13/05/2013 - Dia do Zootecnista

Informativo

Veja as edições anteriores


Cadastre-se e receba nosso informativo!


Nome
E-mail
Celular

Artigos Técnicos

Boro - Processos e Resultados
Escrito em 01/12/2008 por Vinícius T. Andrade, engenheiro agrônomo - Equipe ReHAgro.

Boro - Processos e Resultados 

Introdução

A importância da presença dos elementos essenciais às plantas e do equilíbrio entre eles vem sendo elucidada desde que Liebig começou a defender sua crença de que as plantas se nutrem “dos minerais encontrados na terra disponibilizados pela decomposição da matéria orgânica e não diretamente desta”. Posteriormente a essa tese, muita coisa foi descoberta até os dias de hoje, mas o princípio de que somente quando tudo que for necessário estiver presente e em equilíbrio no interior da célula é que suas atividades terão eficácia satisfatória (PRIMAVESI, 2002), continua imutável. Portanto, o fornecimento equilibrado de elementos necessários à planta é fundamental para uma agricultura sustentável e economicamente viável, principalmente nos dias atuais, onde a diferença parece residir nos detalhes. Isso devido à pequena distância que separa o sucesso do fracasso econômico de um projeto. De acordo com Primavesi (2002), faz parte da natureza, condensar nas pequenas coisas o poder de dirigir as grandes; nas sutis, a potência de dominar as mais grosseiras; nas coisas simples, a capacidade de reger as complexas. Portanto, pode-se fazer analogia de que as coisas pequenas, sutis e simples se comparam ao papel dos micronutrientes, que mesmo exigidos em pequenas quantidades, são indispensáveis para um correto metabolismo vegetal.

Apesar da grande importância dos micronutrientes na nutrição vegetal, apenas recentemente passaram a ser utilizados de modo mais rotineiro nas adubações em várias regiões e para as mais diversas condições de solo, clima e culturas no Brasil. (LOPES, 1999).

Segundo esse autor, os principais motivos que despertaram interesse pela utilização de fertilizantes contendo micronutrientes no Brasil foram:

a) Início da ocupação da região dos cerrados, formada por solos deficientes em micronutrientes por natureza;

b) Aumento da produtividade de inúmeras culturas com maior remoção e exportação de todos os nutrientes;

c) Incorporação inadequada de calcário ou a utilização de doses elevadas acelerando o aparecimento de deficiências induzidas;

d) Aumento na proporção de produção e utilização de fertilizantes NPK de alta concentração, reduzindo o conteúdo incidental de micronutrientes nesses produtos;

e) Aprimoramento da análise de solo e foliar como instrumento de diagnose de deficiências de micronutrientes.

Dentre todos os micronutrientes utilizados pela planta, um merece atenção: o Boro.  Segundo Malavolta (2006), ele é reconhecidamente o micronutriente cuja deficiência é mais comum no Brasil em diversas culturas anuais ou perenes, disputando com o zinco o ranking da deficiência em nossos solos. Devido a essa importância, ele será tratado nesse trabalho, mais especificamente na cultura do café.

O Boro
 
A origem do Boro deve-se, principalmente, à turmalina, uma rocha que após sofrer intemperismo, libera no solo formas solúveis, como boratos e ácido bórico, que corresponde à forma não dissociada. Apesar de a turmalina ser fornecedora de Boro ao solo, a fonte principal para as plantas vem da matéria orgânica, que, após mineralizada, disponibiliza o nutriente. Portanto, há relação entre o teor de matéria orgânica com a quantidade de Boro (ADRIANO, 1986 Apud MALVOLTA, 2006). Outra fonte citada na literatura são as precipitações, pois devido à abundância do elemento na água do mar, que obedece ao ciclo da água, com a evaporação, é passado para a atmosfera na forma de gotículas de água salgada e como vapor de ácido bórico, retornando ao solo juntamente com a chuva. Brasil Sobrinho (1965, apud MALAVOLTA, 2006) encontrou na água da chuva 0,02 a 0,04 mg B/L, e concluiu poder contribuir para manutenção dos teores no solo.

Segundo Adriano (1986, apud MALAVOLTA, 2006), o Boro se encontra no solo em 4 formas: solúvel em água, adsorvido, preso à matéria orgânica e fixado nas argilas, sendo que, somente a primeira nos dá indicativo de disponibilidade. A soma de todas as formas representa o teor total no solo, do qual, somente 5% estariam na forma solúvel e, consequentemente, disponível para as plantas.

