar os recursos e melhorar a produtividade.  A análise de dados, IA, drones e outras tecnologias agrícolas cumprem a promessa de ajudar o setor agrícola a se adaptar aos desafios demográficos e ambientais do mundo. 

Drones podem gerar informações agrícolas de grande valor em uma fração do tempo que levaria um agricultor a inspecionar o mesmo terreno a pé. Equipado com câmeras multiespectrais de resolução ultra alta ou estabilizadas por vagens para obter a máxima qualidade de imagem e auxiliado por sofisticados algoritmos de IA, esse tipo de monitoramento revela o que o olho nu não pode, até um nível granular, de infestações por pragas a indicadores de excesso de água. 

Figura de drone

Figura 1

dados agrícolas

A transformação de dados Agrícolas

O gerenciamento de dados é uma parte importante de todos os negócios, processos e interações entre negócios, e é por isso que os dados da agricultura são tão importantes para os produtores e seus parceiros agrícolas durante momentos de mudanças.

Alguns produtores e agrônomos digitalizaram seus registros nos últimos 10 anos, outros ainda não começaram devido a várias razões. Empresas agrícolas que compram commodities ou vendem insumos para exigir que mais informações sejam trocadas digitalmente com os produtores em vez de pessoalmente ou com o papel envolvido. 

Fazer com que os parceiros da cadeia de suprimentos exijam informações digitais será um motivador extra para os produtores e agrônomos coletarem todas as informações digitalmente do campo, em vez de terem que digitá-las novamente em um computador posteriormente.

A agricultura sempre foi um setor que gira em torno de relacionamentos pessoais, e isso não mudará tão cedo. O que já está mudando, no entanto, é a maneira pela qual devemos interagir uns com os outros. 

Algumas das funcionalidades mais importantes que os produtores precisam ser capazes de fazer digitalmente:

Utilizar uma plataforma que permita que todos vejam as alterações feitas por outras pessoas em tempo real.

Os produtores desejam poder gravar digitalmente as observações de um campo e compartilhá-las com seus agrônomos e outros consultores.

Os agrônomos precisam poder compartilhar suas recomendações digitalmente de uma maneira que permita que o produtor compartilhe isso facilmente com seu aplicador e fornecedor também.

Com interações diretas mínimas entre as pessoas, como garantir que todos os envolvidos tenham todos os dados necessários para realizar seu trabalho da melhor maneira possível?

Os agrônomos precisam saber se um campo já foi pulverizado ou não e onde esse local específico está em um campo sobre o qual o produtor teve dúvidas.

Os produtores precisam saber onde estão todos os funcionários e prestadores de serviços, quais trabalhos já foram executados e quais produtos precisam ser encomendados para as próximas semanas.

Os varejistas e cooperativas precisam saber quais culturas seus clientes cultivadores estão plantando e quais produtos seus consultores planejam usar durante a safra e quando.

O aumento do volume de dados oferece às operações a capacidade de realizar análises precisas de final de safra, com as quais elas podem reduzir o desperdício e aumentar a eficiência. Além disso, os produtores podem fornecer informações detalhadas e precisas aos varejistas e consumidores que desejam transparência. Com essas novas vantagens no mercado, os produtores terão a oportunidade de aumentar a lucratividade nas próximas temporadas, criando valor em toda a cadeia de suprimentos.

Figura 2

dados agrícolas

Figura 3

dados agrícolas

Referências

Comentar