Rehagro Blog

8 dicas para um projeto de excelência em pecuária de leite

A primeira etapa obrigatória para uma boa definição de projeto é a definição do que você deseja fazer, ter um objetivo. E este, será o principal alvo de todo o trabalho. Na execução de um projeto, a definição do objetivo, é como antes de iniciar uma viagem, definir o destino para onde se está indo. Não se pode definir o roteiro ou o meio de transporte a ser usado sem antes se definir o destino.

1- Definição do objetivo

Todas as decisões a serem tomadas na elaboração de um projeto estarão sendo muito influenciadas pelo objetivo, por isso deve-se dar atenção a uma clara definição do objetivo.

O objetivo de um projeto ou sistema de produção deve ser definido pelo(s) empresário(s). Somente o empresário ou a alta gestão de uma empresa pode definir o objetivo e toda empresa será um reflexo direto ou indireto do que pensa sua alta gestão.

É fundamental tomar alguns cuidados na definição do objetivo:

Defina um objetivo verdadeiro: É comum as pessoas dizerem que o objetivo de um negócio é ter o máximo retorno do capital investido, por saberem que essa é a proposta o mundo capitalista e que propostas diferentes seriam recriminadas ou até discriminadas. Sempre que se definir um objetivo é importante que haja um aprofundamento nessa análise para se evitar uma definição superficial que não expresse os verdadeiros sentimentos do empresário. Existem sistemas que não tem como objetivo central a máxima remuneração do capital, isso deve ser percebido e tratado com naturalidade. Esses sistemas precisam ser tratados em acordo com o verdadeiro objetivo. Qualidade de vida, adequação ao ideal de vida do empresário, nível de “stress” provocado pelo sistema, realização de um sonho pessoal, prazer e status podem ser fatores que alteram o objetivo de um sistema e devem ser considerados.

Aprofunde no objetivo: A definição do objetivo deve ser feita de forma profunda, analisando a definição no contexto pessoal e profissional do empresário. Se o objetivo for o lucro, deve-se pensar qual é o objetivo daquele lucro. Para onde a empresa e o empresário querem verdadeiramente ir? O crescimento será indeterminado ou existe uma pretensão de crescer até determinado ponto e cuidar de outras prioridades? Que nível de sacrifício se está disposto a fazer para atingir esse objetivo? Esse projeto é o principal projeto de vida do empresário ou é só mais um projeto? Quanto tempo o empresário pode esperar para atingir esse objetivo? Qual a importância desse projeto na estabilidade futura desse empresário?

2- Perfil do empresário

Na definição do projeto é fundamental que se faça uma boa análise do perfil do empresário.

Pondere as seguintes características:

  • Origem: O empresário tem origem relacionada com a atividade ou está interessado recentemente e não tem conhecimento amplo do negócio?
  • Gosto pessoal: As preferências pessoais do empresário devem ser conhecidas e levadas em consideração. Desde que isso não seja tecnicamente contra indicado deve-se tentar adequar o projeto as preferências pessoais do empresário. Assim como a adequação de um funcionário a uma função relacionada com suas preferências pessoais é um fator de motivação, a adequação de um projeto às preferências do empresário deve motiva-lo. Cuidado apenas para não abrir mão de definições técnicas importantes em função de preferências pessoais. Nesse caso exercite a capacidade de argumentação e convença o empresário das razões para a melhor opção.
  • Disponibilidade de tempo e interesse em fazer a gestão do empreendimento: O empresário planeja fazer a gestão ou irá delegar para uma pessoa contratada? Se planejar fazer a gestão, qual é sua capacidade e experiência administrativa. Em uma gestão contratada o sistema pode substituir a pessoa e buscar o perfil ideal. Quando o gestor é o próprio empresário, ele não pode ser substituído e por isso o sistema tem que investir em seu crescimento e estar compatível com suas limitações.
  • Capacidade de delegar responsabilidades: Especialmente nas situações em que a gestão será entregue a pessoas contratadas deve-se identificar a capacidade do empresário de faze-lo com competência. Muitas vezes a interferência errada do empresário que tem dificuldades de delegar poderes reais ao gestor complica o sistema. A definição da estrutura administrativa é fundamental para uma boa definição do sistema. Um sistema deve ter complexidade compatível com a estrutura administrativa.
  • Capacidade de investimento: O dimensionamento e a velocidade de implementação de um sistema vão depender diretamente da capacidade de investimento do empresário.
  • Pretensão de lucro: Cada pessoa tem uma pretensão financeira diferente, em função do próprio horizonte que vislumbra. Isso é fundamental nos processos de contratação; não se deve contratar alguém que pretende ganhar R$ 5000,00 por mês para ser ordenhador. Da mesma forma deve-se considerar a pretensão do empresário para a definição de um projeto. Um empresário acostumado a trabalhar com negócios milionários não deve ter uma fazenda com 40 vacas em lactação, pois não vai trata-la como um negócio importante. Por outro lado um produtor rural que passou a vida gerenciando uma fazenda que cresceu dos 200 para os 600 litros diários vai se realizar se um projeto bem feito for capaz de leva-lo a uma produção de 1500 litros diários e não vai conviver bem com a ideia de possuir um mega projeto com 1000 vacas em lactação.