Absorção, transporte e redistribuição

 Quando o assunto é absorção, o primeiro item a merecer atenção é o contato do elemento com a raiz, que no caso do Boro se dá por fluxo de massa. Segundo Malavolta (2006), o processo de absorção de Boro ainda não é bem explicado, mas até agora o consenso que se tem é que o processo se dê por difusão através da plasmalema. O caráter passivo de absorção é comentado por Welch (1995, apud MALAVOLTA, 2006). Segundo o autor, não há nenhum componente ou gasto de energia para viabilizar sua entrada devido à alta permeabilidade da membrana para o elemento. Tal fato pode ser comprovado pelo aumento linear da absorção com a elevação da concentração do nutriente no solo, não sendo influenciado por temperatura ou inibidores respiratórios. Portanto, o Boro parece ser o único elemento mineral que atravessa a membrana sem recorrer a nenhum processo intermediado por uma proteína (WELCH, 1995 apud MALAVOLTA, 2006).

O movimento do Boro se dá por corrente transpiratória via xilema, mas apresenta pouca mobilidade no floema, havendo redistribuição somente em algumas espécies, não incluindo o cafeeiro, apesar de não ser uma regra para todas as espécies da mesma família. Em algumas culturas onde a redistribuição ocorre, há uma quantidade maior de polióis, resultando em alta relação Polióis: Boro que se complexam com o mineral dando origem a compostos mais solúveis nos tecidos, como é o caso da soja (BROWN & HU, 1996 apud MALAVOLTA, 2006).

Devido à imobilidade do Boro via floema, não se movendo das folhas ou outros órgãos para atender a necessidade de crescimento, o elemento assume algumas características (BROWN, 1998 apud MALAVOLTA, 2006):

I. Sintomas de deficiência aparecem em tecidos novos em crescimento, tais como: meristemas florais e vegetativos, pólen, fruto, raízes;

II. A toxidez do Boro aparece em folhas velhas;

III. Há acumulo de Boro nos tecidos com a idade;

Esse tipo de comportamento tem implicações no manejo do elemento no sistema agrícola, seja para detecção de deficiências como no modo de aplicação, como será visto adiante.

Funções

A presença do Boro altera as reações enzimáticas, pois inibe ou estimula a atividade das enzimas, provocando mudanças metabólicas, tanto em deficiência, acumulando substancias prejudiciais às folhas como os fenóis, quanto em níveis elevados, que podem se tornar tóxicos às plantas.

Na fase reprodutiva o efeito benéfico é proeminente, uma vez que as exigências em Boro são mais altas neste período do que no crescimento vegetativo (BLEVINS & LUKASZEWSKI, 1997, apud MALAVOLTA, 2006), influindo na germinação do pólen, florescimento e frutificação. No cafeeiro, causa abortamento das gemas floríferas, influindo também no crescimento vegetativo. Dentre os fatores benéficos, podemos citar também a síntese de proteínas e ácidos nucléicos que tem sua eficiência elevada. De acordo com DUGGER (1983), as plantas deficientes têm a relação N solúvel/N protéico elevada, fato confirmado por Primavesi (2002), que afirma que os nutrientes podem circular a taxas elevadas na seiva sem serem metabolizados.

Quando afirmamos que o Boro é importante no crescimento vegetativo, um dos principais locais onde atua é na parede celular e na membrana citoplasmática, alterando suas propriedades mecânicas, principalmente na fase de crescimento. MALAVOLTA (2006) estabelece que haja uma relação estreita entre a nutrição de Boro com a parede celular primária, visto que 90% do elemento da célula estão presentes nessa estrutura.

Na membrana, apesar da pequena quantidade presente quando comparado à parede celular, atua na absorção de outros nutrientes, como ,por exemplo, o fósforo, que, de acordo com MALAVOLTA (2006), tem sua absorção diminuída em raízes deficientes do elemento, que também tem como papel a manutenção da integridade da membrana, garantindo absorção e metabolismo adequado, inclusive quando se fala em absorção de água. Pois, segundo PRIMAVESI (2002), essa capacidade parece estar mais ligada à quantidade de carboidratos do que à concentração dos minerais presentes nos tecidos radiculares. Tal quantidade de carboidratos é influenciada pela presença de Boro, que é o principal transportador desses compostos para os diversos órgãos das plantas, incluindo a raiz. MALAVOLTA (2006) afirma que a diminuição no transporte de açúcares pode ser explicada pela menor atividade metabólica, ou seja, demanda pelos órgãos dreno. Outra explicação seria a diminuição da formação de compostos de borato com açúcares, tais complexos auxiliam no transporte dos carboidratos dentro da planta.

