Rehagro Blog

Perfil empresarial – Mauro Rossales fala sobre os desafios da sucessão familiar

Adaptabilidade, preocupação, organização e disciplina: estes são alguns dos princípios básicos que são aplicados nas consultorias do Rehagro voltadas para sucessão familiar. Mauro Rossales, um dos nossos especialistas altamente qualificados, vai além: para cada propriedade que visita, ele transmite mensagens de determinação e foco aos clientes. 

Estes valores, aliás, o motivaram desde muito cedo. Rossales nasceu em uma família humilde, mas sempre teve a ambição de estudar e prosperar na vida. Ainda pequeno, afirmou ao pai: “um dia, eu vou vencer”. Dito e feito!

Começou a trabalhar aos 16 anos como estagiário no INSS e não parou mais. Perseverou com os estudos e ganhou uma bolsa de 50% no PROUNI para o curso de Ciências Contábeis, sua primeira formação. Depois, empreendeu e voltou a estudar novamente, afinal, conhecimento é tudo. Graduou-se em Direito em 2014, se especializou em direito tributário, gestão empresarial, pessoas e coaching, família e sucessões. 

sucessão familiar - Mauro Rossales

Mauro Rossales – Consultor especialista em sucessão, tributação e governança do Rehagro

Toda essa expertise faz com que tenhamos orgulho em ter Mauro na nossa equipe! Sua atuação em sucessão, tributação e governança, tem trazido ótimos resultados para fazendas de médio e grande porte de todo o país. Em uma entrevista exclusiva, Rossales fala sobre os desafios e benefícios da sucessão familiar em uma empresa rural. Confira abaixo como foi o bate papo: 

REHAGRO: Você usa uma frase muito impactante sobre gestão: “a gente não compra pessoas. Máquinas sim, mas pessoas não. Pessoas precisam ser motivadas”. Você diria que esse é um ponto que sempre precisa ser trabalhado nas propriedades? 

MAURO: Sim. Quando estamos diante de empresas familiares do agronegócio, vivemos dois sentimentos que são antagônicos: AMOR e DINHEIRO. Por outro lado, algumas vezes estamos diante de famílias, onde haverá SUCESSORES e/ou HERDEIROS. Precisamos saber como lidar com essas situações em que, por algumas vezes, para a figura da mãe, seus filhos são todos iguais e merecem tratamentos igualitários.   

Pensamos em levar questões como ambiente participativo, respeito e valorização para o ambiente familiar. Separando momentos da empresa em questões familiares (almoço de finais de semana), das propriedades (aquisição de fazendas) e da gestão (preço de commodities e/ou semoventes) do dia a dia. 

R: Você acredita que as pessoas estão sendo suficientemente valorizadas?

M: Podemos nos ater que a pecúnia não é o mais impactante, mas sim, o salário emocional de estabelecer relações de CONFIANÇA, COMUNICAÇÃO e IMPARCIALIDADE, promovendo a convergência entre o propósito e a razão de pertencimento àquela empresa familiar e que o seu papel na organização está sendo reconhecido de forma intrínseca e extrínseca.

R: Quais são os maiores desafios enfrentados pelas fazendas das quais você presta consultoria?

M: Por trás de todas as fazendas, há uma FAMÍLIA, que possui padrões físicos e emocionais que se repetem. Ou seja, valores, crenças, rituais e mitos que fazem parte da história familiar, formando assim, um tipo de padronização de convívio e interação aceito por todos os membros. 

Dessa forma, acredito que o grande desafio seja dizer que trabalhar com famílias é uma tarefa ímpar. Mesmo que tenhamos a bagagem teórica e prática, ainda assim, estaremos sujeitos à dinâmica emocional e aos padrões relacionais de cada família. Acredito que esta seja a grande satisfação de fazer esse trabalho com tanto afinco. O que faz nós do Rehagro contarmos com um time multidisciplinar (Agrônomos, Veterinários, Administradores, Contadores, Advogados, Psicólogos…).

R: A sucessão é muito mais do que herdar: é uma palavra que advém de sucesso. Você acredita que esse conceito está firmado no Brasil? Por quê?

M: Não! Vivenciando o agronegócio nesses últimos quinze anos, a transição do amor e paixão por aquilo que eles construíram para seus filhos é muito importante, senão o mais importante, para que seja atingida sua longevidade, perpetuidade e que o legado seja continuado por várias gerações.  

