Rehagro Blog
Mancha de phoma

Mancha de phoma (Phoma spp) no cafeeiro

A mancha de phoma cujo principal agente etiológico é Phoma tarda é uma doença fúngica que pode ocorrer no cafeeiro desde a fase de mudas até na fase adulta do café.

Figura 1. Sintomas de phoma em cafeeiro (Foto: Luiz Paulo Vilela)

Sintomas

Os sintomas dessa doença são manchas irregulares de coloração escura nas folhas, iniciando, geralmente nos bordos, essas lesões nos bordos podem provocar curvatura. Nos ramos pode se observar lesões deprimidas e escuras, que podem envolver todo diâmetro do ramo e causar seca da extremidade ou do ponteiro.

Figura 2. Folhas com sintomas de mancha de phoma no cafeeiro (Foto: Luiz Paulo Vilela)

Figura 4. (Foto: arquivo Rehagro)

Danos

Essa doença pode causar desfolha, queda de botões florais, mumificação e queda de chumbinhos, acarretando assim em perdas na produção.

Condições favoráveis

A penetração do fungo é facilitada por danos mecânicos no tecido da planta, produzidos por exemplo por insetos, atrito de folhas em função de ventos acentuados em épocas frias, ou outras fontes de danos.

Dessa forma, esse fungo é favorecido por baixas temperaturas, vento e umidade relativa alta. Regiões de altitudes superiores, propícias a ventos frios com baixas temperaturas noturnas e presença de orvalho são condições ideais para o aparecimento dessa doença. Portanto, nessas regiões, deve-se realizar o controle preventivo.

Zambolim et al., 1999; Salgado et al., 2002; Pozza et al., 2003

Além disso, a adubação também pode interferir no aparecimento desse patógeno, uma vez que o excesso de nitrogênio pode acarretar em aumento da produção de tecidos jovens e suculentos, dessa forma sendo mais suscetíveis a entrada do patógeno, conforme observado por Lima et al. (2010) (Figura 5).

Figura 5. Área abaixo da curva de progresso da incidência (AACPI) e da severidade (AACPS) da mancha de Phoma em mudas de café, em função de doses de nitrogênio em solução nutritiva.

Por outro lado, a presença de cálcio confere certa resistência à penetração de patógenos, visto que ele é constituinte da lamela média das células, sendo assim, importante para o fortalecimento da parede celular (Lima et al., 2010).

Medidas de controle

Dentre as medidas preventivas de controle podemos citar a escolha da área para instalação de viveiros, optando pela escolha de locais bem drenados e protegidos contra ventos frios. Da mesma forma, para a escolha da área de plantio de café, deve-se evitar o plantio de café em áreas sujeitas a ventos fortes e frios. A utilização de quebra ventos também é muito importante desde a implantação da lavoura.

Também, adubações equilibradas se atentando principalmente ao equilíbrio com nitrogênio e ao fornecimento de cálcio devido a sua constituição na parede celular.

Em regiões de altitudes superiores, propícias a ventos frios com baixas temperaturas noturnas e presença de orvalho é importante estar atento por estarem mais sujeitas ao ataque desse patógeno. Portanto, nessas regiões, deve-se realizar o controle preventivo, principalmente nas fases de pré e pós-florada. Quando necessário a entrada com o controle químico, deve-se lembrar de rotacionar o princípio ativo dos fungicidas, a fim de evitar problemas com resistência de populações.

Autora: Larissa Cocato

Referências

LIMA, L. M. D., POZZA, E. A., TORRES, H. N., POZZA, A. A., SALGADO, M., & PFENNING, L. H. Relação nitrogênio/potássio com mancha de Phoma e nutrição de mudas de cafeeiro em solução nutritiva. Tropical Plant Pathology 35 (4) July – August 2010.

POZZA, E.A.; SALGADO, M.; PFENNING, L.H. Intensidade da mancha de phoma do cafeeiro (Phoma tarda) em diferentes temperaturas e tempo de molhamento foliar. In: XXXVI Congresso Brasileiro de Fitopatologia, 2003, Uberlândia-MG. Revista Brasileira de Fitopatologia-Suplemento, v.28. p.223-S223. 2003.

SALGADO, M.; POZZA, E.A.; PFENNING, L.H.; BERGER, R.D. Influência da temperatura e do tempo de incubação no crescimento micelial e produção de conídios in vitro de espécies de phoma do cafeeiro. In: XXXV Congresso Brasileiro de Fitopatologia, 2002, Recife. Revista Fitopatologia Brasileira, v.1. p.159-159. 2002.

ZAMBOLIM, L.; VALE, F.X.R. Manejo integrado das doenças do cafeeiro. In: ZAMBOLIM, L. (Org.). I Encontro Sobre Produção de Café com Qualidade. 1 ed. Visconde do Rio Branco: Suprema Gráfica e Editora, v. 1, p. 134-215. 1999.

webinar-leite

Comentar