Rehagro Blog
Azospirillum no Milho

Azospirillum no Milho, quais os benefícios?

Você provavelmente já ouviu falar sobre os benefícios que algumas bactérias podem trazer aos cultivos de grãos, como por exemplo: a fixação biológica do nitrogênio, que é realizada pela bactéria do gênero Rhizobium. A associação desta bactéria com a soja permite que cultura seja auto-suficiente quanto à necessidade de nitrogênio (N), dispensando a adubação mineral com N. No entanto, não só a soja é beneficiada por associação com microrganismos, o milho estabelece uma relação com bactérias do gênero Azospirillum, que assim como o Rhizobium, tem a capacidade de captar o N da atmosfera e transformá-lo em N assimilável.

Azospirillum associada à raíz de milho

Bactérias do gênero Azospirillum, quando associadas às raízes de milho, podem atuar no crescimento vegetal por meio da redução do nitrato, presente no sistema radicular, à amônio. Esta é uma reação que ocorre normalmente no metabolismo vegetal, só que para isso acontecer, a planta precisa gastar energia (ATP), e é aí que entra o Azospirillum. Essa bactéria faz com que a planta não tenha que gastar energia, para converter NO3 à NH3, e assim, possa direcioná-la para outros processos metabólicos, muito embora, este processo de simbiose também demande gasto energético.

Azospirillum e fixação biológica de nitrogênio pelo milho

A fixação biológica de nitrogênio pelo milho pode ser variável para diferentes cultivares, ou seja, algumas podem ser mais favorecidas que outras. Na literatura, encontram-se diversos relatos sobre os benefícios da FBN para o milho, como por exemplo: aumento relativo de massa seca, acúmulo de nutrientes e aumento de produtividade, podendo chegar a 25% no rendimento de grãos. Há relatos de que a inoculação de Azospirillum nas culturas do milho e do trigo possibilitaram incremento de 26 e 30%, respectivamente, na produção de grãos.

Além disso, existem outros benefícios destas bactérias, como: estímulo do crescimento da planta por diversos mecanismos, incluindo síntese de hormônios, melhoria do fornecimento de N, mitigação de estresses hídricos e também, controle biológico da microbiota patogênica presente no solo.

Fique atento aos fatores que podem influenciar a abundância e a atividade deste microrganismo no solo:

  1. pH;
  2. Umidade;
  3. Temperatura;
  4. Disponibilidade de fontes de carbono.

Manejo da fertilidade do solo

Diante destes fatores apresentados, fica evidente que é preciso fazer um correto manejo da fertilidade do solo, principalmente no que se refere à correção de acidez, com uso de calcário, o qual tem como objetivos elevar o pH e neutralizar alumínio. Além disso, deve-se também fazer o uso de rotação de culturas e adoção do sistema de plantio direto, pois a palhada que ficará sobre a superfície do solo irá aumentar a retenção de umidade no solo, reduzir a amplitude térmica e aumentar o aporte de carbono orgânico. Esses fatores são fundamentais para que as bactérias consigam desempenhar suas funções.

Outro ponto importante é referente a  eficiência do uso destas bactérias a campo, é preciso que as estipes selecionados apresentem boa habilidade em sobreviver e colonizar as sementes de milho germinadas, quando na presença de diversos outros microrganismos na rizosfera (porção do solo próximo às raízes), além disso, deverão apresentar capacidade de se locomover em direção a um gradiente químico (exsudatos radiculares), para assim, iniciar o processo simbiótico.

REFERÊNCIAS

CHOTTE J, SCHWARTZMANN A, BALLY R & MONROZIER LJ (2002). Changes in bacterial communities and Azospirillum diversity in soil fractions of a tropical soil under 3 or 10 years of natural fallow. Soil Biology and Biochemistry, 34:1083-1092.

DE QUADROS, P. D., Roesch, L. F. W., da Silva, P. R. F., Vieira, V. M., Roehrs, D. D., & de Oliveira Camargo, F. A. (2015). Desempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com Azospirillum. Ceres, 61(2).

HUNGRIA, M.; CAMPO, R. J.; SOUZA, E. M. S.; PEDROSA, F. O. Inoculation with selected strains of Azospirillum brasilense and A. lipoferum improves yields of maize and wheat in Brazil. Plant and Soil, Netherlands, v. 331, n. 1/2, p. 413-425, 2010.

REIS JUNIOR, F. B. dos; MACHADO, C. T. de T.; MACHADO, A. T.; SODEK, L. Inoculação de Azospirillum amazonense em dois genótipos de milho sob diferentes regimes de nitrogênio. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 32, n. 3, p. 1139- 1146, 2008.

Comentar