Informativo

Veja as edições anteriores


Cadastre-se e receba nosso informativo!


Nome
E-mail
Celular

Artigos Técnicos

Redução de espaçamento entre linhas no milho
Escrito em 01/06/2007 por Albino Gonçalves Nunes Neto, estagiário, graduando em Agronomia, UFLA e Silvino

1.Introdução

Com o crescente aumento do consumo mundial de milho, tanto para consumos humano e animal e atualmente para atender a demanda enérgica, existe uma pressão cada vez maior para aumento da produção desse cereal no mundo.  A busca por aumento de produtividade tende a ser cada dia maior no mundo devido à redução da possibilidade de abertura de novas fronteiras agrícolas.

No Brasil, felizmente ainda estamos vivendo um momento com disponibilidade de muitas áreas de abertura para cultivo de milho. No entanto, existe uma necessidade de uma busca constante para redução de custos de produção, que normalmente se consegue com incremento de produtividade, a qual está firmemente ligada ao emprego de novas tecnologias.

Nesse contexto, pretende-se nesse artigo discutir uma tecnologia que tem gerado aumento de produtividade em muitos casos, mas que ainda é objeto de pesquisa em todo pais. Trata-se da possibilidade de aumento de produtividade com o uso da redução do espaçamento entre linhas.

2. A redução de espaçamento entre linhas

A redução de espaçamento no milho consiste na redução entre fileiras de 0,8m e 1,0m para 0,6 e 0,4m.

Quando se reduz o espaçamento há um aumento da capacidade competitiva, que resulta em melhor distribuição de plantas na mesma área; menor competição entre plantas da mesma linha;  aumento da eficiência na utilização de nutrientes, água e luz; maior volume de solo explorada pela planta; maior espaço para o desenvolvimento radicular.

Outras vantagens na redução é que ocorre um fechamento entre linhas mais rápido resultando uma menor evaporação; melhor aproveitamento da água do solo - evaporação x transpiração; redução da emergência tardia das plantas daninhas; redução de custos com herbicida. Há também uma melhor qualidade de plantio devido a menor velocidade dos sistemas de distribuição; diminuição no efeito salino (kg de adubo x número de linhas); maior eficiência no uso de maquinários – milho e soja com o mesmo espaçamento e maior eficiência no uso de inseticidas – no alvo.


Fonte:Pioneer Sementes

Independentemente do espaçamento utilizado, existe uma competição entre as raízes das plantas por nutrientes e água no solo. Essa competição existe entre as próprias plantas de milho e entre plantas de diferentes espécies. Quando se reduz o espaçamento, a competição entre as plantas de milho é reduzida. 

Outro efeito da redução é a qualidade de luz absorvida pelas plantas. Como as plantas estão arranjadas mais uniformes, ocorre uma  maior absorção de luz. As plantas absorvem vários tamanhos de ondas, que reflete na qualidade de luz. Essa variação na qualidade de luz recebida pelas plantas, determina algumas modificações no desenvolvimento das plantas como: maior elongação do colmo, folhas mais compridas e finas e elevadas perdas de raízes que, consequentemente, irão deixar o porte das plantas menor, reduzindo o acamamento.  


Fonte: Pioneer Sementes

Outro facilitador na implantação desse procedimento é maximizar a utilização do maquinário, pois se o produtor tiver plantando outras culturas com o mesmo espaçamento não irá precisar ficar mudando plataforma de colheita ou ficar mexendo nos “carrinhos” de plantio alterando o espaçamento, ou seja, irá otimizar o serviço na fazenda.

Nem todo genótipo responde bem a redução de espaçamento, portanto vale frisar que genótipos que apresentam ciclo superprecoce e baixa estatura respondem mais intensamente à redução do espaçamento. Já genótipos de ciclo normal e elevada estatura apresentam menor resposta, provavelmente porque mesmo em espaçamentos maiores, esse tipo de planta ocupa rapidamente as entrelinhas.

Em relação às condições ambientais, espera-se que em situações de reduzidas luminosidade e precipitação pluvial e escassez de nutrientes, as plantas cultivadas em espaçamentos reduzidos apresentem maior aproveitamento dos recursos limitados.

Com a redução do espaçamento e conseqüente aumento no número de fileiras da cultura, os adubos são distribuídos de maneira mais homogênea na área, ou seja, a concentração de adubo na linha torna-se menor, o que reduz o problema de salinização por ocasião da germinação das sementes e de emergência das plântulas.

Em termos de produtividade também há relatos de um aumento entre 15 a 20% na produção do milho, como em um ensaio feito pela Pioneer em Distrito de São Bento, em Carazinho, RS onde o aumento foi de 20%. Mérito que atribui à melhor distribuição das plantas, controle de invasoras por sombreamento, à existência de uma boa palhada e de raízes, e ao melhor aproveitamento da energia solar.

3. Limitações na redução de espaçamento

Existem entraves na redução de espaçamento no milho, principalmente financeiros, pois não se pode plantar com espaçamento reduzido usando o mesmo maquinário do plantio com espaçamento normal. Outra limitação é que não se sabe se pode usar redução de espaçamento em todos os lugares, devido a variações no clima como chuva, umidade relativa, altitude outros fatores que são imprescindíveis para um bom desenvolvimento das plantas no espaçamento reduzido.

Existem investimentos necessários para que dê certo o espaçamento reduzido. Por isso vale a pena avaliar o custo / beneficio para ver se compensa adotar o espaçamento reduzido. Esses investimentos são: aquisição ou adaptação da plataforma de colheita; tratores com maior potência e com rodados estreitos; maiores gastos com manutenção de discos e anéis, atenção redobrada no acompanhamento e monitoramento do plantio.

