Rehagro Blog
Gado Nelore

Importância do escore da condição corporal em sistema de cria e como avaliar

Importância do escore da condição corporal em sistema de cria e como avaliar
Gostou desse artigo?

A avaliação da condição corporal é uma medida subjetiva, fundamentada na classificação dos animais em função da massa de gordura e da cobertura muscular, isso estima o estado nutricional dos ruminantes de interesse zootécnico. Deste modo, o escore de condição corporal (ECC) afere o estado nutricional dos animais a partir de avaliação visual e/ou tátil, é uma ferramenta fundamental no manejo. Essa ponderação reflete as reservas energéticas dos animais e pode ser utilizada como acessório na indicação de práticas a serem seguidas no manejo nutricional do rebanho.

Os bovinos passam por diferentes ciclos produtivos e reprodutivos ao longo do ano, acarretando alterações em suas necessidades nutricionais. Outros sim, a disponibilidade de alimento muda em decorrência das mudanças climáticas. Dessa forma, ganhos ou perdas de peso dos animais são comuns e representa à produtividade do sistema, assim, essas modificações na condição corporal devem ser controladas. Um bom indicador do estado nutricional é a avaliação do peso, mas deve-se atentar para as variações entre raças e tamanho dos indivíduos, pois, nem sempre um animal pesado apresenta uma boa condição corporal. A mensuração do peso vivo modifica em decorrência a função fisiológica do animal, por exemplo, a fêmea prenhe.

A importância de conhecer o ECC

Conhecer o escore de condição corporal do rebanho contribui para a tomada de decisões assertivas no manejo nutricional e, com isso, garante medidas de redução em impacto na produção e nos custos do pecuarista, um exemplo, é o definir quando e quanto suplementar a dieta de matrizes, ter em vista reduzir o período de anestro pós-parto. A acuidade da ponderação do escore corporal provém do conhecimento sobre o direcionamento de nutrientes da dieta de acordo com a prioridade do animal. Entende-se manutenção da vida e posteriormente a preservação da espécie.

Short e Adams (1988) apresentaram a ordem de partição de nutrientes energéticos, sendo na ordem crescente:

  • metabolismo basal,
  • atividades mecânicas,
  • crescimento,
  • conjunto de reservas corporais básicas de energia,
  • manutenção da prenhez,
  • lactação,
  • reservas extras de energia,
  • ciclicidade estral,
  • ovulação e o início da prenhez
  • reservas de excesso.

É possível perceber que as funções reprodutivas não são prioritárias do ponto de vista de partição de nutrientes. Estudos apontam que quanto maior a perda de condição corporal entre o parto e a primeira inseminação menor será a taxa de concepção quando comparado a animais com perda moderada. Além disso, a avaliação do ECC no início da estação de monta pode impactar na eficiência reprodutiva. No entanto, é importante salientar que as vacas de corte demasiadamente condicionadas (ECC maior que sete) podem apresentar dificuldades ao parto, bem como altos custos de mantença quando confrontadas com vacas de ECC moderado.

As matrizes com boas condições corporais ao parto retornam ao cio mais cedo e apresentam melhores índices de concepção sendo a suplementação das vacas nos períodos pré e pós-parto resultam em incremento do peso corporal, interferindo na taxa de prenhes positivamente, haja vista que animais com escores melhores durante a estação de monta possuem uma maior probabilidade de emprenhar.

A tabela abaixo mostra o desempenho reprodutivo de vacas de corte de raças europeias com ECC diferentes.

Efeito da condição corporal durante a estação reprodutiva na taxa de prenhez de bovinos

Os resultados da tabela acima evidencia que há uma necessidade de ajuste no manejo nutricional, de modo que as vacas atinjam ECC de 5 a 7 ao parto, pois, a recuperação do ECC no pós-parto é mais difícil, especialmente, quando essa época sobrepõe-se à estação de monta subsequente.

Do ponto de vista prático, se o rebanho de matrizes não atingiu condição corporal aceitável no período de parição, é necessário à suplementação alimentar. Em um ano que as condições climáticas estão favoráveis, a condição corporal das vacas pode ser um indicativo de quão bem as demandas do rebanho estão sendo atendidas pelos recursos da fazenda.

Entretanto, se as vacas continuam magras, reflexo disso é um ECC baixo, a dieta dessas deve ser alterada. Assim, pode haver uma suplementação concentrada (sal ureado, proteico, proteico-energético, energético, sal mineral aditivado) visando atender suas exigências nutricionais. No entanto, se não obtiver sucesso, mesmo após a suplementação, é importante alterar a lotação da fazenda, reduzindo, a fim de fornecer uma forragem de melhor qualidade e com volume maior por animal do rebanho.

Em um último caso, deve-se fazer uma suplementação de volumoso, feno ou silagem. Visto que o suprimento de forrageiras é considerado como adequado, estratégias de melhoramento genético animal devem ser suscitadas, por exemplo, reduzir o tamanho corporal (frame) e/ou aspectos produtivos que estejam superdimensionados para o sistema, como: produção de leite. Não se pode selecionar apenas para habilidade materna, é preciso que haja um equilíbrio entre as outras características de relevância tão grande quanto esta, ou seja, é importante obter um foco na seleção e traçar um plano genético adequado a realidade de cada propriedade.

Os animais são classificados de acordo com a quantidade de reservas teciduais, sobretudo de gordura e de músculos, em determinadas regiões do corpo, tais como algumas protuberâncias ósseas:

  • costelas,
  • processos espinhosos da coluna vertebral,
  • processos transversos da coluna vertebral,
  • vazio,
  • ponta do íleo,
  • base da cauda,
  • sacro
  • vértebras lombares. Os escores extremos (superior ou inferior) são indesejáveis em qualquer escala e em qualquer espécie animal avaliada.

Portanto, a obtenção de altas taxas reprodutivas está intimamente relacionada à produtividade e a lucratividade das explorações pecuárias. Para que o produtor tenha êxito é importante que haja adoção de determinadas práticas de manejo, dentre essas, a nutrição. Essa deve prover as matrizes condições metabólicas ideais para enfrentar determinados ocasiões estratégicas do ciclo produtivo, como a época de reprodução, período de parto e o momento de aleitamento.

Nesse cenário, o escore de condição corporal é uma ferramenta favorável na ponderação do estado nutricional do animal e, por consequência, tem aproveitamento estratégico no manejo do rebanho. O emprego racional da informação conduzida pelo conhecimento do ECC do rebanho é altamente eficiente para o aumento da eficiência reprodutiva das matrizes e produtiva, pensando não só nas matrizes, mas também, nas demais categorias do sistema.