Outro benefício trazido pelo Boro, principalmente em solos de regiões tropicais, que apresentam naturalmente elevado teor de Al e baixa concentração de bases, é o de permitir o maior crescimento radicular na presença de alumínio e, consequentemente, em solos ácidos. Vale lembrar que esse tipo de solo é a maioria no território brasileiro. Segundo MALAVOLTA (2006), tal fato pode ser explicado pela provável substituição do Boro pelo alumínio em alguma função importante. Segundo o mesmo autor, essa hipótese é reforçada pela semelhança estrutural do Aluminato- Al (OH)3 com o B(OH)3 e pelo fato dos sintomas de deficiência de Boro serem semelhantes aos observados por toxidez de alumínio. Portanto, o alumínio poderia induzir a deficiência de Boro. Esse benefício aumenta em proporção se considerarmos como premissa básica para uma produção econômica e sustentável em regiões tropicais, um solo com grande volume explorado por raízes sadias, que consigam absorver água e nutrientes de maneira eficaz.
Malavolta (2006) resume as funções do Boro na planta do seguinte modo:

1. Absorção e transporte de água e nutrientes;

2. Maior vegetação;

3. Maior pegamento das floradas, menor esterilidade;

4. Fixação biológica do N2;

5. Proteção contra doenças;

6. Melhora na qualidade dos produtos.

Deficiências no cafeeiro

 As deficiências podem ser reais ou induzidas. Reais pela falta do Boro, e induzidas pela dificuldade de absorção mesmo que o elemento esteja presente.

A indução das deficiências nos cafezais se deve a fatores climáticos, como precipitação e temperatura; problemas físicos causados por adensamentos que diminuem a capacidade de infiltração e, consequente, o armazenamento de água; pragas e doenças do sistema radicular; mudas de inferior qualidade; problemas no caule que impedem ou dificultam a circulação da seiva; e, manejo inadequado, principalmente, da adubação, que, se feita de modo incorreto, pode causar desequilíbrio e competição com plantas daninhas ou culturas intercalares (PROCAFÉ, 2006).
 
O diagnóstico das deficiências ou dos excessos pode ser feito de forma complementar, por meio de análises de solo, análises de folhas e observação dos efeitos visuais. Vale lembrar que as análises de folhas e de solo podem acusar uma possível deficiência que ainda não esteja se manifestando nas plantas, estando em estágio latente.
 
Nas folhas do cafeeiro, os sintomas aparecem naquelas novas, que se apresentam deformadas, afiladas, pequenas e com os bordos arredondados. Também causa a morte das gemas apicais, provocando um superbrotamento. Com a progressão da deficiência, aparecem nas folhas novas, pontuações negras e corticosas junto à nervura, causando seu entortamento (Cultura de Café no Brasil- Novo Manual de Recomendações, 2005). A deficiência acarreta também a deformação dos ramos laterais, com suas pontas se entortando para cima e para baixo e os secundários podendo se desprender por engrossamento em sua base. O excesso de Boro causa toxidez, aparecendo folhas manchadas de verde e amarelo e, em casos graves, ocorre queima dos bordos foliares.  Os sintomas de toxidez são observados quando o nível nas folhas é superior à 100ppm.

Sintomas de deficiência de Boro

                                                  Sintomas de deficiência de Boro

Segundo a Fundação Procafé, a amostragem de folhas deve ser feita em duas épocas: no início das chuvas, para ajudar na programação da adubação e outra no início da granação dos frutos (Jan-Fev), para aferir as quantidades aplicadas do nutriente em períodos de maior exigência pela cultura, pois o teor na folha avalia indiretamente o teor no solo. No caso específico do Boro no cafeeiro (espécie em que o elemento é imóvel no floema), Brown (1998, apud MALAVOLTA, 2006) sugere que a amostragem foliar deve ser feita coletando-se folhas ou tecidos jovens quando o objetivo for diagnosticar deficiências, e em tecidos maduros quando se tratar de toxidez.