Há um maior gasto de combustível e de horas trabalhadas, porque como reduz o espaçamento, aumentam as linhas de plantio e, consequentemente, aumentam as horas trabalhadas e o gasto de combustível. 

Outro entrave na redução de espaçamento é que não existem trabalhos suficientes em ambientes variados para que se possa afirmar que se terá uma maior produtividade. Os fatores que influenciam são o ambiente que está sendo plantado, tem que ser um genótipo com um alto potencial de produtividade porque se for um genótipo com baixa capacidade de produtividade não irá valer a pena o plantio com espaçamento reduzido. 

4. Considerações finais

O primeiro passo para que se consiga plantar com o espaçamento reduzido é ter um bom manejo e conhecimento dos gargalos técnicos. Essa redução é para facilitar o manejo, aumentar o controle de plantas daninhas e aumentar a produtividade. Esse procedimento é um refinamento do plantio com espaçamento normal.

Caso não tenha um bom controle das atividades na sua propriedade possivelmente terá dificuldades para a implantação desse sistema de plantio. Para que funcione, existem fatores que são imprescindíveis o controle como: um bom controle na condução do plantio direto, no controle de pragas e doenças, na adoção de rotação de culturas, uso de genótipos com alta capacidade produtiva e um bom maquinário para não atrapalhar o rendimento, principalmente quando se adotar o plantio com espaçamento reduzido a exigência do maquinário será maior.
 
Não se deve esperar colher produtividade de alta tecnologia utilizando baixa tecnologia ou apenas reduzindo o espaçamento. Deve-se avaliar na fazenda as prioridades, é um investimento alto a fazer. Fica então a perguta: será que a adoção desse sistema de plantio é a opção mais urgente a se fazer dentro da fazenda? É uma grande mudança que deve ser feita sempre pensando em suas conseqüências.

Curso online Práticas Aplicáveis à Cultura do Milho

5. Referencias Bibliográficas

• BALBINOT JR., A.A.; FLECK, N.G. Manejo de plantas daninhas na cultura de milho em função do arranjo espacial de plantas e características dos genótipos. Ciência Rural, Santa Maria, v.35, n.1, p.245-252, 2005.
• EMBRAPA/CNPMS. Recomendações técnicas para a cultura de milho. Sete Lagoas, 1982. 53p (Circular Técnica, 6)
• Disponível em <
http://www.seednews.inf.br >
• Disponível em <
http://www.scielo.br/pdf/pab/v36n1/4227.pdf >
• Disponível em <
http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/331/33135142.pdf>
• TERRA, Brescia. Redução do Espaçamento Entre Linhas e Aumento da População de Plantas na Cultura do Milho. In: ENCONTRO DE DIFUSORES DE TECNOLOGIA, 2005, Ribeirão Preto.

Gostou? Compartilhe!
Comentar

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Comentários

rogerio silva ferraz - 25/02/2011
rogerio silva ferraz
ESTE ARTIGO E DE FUNDAMENTAL IMPORTANCIA PARA OS LEITORES,E DE FATO QUE COM O ESPACAMENTO REDUZIDO A CAPACIDADE DE ABSORCAO DA LUZ SOLAR NAO SO PROPORCIONA O ELONGAMENTO DO COLMO COMO TAMBEM MELHORA A UNIFORMIDADE DASPLANTAS .MUITO BOM ESTE ARTIGO.PARABENS.
Sávio Henrique - 15/11/2010
Sávio Henrique
Grato pelo post.
Paulo - 05/06/2009
Paulo
Parabéns pelo seu trabalho, me ajudou bastante almeida008@yahoo.com.br
Thalia - 25/05/2009
Thalia
Eu preciso da pergunta : QUE RELACAO EXISTE ENTRE O SOLO E AS PLANTAS ? E ENTRE O SOLO E OS ANIMAIS ? Se alguem puder me ajudar agradeço Bjks no --> s2 <--
João Batista dos Santos -
João Batista dos Santos
É interessante com o plantio do milho muda em carda região, estado ou município.
RAIR -
RAIR
PARABÉNS!
roge dos santo -
roge dos santo
Eu gostaria de saber se o espaçamento para plantar o milho para silagem de milho e para grão úmido é o mesmo.
Equipe ReHAgro -
Equipe ReHAgro
Roge, o espaçamento pode ser o mesmo para as diferentes finalidades.A escolha do espaçamento entre fileiras nas lavouras de milho está mais ligada ao aproveitamento da área e produtividade de acordo com nível de manejo que será adotado do que com a finalidade do uso do cereal. Entre as vantagens potenciais da utilização de espaçamentos mais estreitos, podem ser citados o aumento do rendimento de grãos, em função de uma distribuição mais equidistante de plantas na área, aumentando a eficiência de utilização de luz solar, água e nutrientes, melhor controle de plantas daninhas, devido ao fechamento mais rápido dos espaços disponíveis, redução da erosão, melhor qualidade de plantio. Uma das dificuldades para o uso de espaçamento mais estreitos eram as colhedoras, que muitas vezes não adaptavam a essa situação. No entanto, hoje com a evolução do parque de máquinas agrícolas, esse problema já não existe.
Eduardo lenzi Costa -
Eduardo lenzi Costa
Gostaria de parabenizar pela postagem e de informar ao produtor Roge que a empresa JF possui um kit de 2 linhas que se adapta a qualquer máquina da mesma, agilizando assim em até 50% na produção de silagem.
Fagner Luft -
Fagner Luft
Estou manuseando meu TCC e minha tese é defender um maior rendimento de grãos em soja no espaçamento entre linhas de 60cm. Qualquer dica, pelo contato: agro_fagui@hotmail.com Sede Nova-RS forte abraço.