3- Definição das condições pré-existentes

A fazenda

Algumas vezes um projeto pode ser executado para um cliente que ainda não tem a fazenda. Nessa situação pode-se definir a fazenda ideal em função dos outros fatores de definição do sistema. No entanto, na realidade prática oque acontece na maioria das vezes é o início do trabalho de definição do projeto para um cliente que já tem a fazenda. Nesse caso a fazenda é um fator muito importante de definição do sistema a ser usado e por isso deve-se fazer um bom diagnóstico.

  • Extensão da fazenda e das glebas – É Fundamental que a área seja medida para que as decisões possam ser precisas. O investimento de medição de uma fazenda é feito uma vez só e vai melhorar todas as tomadas de decisão.
  • Topografia – Com a fazenda medida pode-se fazer uma avaliação da topografia de cada gleba. Sugerimos a definição das áreas mecanizáveis e não mecanizáveis. Essa característica está intimamente ligada à possibilidade de intensificação.
  • Qualidade de solo – Deve-se fazer uma boa avaliação da qualidade dos solos a serem trabalhados. A participação de um agrônomo com boa experiência é fundamental nessa etapa e a análise dos solos será fundamental para que se tenha uma visão adequada do nível de fertilidade pré-existente. A identificação da qualidade dos solos vai influenciar diretamente a escolha das opções forrageiras, determinar os trabalhos de recuperação a serem feitos e pode influenciar o cronograma de implantação do projeto.
  • Possibilidade de irrigação – A disponibilidade de água para irrigação e o estudo da viabilidade de outorga dessa água devem ser avaliados para que se pondere a viabilidade ou não de envolver irrigação no projeto.
  • Culturas pré-existentes – De preferência de posse do mapa com as medidas precisas de cada gleba, deve-se definir quais as culturas pré-existentes na fazenda. Nas glebas de pasto definir que espécie está presente e a condição em que está vegetando (bom estado ou degradado). Nas glebas de cultura (milho, soja, etc) é importante que se tenha uma referência das produções anteriores e que se faça uma avaliação do estado das glebas.

4- Clima e pluviometria

Na fase de diagnóstico é fundamental que se faça um bom estudo das condições climáticas da região. A variação climática ao longo do ano deve ser analisada cuidadosamente. Deve-se buscar informações de estações meteorológicas próximas, de preferência com dados de muitos anos, para evitar ser influenciado por informações pouco precisas.

A temperatura e umidade ao longo do ano têm grande influência na definição da raça a ser usada, do desempenho animal esperado e das instalações a serem definidas. As opções forrageiras, estratégias agronômicas e a viabilidade de uso de irrigação também serão influenciadas pela temperatura e umidade.

O regime pluviométrico também deve ser bem estudado para dar base à montagem das estratégias agronômicas e de manejo animal.

5- Mercado

Faça uma análise de mercado dos produtos que serão vendidos pelo sistema. Se o sistema vai vender leite “in natura”, procure avaliar o mercado regional. Quem são os compradores, qual tem sido sua política, como o mercado regional se comporta ao longo do ano e como se compara com o de outras regiões do país. Faça também uma análise do mercado nacional e mundial, tentando vislumbrar as tendências futuras. Avalie também a possibilidade de verticalização do sistema. Para isso pondere quais são os centros potencialmente consumidores, a que distância se situam e que perfil de produto poderia atende-los. Pondere também se o empresário tem perfil para assumir mais esse desafio e se o dimensionamento do sistema está compatível com o tipo de verticalização.

Analise o mercado de animais. A comercialização de animais pode ser importante para o sistema. Entenda como é o perfil do mercado de animais da região e avalie a possibilidade de atuar em outros mercados. Associe isso a capacidade do empresário de fazer um bom marketing e boa condução das vendas. Avalie também, se for o caso, o mercado para compra de animais para implantação do projeto.

Faça um estudo no mercado dos produtos a serem comprados pelo sistema. Veja as opções regionais de subprodutos, analise a distância e a disponibilidade dos produtos que serão usados na alimentação e veja o mercado de corretivos e fertilizantes. Algumas regiões ganham competitividade por estarem situadas estrategicamente próximo ao mercado de insumos.