Há alguns cuidados que precisam ser pensados e tratados no meio rural: o avanço da tecnologia, informações e redes sociais. Nunca apareceram tantos profissionais especialistas em estratégias sucessórias no agronegócio e, às vezes, prometendo entrega de trabalhos em tempos nunca vistos. Então, a sucessão, é o planejamento de forma estruturada para transferir/transmitir o sucesso para próxima geração. 

R: Como é trabalhar com diferentes gerações? É difícil encontrar um comum acordo entre todos?

M: É diferente e gostoso! Todos estão buscando as mesmas coisas, porém, a comunicação não é fluida (risos).

Neste momento, enquanto consultor, precisamos por meio de metodologia, entregar algo palpável para aquela família.  Ou seja, a governança familiar tem o propósito de identificar e ajudar a enfrentar estes desafios. 

R: Geralmente, os papéis de cada pessoa já estão definidos quando você inicia a consultoria ou isso é algo que você tem que incentivar? Por exemplo: um filho já segue os passos do pai e outro quer ir por outros caminhos.

M: Em um primeiro momento, os filhos são inseridos com o papel de “ajudantes” dos pais. Outras vezes é para “facilitar” o acesso à linha de crédito. Pode haver também aqueles que “não” deram certo em outra atividade. Enfim, poderia inserir tantas formas que não sobraria espaço para falarmos de outros assuntos. Na grande maioria das vezes, não há essa definição de papel. 

Agora, uma das grandes oportunidades por meio da governança familiar é a de conectar seus membros com agendas, definições de papéis, responsabilidades e remunerações (fixas e/ou variáveis). Buscamos construir um ambiente propício para que as novas gerações possam inovar, de forma a garantir a perenidade dos negócios e da família, havendo uma aliança entre a experiência (pais) e a vontade de inovar e fazer (filhos e netos). 

R: Além de estratégias tributárias e sucessórias, quais outros pontos legais você trabalha no serviço de consultoria por sucessão?

M: Tenho trabalhado com os seguintes pontos: 

  • Negociação e facilitação em conflitos familiares;
  • Acordos familiares;
  • Governança familiar;
  • Orientações sobre regime de bens no casamento e pactos antenupciais;
  • Doações, testamentos e inventários;
  • Coaching e mentoring para formação de herdeiros e sucessores do agro;
  • Estratégias na exploração da atividade rural (contratos de arrendamento, parceria, comodato e rural);
  • Estratégias patrimoniais (dissolução de condomínios, acertos/equalizações patrimoniais etc);
  • Estratégias jurídicas e tributárias na compra e escrituração de imóveis rurais.

R: O Rehagro trabalha com fazendas de corte, leite, café e grãos, mas também atendemos outros negócios ligados ao agro. Poderia citar alguns que já fizemos?

M: Trabalhamos com o hortifruti (alho, cenoura, cebola, beterraba, tomate, banana, mamão e citrus…). Temos um cliente no Norte de Minas Gerais trabalhando muito forte na bananicultura, por exemplo! A propriedade utiliza alta tecnologia e produz de 30 a 40 toneladas por hectare.

R: Qual é o perfil de clientes que atendemos para este serviço?

M: O perfil é o de cliente eficiente, que busca uma gestão de ponta e crescimento constante para os seus negócios!

As grandes perguntas que fizemos no primeiro contato são: onde você estará nos próximos anos? Quantos hectares serão adquiridos neste período? Qual será o crescimento em áreas arrendadas? Dentre outras que nos ajudarão a traçar um perfil do cliente. 

Em mãos dessas respostas, oferecemos, o que de fato, aquela empresa familiar precisa!

R: Para quem acha a linha sucessória um bicho de sete cabeças, qual mensagem de encorajamento você deixa? 

M: Nessa caminhada de consultoria, conheci algumas famílias que, confesso, sou apaixonado. Essa mensagem está num quadro exposto na entrada do escritório:

  • Walter Palmeira: “Nunca podemos deixar que o receio pelo novo e desconhecido sejam obstáculos para a descoberta de novos caminhos…”

Para fechar, sempre procure empresas especializadas no assunto de sucessão e que já tenham experiências com outras famílias produtoras rurais.  

  • Autor desconhecido: iniciar um novo caminho assusta. Mas depois de um tempo percebemos que era mais perigoso permanecer parado.”

Saiba um pouco mais sobre a trajetória de Mauro Rossales, clicando AQUI! Se quiser saber um pouco mais ou tem alguma dúvida sobre os nossos serviços de consultoria, deixe um comentário!

Comentar