Quanto à amostragem de solo, ela deve ser feita quando cessarem os tratos culturais na lavoura, obedecendo a um período mínimo de 60 dias da última adubação potássica, o que deve coincidir com a pré- colheita. Portanto, deve ser utilizado o bom senso nas lavouras que utilizam a prática da arruação, retirando as amostras antes dessa prática ou proceder ao “chegamento de cisco” para posterior amostragem (Cultura de Café no Brasil- Novo Manual de Recomendações, 2005).

Níveis adequados e exigências

 

De acordo com Sims & Johnson (1991, apud, MALAVOLTA, 2006), os teores adequados de Boro no solo, quando o extrator for água quente, variam em função to tipo de solo, espécie vegetal, clima, teor de matéria orgânica e pH. Para a cultura do café, admite-se como adequado, um teor foliar de 40-80 ppm e um nível no solo acima de 0,5 mg/dm3 (Cultura de Café no Brasil- Novo Manual de Recomendações,2005).
 
Segundo estudos feitos por Correa et al. (1986), a demanda de Boro pelo cafeeiro é de 2.500 mg/ha, quantidade que corresponde as exigências para vegetação e produção de 1(uma) saca de 60Kg de café beneficiado na mesma área, ou seja, 1 ha. Essa exigência foi dividida em diferentes partes da planta por Malavolta (2006), de modo que se chegou à seguinte ordem decrescente: folhas, fruto, ramos, tronco e raiz na proporção de 50%, 20%, 15%, 10% e 5%, respectivamente.

Modos de aplicação e Quantidades

O Boro pode ser aplicado no cafeeiro por duas vias principais: via solo e via folha. Ambas são utilizadas em larga escala em cultivos comerciais e experimentais com relativo sucesso, no entanto, cada qual possui características peculiares que devem ser analisadas em função dos teores do elemento no solo e na folha, comportamento do elemento, época do ano, idade da planta, produção, facilidade de aplicação, economia e etc.

A adubação foliar deve ser encarada como uma prática auxiliar no suprimento de nutrientes via solo. Se feita de modo indiscriminado pode acarretar prejuízos tanto por gastos desnecessários como por desequilíbrios, carências e toxidez. De acordo com recomendação da fundação Procafé, o Boro pode ser fornecido via foliar usando-se ácido bórico, bórax ou Boro líquido na concentração de 0,3% a 0,5% para as duas primeiras fontes e, para o Boro líquido, 0,2 a 0,3%. A adubação foliar para o Boro não é duradoura, sendo que mantém o teor foliar por aproximadamente 60 dias.

No fornecimento do nutriente via solo, temos uma maior eficiência quando analisamos o período que essa prática mantém o teor adequado na folha, que pode chegar a 18 meses, além de trazer benefícios ao sistema radicular como discutido anteriormente. A adubação via solo é recomendada em casos de deficiências agudas, ou seja, quando o teor no solo for menor que 0,6 mg/dm3. O suprimento é feito com 2 a 6 kg/ha de Boro aplicados na projeção da copa. As fontes utilizadas podem ser o ácido bórico ou o bórax, dando preferência ao ácido, que apresenta um melhor comportamento no solo pela maior solubilidade (Cultura de Café no Brasil- Novo Manual de Recomendações, 2005). Um fator importante em termos de eficiência agronômica quando decidimos pela aplicação via solo é a solubilidade em água, que influi diretamente na absorção da planta. Lopes (1999) agrupa os fertilizantes fornecedores de Boro quanto à solubilidade em água em:

Solúveis: Ácido Bórico, Bórax, Solubor e Boratos fertilizantes

Medianamente solúveis: Colemanita

Insolúveis: Ulexita

Um detalhe que vale ser lembrado visando economia de recursos é o fato da aplicação no solo, quando a fonte for ácido bórico, poder ser feita juntamente com a aplicação de produtos de solo (inseticida-fungicida) via líquida, bastando somente fazer os cálculos de acordo com a quantidade de calda usada/ha e diluir a quantidade de ácido bórico correspondente no pulverizador. 

A participação relativa do adubo e dos nutrientes do solo depende do nível de fertilidade química atual do solo, ou seja, quanto maior o nível de fertilidade menor a participação do adubo e maior a do solo na produção (MALAVOLTA, 2006).
 