6- As pessoas

É muito importante que se faça uma análise do perfil das pessoas envolvidas no processo. Procure se aproximar das pessoas que trabalham nos diversos níveis da empresa. Uma análise dessas pessoas vai apontar fatores importantes na definição do desafio de implementar o projeto e pode direcionar definições do sistema de produção a ser implementado. Alguns fatores devem ser observados:

  • As pessoas estão satisfeitas e têm uma relação positiva com a empresa?

A resposta a essa pergunta vai sinalizar a capacidade dos gestores de motivar a equipe e envolve-los nos desafios da empresa. A implementação de sistemas mais complexos vai exigir esse tipo de habilidade.

  • As pessoas têm influência dos aspectos econômicos em suas decisões?

É comum a existências de empresas que por estarem ao longo dos anos trabalhando sem um planejamento adequado têm equipes que trabalham muitas vezes motivadas e satisfeitas mas sem qualquer relação com a eficiência econômica da atividade. Nesse quadro as decisões são geralmente voltadas para alta eficiência produtiva mas desvinculadas de eficiência econômica. A alteração desse quadro vai demandar medidas firmes e por isso é importante que ele seja identificado.

  • As pessoas têm qualidade de vida?

Faça uma avaliação da qualidade de vida das pessoas. Avalie a qualidade das casas, do transporte, veja se as folgas, horários e férias são respeitados. Ao se intensificar um processo é fundamental que as pessoas tenha condições de vida adequadas para que possam evoluir com o treinamento.

  • Identifique as pessoas receptivas e as resistentes

Vão existir pessoas altamente receptivas e satisfeitas com o processo de mudança e outras que muitas vezes por se sentirem ameaçadas tornam-se resistentes. Procure conhecê-los melhor. Incentive aquele que é receptivo e avalie o resistente. Muitas vezes uma condução habilidosa transforma o adversário em forte aliado. Tome cuidado para não tirar conclusões apressadas, procure conhecer bem as pessoas.

  • Qual o nível cultural das pessoas envolvidas?

Procure saber sobre a escolaridade e a experiência das pessoas que estarão envolvidas. A complexidade do sistema proposto ou a velocidade de implantação poderão ser influenciadas por esses fatores.

  • Qual a abertura para que se faça alguma alteração na equipe?

O empresário já tem confiança suficiente em seu trabalho para permitir que você proponha alguma mudança na equipe? Isso pode ser útil para que pessoas de difícil recuperação sejam substituídas. Quando a implantação de um projeto envolve mudança de postura na equipe a substituição de algumas pessoas é quase inevitável. A inserção na equipe de pessoas de sua confiança e que já conheçam sua metodologia de trabalho pode ser um grande facilitador. É importante que essa análise dessa hipótese seja feita na fase de diagnóstico para que se proponha um cronograma compatível com a velocidade de formação da equipe.

7- O rebanho

Determine a composição do rebanho atual. Divida os animais por categoria.

Faça uma avaliação individual dos animais. Defina uma metodologia para tal. Uma sugestão pode ser classificar por grau de sangue e também classificar a qualidade do animal. Exemplo:

  • Animal perfeito, altamente desejável para o sistema.
  • Animal com algum pequeno defeito, mas desejável para o sistema.
  • Animal com defeito, mas aceitável para o sistema.
  • Animal com defeito que o impede de permanecer no sistema, mas pode ser vendido sem ser para corte.
  • Animal de corte.
  • Faça uma avaliação da condição sanitária do rebanho. Verifique a condução anterior da sanidade, se os dados não forem absolutamente confiáveis refaça os exames. Problemas como tuberculose, brucelose, mastite e problemas de casco devem ser identificados antes mesmo de começar o trabalho. Evite detectar tarde demais algo capaz de mudar o contexto.
  • Faça um bom levantamento dos índices zootécnicos atuais. Isso vai te permitir a boa definição do quadro anterior ao projeto e uma visão do desafio a ser assumido.

8- Documente a realidade anterior

Não se esqueça de fazer uma boa caracterização da realidade anterior. Tire fotos, registre os índices zootécnicos e econômicos anteriores. Preocupe-se em fazer um bom arquivo do antes.

Como em qualquer processo de venda é muito importante que se tenha boas ferramentas. A memória das pessoas á curta e quando se acostumam a uma nova realidade podem se esquecer da realidade anterior. Para uma adequada valorização dos resultados obtidos, prepare uma apresentação com o antes e o depois. Isso pode ser fundamental para a motivação da equipe para novos desafios, pode ser ferramenta de venda de outros projetos ou pode ser usado para evidenciar o custo/benefício do recurso investido no projeto.