Portanto, somente após a compreensão dos mecanismos que regem o sistema solo- planta-atmosfera, do comportamento dos nutrientes no solo e no interior da planta e dos níveis adequados e modos corretos de aplicação, um nível de fertilidade adequado pode ser buscado. Isso deve acontecer de forma gradativa e contínua, respeitando as particularidades do solo, da cultura e nível tecnológico do produtor, visando produção satisfatória em uma agricultura racional, que equalize necessidades do homem com o ambiente onde vivemos. 
 
Referências:

MALAVOLTA, E.  Manual de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Editora Agronômica Ceres, 2006. 638 páginas.

MATIELLO,J.B.; SANTINATO,R.; GARCIA, A.W.R.; ALMEIDA,S.R.; FERNANDES,D.R.F. Cultura de Café no Brasil- Novo manual de Recomendações. Ed.2005.

LOPES, A.S. Micronutrientes: Filosofias de aplicação e eficiência agronomica- Boletim técnico nº8. ANDA 1999.

PRIMAVESI, A. Manejo Ecológico do solo em regiões tropicais. São Paulo: Nobel, 2002.
CORREA, J.B., A.W.R.GARCIA & P.C.COSTA.1986. Extração de nutrientes pelos cafeeiros Mundo Novo e catuaí. Res. 13º Cong.Pesq. Cafeeira- Multimídia (CD).

NÍVEIS DE CÁLCIO E BORO DE GEMAS FLORAIS DE PEREIRA (Pyrus sp.) NO SUL DO BRASIL ( Valtair Veríssimo, Flávio Gilberto Herter, Alexandre Couto Rodrigues, Renato Trevisan, Anderson Carlos Marafon), Rev. Bras. Frutic. Jaboticabal-SP v.28, n.1, p. 28-31, Abril 2006

ANÁLISES HISTOLÓGICAS E BIOQUÍMICAS EM CALOS DE Eucalyptus urophylla S.T BLAKE CULTIVADOS in vitro SOB INTERAÇÃO NUTRICIONAL DE BORO E CÁLCIO, Trevizam.R, Tese PIRACICABA março de 2005.


Gostou? Compartilhe!
Comentar

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Comentários

Helton Victor - 27/03/2014
Helton Victor
material muito bem preparado e qualificado, contém bastante informações especificas para utlização deste nutrinte... obrigado e parabéns
Hiales - 25/12/2011
Hiales
Muito bom o artigo, parabéns! Gostaria que se possível, me sanassem uma dúvida, o que fazer para corrigir excesso de boro no solo? Assistencio uma propriedade onde o produtor utilizou em excesso acido bórico em frutíferas e olerícolas. Fico no aguardo. hialesfodra@hotmail.com
Andressa - 19/08/2010
Andressa
Me ajudou muito a fazer um trabalho.
Marcio - 25/04/2010
Marcio
Meus cumprimentos à equipe da Rehagro pelo excelente artigo sobre o micronutriente boro. Com certeza, as informações serão de grande importância para todos aqueles que queiram saber um pouco mais sobre a dinâmica do nutriente.
gustavo da silva luciano -
gustavo da silva luciano
Parabéns pela reportagem.
RICARDO -
RICARDO
Gostaria de comprar colemanita, vocês indicariam algum fornecedor? estancia.coqueiral@gmail.com Agradeço a atenção.
Marcio Henrique Salvalagio - Minorgan Fertilizante -
Marcio Henrique Salvalagio - Minorgan Fertilizante
Este artigo foi muito oportuno, haja vista a necessidade de conhecimentos que a cada dia se torna mais necessário, trabalho com fertilizantes organominerais e a cada dia buscamos inovações tecnológicas para dar incremento na produtividade de nossos clientes. Por fim, gostaria de parabenizar e agradecer aos pesquisadores que nos disponibilizaram essas informações que sem dúvida é de grande relevância para agricultura brasileira.
Mateus -
Mateus
Tenho Acido Bórico para vender.
douglas carvalho silva -
douglas carvalho silva
O artigo é ótimo porque a deficiência do boro se confunde com doenças então corrigindo o teor de boro a planta fica mais resistente a doenças e lembrando que e bem mais viável economicamente do que ter que apenas controlar doenças.
Frank -
Frank
O artigo é muito bom e esclarece vários pontos que todos sempre ficam em dúvida, mas o uso de Ca e B na florescimento da soja é muito benéfico, pois diminui abortamento de flores e canivetes. Façam o uso do produto, sempre lembrando da qualidade do produto.